PAU­LO TORRES “Criá­mos si­tu­a­ções de su­pe­ri­o­ri­da­de”

Jornal dos Desportos - - FUTEBOL - VALÓDIA KAMBATA

A boa exe­cu­ção dos as­pec­tos téc­ni­cos e tác­ti­cos por par­te dos jo­ga­do­res do In­ter­clu­be, no jo­go com o Pro­gres­so do Sam­bi­zan­ga, que se dis­pu­tou no sá­ba­do no Es­tá­dio 22 de Ju­nho, foi de­ter­mi­nan­te pa­ra que os po­lí­ci­as so­mas­sem mais uma vi­tó­ria no cam­pe­o­na­to, a quar­ta con­se­cu­ti­va e que ga­ran­tiu o re­for­ço da li­de­ran­ça, se­gun­do o trei­na­dor Pau­lo Torres.

Não obs­tan­te is­so, o téc­ni­co Pau­lo Torres afir­mou que es­ta­va cons­ci­en­te das di­fi­cul­da­des que a equi­pa ia en­fren­tar di­an­te de um ad­ver­sá­rio mui­to de­di­ca­do, quan­do jo­ga fo­ra de ca­sa.

"Foi um jo­go mui­to di­fí­cil, que já pre­vía­mos, por is­so, ao lon­go da se­ma­na tra­ba­lhá­mos nes­te sen­ti­do. O Pro­gres­so é uma equi­pa que de­fen­de mui­to. Na pri­mei­ra par­te, per­de­mos mui­tos pas­ses. Ao in­ter­va­lo hou­ve uma rec­ti­fi­ca­ção, al­te­ra­mos o nos­so sis­te­ma de jo­go, com a en­tra­da do Ka­po­ral e li­ber­tá­mos mais o Ma­no e a par­tir daí, cri­ar­mos si­tu­a­ções de su­pe­ri­o­ri­da­de nu­mé­ri­ca", dis­se o téc­ni­co.

O téc­ni­co da equi­pa da Po­lí­cia Na­ci­o­nal afe­riu, que ape­sar das si­tu­a­ções que os sam­bi­las cri­a­ram, os seus pu­pi­los fo­ram ma­ra­vi­lho­sos no cum­pri­men­to dos as­pec­tos tác­ti­co e téc­ni­co, ga­ran­ti­ram por is­so a vi­tó­ria.

"O go­lo sur­ge de for­ma na­tu­ral, a nos­sa equi­pa es­ta­va bem ofen­si­va­men­te, num jo­go mui­to di­fí­cil , com um ad­ver­sá­rio que du­ran­te o cam­pe­o­na­to vai ti­rar pon­tos a equi­pas que nor­mal­men­te fi­cam nos pri­mei­ros lu­ga­res", dis­se.

O pró­xi­mo de­sa­fio do In­ter­clu­be es­tá mar­ca­do pa­ra quar­ta-fei­ra dia 14 em Ben­gue­la, di­an­te do Es­tre­la 1º de Maio, re­fe­ren­te à sex­ta jor­na­da, e Pau­lo Torres pre­ten­de igual­men­te so­mar mais uma vi­tó­ria.

O téc­ni­co do Pro­gres­so do Sam­bi­zan­ga, Hélder Tei­xei­ra, la­men­tou a der­ro­ta da equi­pa que pre­ten­dia sair do Es­tá­dio 22 de Ju­nho com os três pon­tos, e aca­bar com um ci­clo sem ven­cer.

"Sa­bía­mos, que se­ria um jo­go de ex­tre­ma di­fi­cul­da­de, em­bo­ra, a equi­pa ba­teu-se bem. Foi um bom jo­go, pe­na é que o In­ter­clu­be foi mui­to in­te­li­gen­te, no mo­men­to cer­to em que es­tá­va­mos a cres­cer co­me­ça­ram a fa­zer an­ti­jo­go", sa­li­en­tou.

O téc­ni­co fri­sou que vai tra­ba­lhar nos as­pec­tos ofen­si­vos e de­fen­si­vos pa­ra que na pró­xi­ma jor­na­da com o Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, o re­sul­ta­do sor­ria à sua equi­pa, pois, tem um plan­tel mui­to jo­vem.

"Por dis­trac­ção de­fen­si­va so­fre­mos o pri­mei­ro go­lo, mas is­so, tam­bém é fru­to da ju­ven­tu­de que te­mos", re­fe­riu.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.