In­te­res­ses cru­za­dos ou ob­jec­ti­vos co­muns? (II)

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - NZONGO BER­NAR­DO DOS SAN­TOS *

Na sequên­cia da abor­da­gem fei­ta na se­ma­na pas­sa­da nes­te es­pa­ço, em que de­fen­di com pou­cos dos mui­tos ar­gu­men­tos con­vin­cen­tes que pos­suo, pa­ra con­ti­nu­ar a pro­var “nem que me en­ter­rem vi­vo”, de que o ac­tu­al mo­de­lo de fi­nan­ci­a­men­to pa­ra o des­por­to na­ci­o­nal há mui­to que es­tá “li­qui­da­do”, ou se­ja es­tá SUB-DE­SEN­VOL­VI­DO, pois, o mes­mo con­ti­nua ba­se­a­do em três ei­xos, no­me­a­da­men­te: as CO­TAS, o ME­CE­NA­TO e a BI­LHE­TE­RIA, vou ago­ra de­di­car aten­ção ex­clu­si­va, es­pe­ci­a­li­za­da e tan­gí­vel, ao mo­de­lo de fi­nan­ci­a­men­to pa­ra o des­por­to, ac­tu­al­men­te em uso, ou em fa­se de im­ple­men­ta­ção na mai­or par­te dos paí­ses em to­do o mun­do, mo­de­lo que eu con­si­de­ro DE­SEN­VOL­VI­DO, e que es­tão ba­se­a­dos, cu­ri­o­sa­men­te, tam­bém em três ei­xos, no­me­a­da­men­te; MAR­KE­TING DES­POR­TI­VO, PA­TRO­CÍ­NI­OS E CON­TRA­TO-PRO­GRA­MA.

MAR­KE­TING DES­POR­TI­VO

Não é no­vi­da­de pa­ra nin­guém, que o mar­ke­ting des­por­ti­vo pas­sou a fa­zer par­te das re­cei­tas “cor­ren­tes” mais im­por­tan­tes do fi­nan­ci­a­men­to dos clu­bes des­por­ti­vos além-fron­tei­ras.

Ain­da, no que to­ca ao mar­ke­ting des­por­ti­vo, mais con­cre­ta­men­te fei­to além fron­tei­ras, sus­ten­ta-se com ba­se em pu­bli­ci­da­de, na ven­da de mer­chan­di­sing, bem co­mo de re­cei­tas pro­ve­ni­en­tes de trans­mis­sões te­le­vi­si­vas.

Nes­te as­pec­to, ape­sar de já es­tar­mos a fa­zer de mo­do ain­da in­ci­pi­en­te al­gu­ma coi­sa, o que é de to­do lou­vá­vel, a ver­da­de é que ain­da es­ta­mos lon­ge do ide­al, por­que fal­ta-nos o su­por­te téc­ni­co­pro­fis­si­o­nal, uma ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra es­tru­tu­ra­da, e aci­ma de tu­do ou mais im­por­tan­te de tu­do, que se mu­de a men­ta­li­da­de, o con­cei­to de di­ri­gen­te des­por­ti­vo, pa­ra ges­tor des­por­ti­vo.

Por­que e des­cul­pem-me a fran­que­za, com tan­tos “sa­pa­tei­ros a to­car ra­be­cão”, um pou­co por tu­do o que é can­to e lu­gar a ní­vel do des­por­to na­ci­o­nal, não se po­de es­pe­rar me­lhor.

Ou se­ja, que o des­por­to dê o tal sal­to pa­ra o pro­fis­si­o­na­lis­mo pu­ro e ma­du­ro, quan­do ao in­vés dis­so, es­ta­mos sem­pre com o “co­ra­ção na mão”, à es­pe­ra e pre­pa­ra­dos pa­ra o pi­or por­que nun­ca sa­be­mos co­mo é que is­so tu­do vai aca­bar, ou qual se­rá o seu fim, a jul­gar.

O meu pon­to de vis­ta, é que o des­por­to na­ci­o­nal apa­nhou em cheio a cri­se que o país es­tá a atra­ves­sar fi­nan­cei­ra­men­te, ao pon­to de so­frer co­mo um gra­vís­si­mo aci­den­te, co­mo se par­tis­se to­do “ca­be­ça, bra­ços, pés, coluna, tor­no­ze­lo e não sei lá mais o quê”!

Fa­lan­do ain­da so­bre o mar­ke­ting des­por­ti­vo, va­le sa­li­en­tar que os clu­bes e Fe­de­ra­ções de­vem usá-la da mes­ma ma­nei­ra que os trei­na­do­res, in­de­pen­den­te­men­te da mo­da­li­da­de uti­li­zam de­ter­mi­na­dos jo­ga­do­res pa­ra fa­ze­rem jo­ga­das de­ci­si­vas em de­ter­mi­na­dos mo­men­tos do jo­go, re­fi­ro-me às co­nhe­ci­das “ar­mas se­cre­tas”.

É cla­ro que o mar­ke­ting po­de e de­ve ser uma ar­ma se­cre­ta pa­ra com­ba­ter as di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras e os re­cur­sos que afec­tam se­ri­a­men­te os clu­bes e as Fe­de­ra­ções na­ci­o­nais, que pa­ra o efei­to e pa­ra seu bom uso co­mo ga­ran­tia cer­ta de re­tor­nos aos in­ves­ti­men­tos fei­tos, de­vem pro­cu­rar ca­rac­te­ri­zá-lo pa­ra ex­plo­rá-lo e apro­vei­tá-lo de ma­nei­ra pro­fi­ci­en­te, prin­ci­pal­men­te, no que tan­ge às re­la­ções exis­ten­tes en­tre os adep­tos do des­por­to e as mar­cas quer des­por­ti­vas, bem co­mo as mar­cas em­pre­sa­ri­ais ou co­mer­ci­ais que apos­tem no des­por­to pa­ra pas­sar as su­as men­sa­gens e di­vul­gar os seus pro­du­tos e ser­vi­ços.

Ago­ra, acer­ca de PA­TRO­CÍ­NI­OS, va­le a pe­na re­fe­rir que é uma fer­ra­men­ta que uti­li­za o des­por­to co­mo veí­cu­lo e su­por­te de co­mu­ni­ca­ção, que por cau­sa da di­men­são e es­pa­ço que ga­nha con­sis­ten­te­men­te no mé­ti­er des­por­ti­vo, va­le a pe­na co­nhe­cer e en­ten­der bem o seu fun­ci­o­na­men­to me­to­do­ló­gi­co!

O pa­tro­cí­nio des­por­ti­vo, fi­nan­ci­a­do to­tal ou par­ci­al­men­te, de­ve ser bem pen­sa­do e ge­ri­do com o pro­fis­si­o­na­lis­mo de­vi­do, no âm­bi­to de uma es­tra­té­gia de co­mu­ni­ca­ção per­fei­ta­men­te in­te­gra­do, de­ve pa­ra o efei­to es­tar su­jei­to à di­vul­ga­ção pú­bli­ca, já que a con­tra­par­ti­da é uma re­fe­rên­cia pa­ra as en­ti­da­des que apoi­am ou pa­tro­ci­nam o des­por­to, que per­mi­te o es­ta­be­le­ci­men­to de uma re­la­ção e cli­ma de pro­xi­mi­da­de, in­te­rac­ti­vi­da­de e en­vol­vi­men­to emo­ci­o­nal en­tre mar­cas des­por­ti­vas, mar­cas em­pre­sa­ri­ais ou co­mer­ci­ais e os adep­tos fãs do des­por­to, que si­mul­ta­ne­a­men­te são con­su­mi­do­res ou cli­en­tes das re­fe­ri­das mar­cas.

E, nes­te cam­po, às quan­tas an­da­mos, em An­go­la?

Es­te, e o as­sun­to re­la­ci­o­na­do com o CON­TRA­TO PRO­GRA­MA vão ser abor­da­dos no pró­xi­mo ar­ti­go, que por si­nal, se­rá o úl­ti­mo des­ta sé­rie “ex­clu­si­va” de ar­ti­gos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.