Lu­an­da as­si­na­la ce­le­bra­ções do Cism

Mar­cha in­te­grou des­por­tis­tas mi­li­ta­res de to­dos os ra­mos das For­ças Ar­ma­das

Jornal dos Desportos - - MODALIDADES - SIL­VA CACUTI

Odes­por­to mi­li­tar em An­go­la es­tá ac­ti­vo, ape­sar da não re­a­li­za­ção no ano pas­sa­do dos jo­gos des­por­ti­vos mi­li­ta­res, ini­ci­al­men­te agen­da­dos pa­ra a ci­da­de do Hu­am­bo. A ga­ran­tia é de Ju­ce­li­no Ben­to, che­fe da de­le­ga­ção do Con­se­lho In­ter­na­ci­o­nal do Des­por­to Mi­li­tar (Cism), que fa­la­va ao Jor­nal

dos Des­por­tos à pro­pó­si­to da mar­cha de sá­ba­do que mar­cou a ce­le­bra­ção do 70º ani­ver­sá­rio da ins­ti­tui­ção que re­ge o des­por­to mi­li­tar em to­do o mun­do.

A mar­cha, in­te­gra­da por des­por­tis­tas mi­li­ta­res de to­dos os ra­mos das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas, par­tiu das ime­di­a­ções do Mi­nis­té­rio da De­fe­sa Na­ci­o­nal, des­ceu à mar­gi­nal, pas­sou pe­lo Me­mo­ri­al ao sol­da­do des­co­nhe­ci­do e ter­mi­nou na pra­ça dos even­tos, em ple­na Mar­gi­nal.

Ju­ce­li­no Ben­to dis­se que os mi­li­ta­res es­tão ca­da vez mais en­vol­vi­dos na prá­ti­ca des­por­ti­va, que a sua ins­ti­tui­ção aguar­da ori­en­ta­ções pa­ra tra­ba­lhar nas ver­ten­tes ad­mi­nis­tra­ti­va, lo­gís­ti­ca e téc­ni­ca, pa­ra que os jo­gos des­por­ti­vos mi­li­ta­res se­jam efec­ti­va­dos es­te ano, na ci­da­de do Hu­am­bo.

De re­cor­dar que em 2012, An­go­la aco­lheu a III As­sem­bleia-Ge­ral Or­di­ná­ria da Or­ga­ni­za­ção do Des­por­to Mi­li­tar em Áfri­ca (OSMA), de que o país é mem­bro fun­da­dor e tem a se­de per­ma­nen­te em Ya­oun­dé, Ca­ma­rões.

O Con­se­lho In­ter­na­ci­o­nal do Des­por­to Mi­li­tar é um or­ga­nis­mo trans­na­ci­o­nal, com se­de em Bru­xe­las, Bél­gi­ca, cri­a­do a 18 de Fe­ve­rei­ro de 1948, com a fi­na­li­da­de de fo­men­tar a paz e a ami­za­de en­tre os mi­li­ta­res, atra­vés do des­por­to.

A 18 de Fe­ve­rei­ro de 1948, du­ran­te um en­con­tro de es­gri­ma, re­a­li­za­do em Ni­ce, Fran­ça, em que par­ti­ci­pa­ram mi­li­ta­res da Bél­gi­ca, Di­na­mar­ca, Fran­ça, Lu­xem­bur­go e Ho­lan­da, foi cri­a­do o Con­se­lho In­ter­na­ci­o­nal do Des­por­to Mi­li­tar (CISM). De for­ma gra­du­al, vá­ri­os paí­ses ade­rem à or­ga­ni­za­ção.

An­go­la per­ten­ceu de 1979 a 1989, atra­vés do Co­mi­té Des­por­ti­vo Na­ci­o­nal Mi­li­tar (Co­denm) ao ex­tin­to Co­mi­té Des­por­ti­vo dos Exér­ci­tos Ami­gos (SKDA), afec­to ao an­ti­go blo­co so­ci­a­lis­ta. O SKDA foi fun­da­do em 1958 e du­ran­te vá­ri­os anos, An­go­la ocu­pou a vi­ce -pre­si­dên­cia pa­ra o con­ti­nen­te afri­ca­no. Em fi­nais de 1989, com as al­te­ra­ções no ce­ná­rio po­lí­ti­co mun­di­al, o SKDA e o CISM as­si­nam um protocolo de in­ten­ções pa­ra a reu­ni­fi­ca­ção das du­as or­ga­ni­za­ções.

O acor­do fracassou de­vi­do à que­da do mu­ro de Ber­lim, a de­sin­te­gra­ção da Ex-URSS e em con­sequên­cia, o pró­prio SKDA. Pre­va­le­ceu o CISM co­mo úni­ca or­ga­ni­za­ção mun­di­al de des­por­to mi­li­tar. Após apre­sen­ta­ção for­mal do pe­di­do de ade­são ao CISM, An­go­la foi acei­te a 9 de Maio de 1991, du­ran­te a 46ª As­sem­bleia-Ge­ral do CISM, re­a­li­za­da em Arusha, Tan­zâ­nia, co­mo 86º mem­bro efec­ti­vo da or­ga­ni­za­ção. O pri­mei­ro che­fe da de­le­ga­ção an­go­la­na foi o Ma­jor -Ge­ne­ral Se­bas­tião Gar­ri­do “Che­gue­va­ra”, ao pas­so que o Te­nen­te-Co­ro­nel Nel­son Lo­pes “Ka­ta­xo” foi o pri­mei­ro de­le­ga­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.