“Os três mag­ní­fi­cos da bo­la”: o lin­cha­men­to do trei­na­dor e a mor­te do jor­na­lis­ta (fim)

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - NOR­BER­TO COS­TA

Ajo­co­sa e abu­si­va ato­ar­da lan­ça­da ir­res­pon­sa­vel­men­te por Coimbra, por via dos mi­cro­fo­nes avas­sa­la­do­res, co­lou à pa­re­de e vai pro­du­zir es­tra­gos de efei­tos re­tar­da­dos ao edi­fí­cio, ou se­ja, tan­to di­rec­ta­men­te ao trei­na­dor e aos adep­tos de­so­ri­en­ta­dos e, por ri­co­che­te, con­tra si. Os ou­vin­tes na ban­ca­da pas­sa­ram a re­pe­tir a acu­sa­ção gra­tui­ta.

Se­gun­do con­ta o nar­ra­dor, “Tu­do in­di­ca­va que o trei­na­dor ti­nha si­do com­pra­do pe­la equi­pa ad­ver­sá­ria. Se­gun­do a ver­são pos­ta a cir­cu­lar sem ob­ser­vân­cia do exer­cí­cio do con­tra­di­tó­rio, os ni­ge­ri­a­nos go­za­ri­am da fa­ma de tal ac­to re­pro­vá­vel não con­fir­ma­do, in­clu­si­ve foi in­si­nu­a­do que o trei­na­dor foi vis­to com os mes­mos no ho­tel em que se hos­pe­da­ram: “Da su­po­si­ção pas­sou à ver­da­de.. Da ver­da­de co­me­ça­ram a sur­gir pes­so­as que se di­zi­am pos­suí­das de pro­vas do ne­gó­cio. Ou­tros afir­ma­vam te­rem vis­to o trei­na­dor Fir­mi­no no ho­tel dos ni­ge­ri­a­nos.”

Tal di­a­tri­be e ma­ni­pu­la­ção da opi­nião pú­bli­ca, te­rá le­va­do os adep­tos a apron­ta­rem um cor­rec­ti­vo con­tra o ino­cen­te trei­na­dor que foi ata­ca­do em ple­no es­tá­dio, on­de de­cor­ria o jo­go, an­te o si­lên­cio e a pas­si­vi­da­de dos agen­tes po­li­ci­ais en­car­re­gues da ma­nu­ten­ção da se­gu­ran­ça e tran­qui­li­da­de pú­bli­cas, es­ca­pan­do o mis­ter do lin­cha­men­to por um triz, pon­do-se a mon­te qu­an­to an­tes.

Te­ve que se pôr ao fres­co, oh, per­na pa­ra que te que­ro! Quem se ocu­pou do­ra­van­te da ori­en­ta­ção téc­ni­ca da equi­pa foi um dos adep­tos cu­ri­o­so, as­ses­so­ra­do por um an­ti­go atle­ta atre­vi­do, an­te à in­di­fe­ren­ça dos res­pon­sá­veis fe­de­ra­ti­vos.

Na ver­da­de es­ta­mos em pre­sen­ça de um me­to­ní­mia da Or­dem fei­ta de­sor­dem so­ci­al. Es­ta­va ins­tau­ra­do o ca­os cul­tu­ral e, qui­ça, so­ci­al, an­te a ir­res­pon­sa­bi­li­da­de do jor­na­lis­ta, nas ves­tes de co­men­ta­ris­ta des­por­ti­vo da rá­dio lo­cal, ao ro­tu­lar o trei­na­dor de cor­rup­to, sem qual­quer pro­va da­da, e só por cau­sa da sua op­ção tác­ti­ca em man­ter os três cra­ques ini­ci­al­men­te no ban­co. "Fir­mi­no ba­te bo­la bai­xa" In­fe­liz e de­sa­for­tu­na­da­men­te, o ca­os es­ten­deu-se até ao bair­ro on­de ha­bi­ta­va o trei­na­dor e, con­se­quen­te­men­te, à sua fa­mí­lia: an­te a cha­co­ta ge­ral, a es­po­sa de­ci­diu pôr ter­mo ao ca­sa­men­to, pois já não su­por­ta­va mais tan­tos apu­pos e in­sul­tos, até dos mais "mar­gi­na­li­za­dos" da ba­se da pi­râ­me­de so­ci­al, re­cor­rên­cia do en­re­do cen­tra­do en­tre “va­ga­bun­dos, pros­ti­tu­tas e bê­be­dos”( di­ria Jor­ge Ama­do que es­sa ti­po­lo­gia de per­so­na­gens" é que lhe dá hon­ra imen­sa").

De tal sor­te que, en­tre es­tes úl­ti­mos, os fa­mo­sos ami­gos de oca­sião, ou se­ja do "co­po", um se per­mi­tia a tan­to:“Ca­da vez que a fo­to saía nos jor­nais- diz o nar­ra­do­rum vi­zi­nho bê­ba­do sen­ta­va-se em fren­te à por­ta e de­di­ca­va-lhes meia ho­ra das pi­o­res as­nei­ras e xin­ga­men­tos i(ni)ma­gi­ná­veis. Tu­do ou­vi­do pe­los fi­lhos, mu­lher e fa­mi­li­a­res que o iam con­so­lar. Um can­tor de rap de­ci­diu eter­ni­zar a car­rei­ra fra­cas­sa­da de Fir­mi­no, fa­zen­do de­la a per­so­na­gem cen­tral de uma le­tra co­mer­ci­al­men­te bem su­ce­di­da. "Fir­mi­no ba­te bo­la bai­xa" vi­rou uma can­ti­le­na na­ci­o­nal.

No dia em que o fi­lho mais ve­lho do trei­na­dor fez 18 anos, o DJ re­sol­veu fa­zer uma pro­vo­ca­ção­zi­nha e to­cou” a di­ta cu­ja can­ção. Fac­to que le­vou a es­po­sa aos ara­mes, pois “não aguen­ta­va (mais ) vê-lo sen­ta­do sem re­a­gir, quan­do to­dos , do vi­zi­nho bê­ba­do aos jor­nais o ape­dre­ja­vam, até o DJ(… )e ele na­da di­zia. Era de­mais!”, par­tin­do, as­sim, pa­ra o di­vór­cio que se

Se­gun­do con­ta o nar­ra­dor, “Tu­do in­di­ca­va que o trei­na­dor ti­nha si­do com­pra­do pe­la equi­pa ad­ver­sá­ria. Se­gun­do a ver­são pos­ta a cir­cu­lar sem ob­ser­vân­cia do exer­cí­cio do con­tra­di­tó­rio, os ni­ge­ri­a­nos go­za­ri­am da fa­ma de tal ac­to re­pro­vá­vel não con­fir­ma­do, in­clu­si­ve foi in­si­nu­a­do que o trei­na­dor foi vis­to com os mes­mos no ho­tel em que se hos­pe­da­ram: “Da su­po­si­ção pas­sou à ver­da­de.. Da ver­da­de co­me­ça­ram a sur­gir pes­so­as que se di­zi­am pos­suí­das de pro­vas do ne­gó­cio. Ou­tros afir­ma­vam te­rem vis­to o trei­na­dor Fir­mi­no no ho­tel dos ni­ge­ri­a­nos.”

re­ve­lou efé­me­ro.

Ha­bi­tu­a­da a boa vi­da que le­va­va, a "la­to­na" da es­tó­ria apa­ren­te­men­te in­te­res­sei­ra não re­sis­tiu, quan­do o ma­ri­do ha­via caí­do em des­gra­ça, ape­sar do ju­ra­men­to fei­to quan­do da ce­le­bra­ção do ca­sa­men­to na pre­sen­ça do pa­dre, " na des­gra­ça e na ri­que­za sem­pre jun­tos".

A chi­co­ta­da psi­co­ló­gi­ca so­fri­da pe­lo ma­ri­do foi du­pla :

“A equi­pa do Pe­tro, cu­ja di­rec­ção téc­ni­ca acu­mu­la­va com a da se­lec­ção, dis­pen­sou-o com o ar­gu­men­to de que não ti­nha con­di­ções de tra­ba­lho. A se­lec­ção na­ci­o­nal fez o mes­mo, in­ter­rom­pen­do uma car­rei­ra de 15 anos.”Mas o “vol­te fa­ce” es­ta­va pa­ra vir, quan­do to­dos me­nos es­pe­ra­vam: um es­tra­ta­ge­ma pa­ra mu­dar o rit­mo apa­ren­te­men­te fa­tal da vi­da de Fir­mi­no foi mon­ta­do ha­bil­men­te, com a par­ti­ci­pa­ção na tra­ma da sua ama­da, com o in­tui­to de sal­vá-lo do pre­ci­pí­cio.

Mo­ra da his­tó­ria: o ac­to con­su­ma-se tam­bém com a au­sên­cia dos três mag­ní­fi­cos na úl­ti­ma par­ti­da de fu­te­bol, da­do o rap­to da tri­pla, que re­sul­ta, pois o trei­na­dor des­tro­na­do vol­ta à ri­bal­ta fu­te­bo­lís­ti­ca: di­ri­gir mais uma vez a se­lec­ção. Tal ce­ná­rio vir­tu­o­so vai for­çar que o mes­mo vai ser bus­ca­do em cau­sa pe­lo jor­na­lis­ta que mais o con­tes­tou e con­di­ci­o­nou a sua saí­da do ‘ti­me’ na­ci­o­nal, es­ca­pan­do es­te úl­ti­mo ao lin­cha­men­to dos adep­tos; ex­pe­ri­ên­cia amar­ga por que pas­sou no Fir­mi­no, con­ver­ti­do de “bes­ti­al à bes­ta” e de­pois a re­cí­pro­ca tor­nou-se tam­bém ver­da­dei­ra.

Já Coimbra bar­ra­do pe­la mul­ti­dão “ju­rou lar­gar a pro­fis­são, cho­ran­do ba­ba e ra­nho”, quan­do os adep­tos que­ri­am lin­chá­lo, pois fo­ra acu­sa­do se ser o cul­pa­do da que­da em des­gra­ça do mis­ter, por via do seu lin­cha­men­to me­diá­ti­co, tra­du­zi­do em ca­lú­ni­as e in­sul­tos - qual de­les o mais in­qua­li­fi­cá­vel!

In­fe­liz­men­te, o inad­ver­ti­do do es­cri­ba te­ve mor­te sú­bi­ta no dia se­guin­te, quan­do es­ca­pou do cor­rec­ti­vo da mul­ti­dão en­fu­re­ci­da:

“O país es­ta­va con­ver­ti­do ao mis­ter Fir­mi­no e, por is­so mes­mo, nin­guém re­pa­rou na pá­gi­na de ne­cro­lo­gia. Lá es­ta­va a fo­to de G. Coimbra, com os di­ze­res ‘ os fa­mi­li­a­res de GC co­mu­ni­cam o seu fa­le­ci­men­to, ví­ti­ma de sú­bi­ta do­en­ça.” Ga­bri­el Coimbra não te­rá re­sis­ti­do à pres­são po­pu­lar. Já mis­ter Fir­mi­no te­ve me­lhor sor­te: a du­pla re­con­ci­li­a­ção da sua vi­da, com o re­gres­so à se­lec­ção e da es­po­sa à pro­ce­dêm­cia , que cons­pi­ra­ra pa­ra que o seu ma­ri­do vol­tas­se ao tra­ba­lho, rap­tan­do os cra­ques no iní­cio da par­ti­da, dei­xan­do a equi­pa com­ple­ta­men­te des­ca­rac­te­ri­za­da, an­te a sur­pre­sa da au­di­ên­cia.

Con­tu­do, com a en­tra­da em ce­na do par­cei­ro e três pu­pi­los na se­gun­da par­te do der­ra­dei­ro "tru­mu­no" da es­tó­ria, a se­lec­ção da ca­sa ba­teu a equi­pa ad­ver­sá­ria pe­los su­a­dos 3-2, quan­do es­ta­va a per­der por 2-1. Daí à chu­va de fe­li­ci­ta­ções foi só um sal­to de co­bra: “No dia se­guin­te, o PR man­dou uma men­sa­gem. Os par­ti­dos se­gui­ram o exem­plo”, dan­do as­sim uma pro­va de re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal. “As rá­di­os não se ca­la­ram com o fei­to do dia an­te­ri­or. 20 mi­nu­tos de no­ti­ciá­ri­os de 30.

A Fir­mi­no a que é de Fir­mi­no.” O fei­to fu­te­bo­lís­ti­co foi a no­tí­cia da se­ma­na, co­mo man­dam os ma­nu­ais de jor­na­lis­mo, so­bre­pon­do-se à po­lí­ti­ca, à eco­no­mia e à so­ci­e­da­de, com des­ta­que pa­ra o cri­me, que, re­gra ge­ral, do­mi­nam a ac­tu­a­li­da­de e o in­te­res­se da opi­nião pú­bli­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.