AN­GO­LA PRE­CI­SA DE “MI­LA­GRE” NO EGIP­TO

Se­lec­ção de sub-18 per­deu com a do Egip­to por ex­pres­si­vos 2-6

Jornal dos Desportos - - PORTADA - PAULO CACULO

An­go­la com­pli­cou as as­pi­ra­ções de qualificação à III edi­ção dos Jo­gos Olím­pi­cos da Ju­ven­tu­de, agen­da­do pa­ra Ou­tu­bro, na Ar­gen­ti­na, ao con­sen­tir no sá­ba­do uma go­le­a­da, de 2-6, di­an­te do Egip­to, de­sa­fio re­fe­ren­te à pri­mei­ra mão da úl­ti­ma eli­mi­na­tó­ria.

Con­tra to­das às ex­pec­ta­ti­vas, o com­bi­na­do na­ci­o­nal re­ve­lou-se in­ca­paz e im­po­ten­te pa­ra con­tra­ri­ar o con­jun­to egíp­cio que se mos­trou mui­to mais ex­pe­ri­en­te, com des­ta­que pa­ra ver­ten­te ofen­si­va que fa­cil­men­te che­ga­va à ba­li­za con­trá­ria.Ape­sar de co­me­çar bem o jo­go, e de dei­xar em cam­po, nos pri­mei­ros 20 mi­nu­tos, a ima­gem de um co­lec­ti­vo ca­paz de so­nhar com a cons­tru­ção de um re­sul­ta­do fa­vo­rá­vel e que abris­se bo­as pers­pec­ti­vas pa­ra o em­ba­te da se­gun­da mão, num ápi­ce a equi­pa an­go­la­na acu­sou em de­ma­sia a res­pon­sa­bi­li­da­de.

A da­da al­tu­ra do jo­go, os pu­pi­los de Rui Sam­paio per­de­ram a con­cen­tra­ção, so­bre­tu­do, quan­do per­di­am por 2-4. A es­tra­té­gia de jo­gar tu­do ao ata­que, in­clu­si­ve com o guar­da-re­des a sair da sua zo­na de con­for­to, não sur­tiu o efei­to de­se­ja­do.

A tác­ti­ca ter­mi­nou em du­ro “gol­pe” pa­ra An­go­la, na me­di­da em que nes­sa al­tu­ra o Egip­to apro­vei­tou pa­ra di­la­tar os nú­me­ros da go­le­a­da pa­ra 2-6, re­sul­ta­do que de­fi­ne pra­ti­ca­men­te a úl­ti­ma eli­mi­na­tó­ria.Com a der­ro­ta pe­sa­da, a ta­re­fa dos an­go­la­nos de su­pe­ra­rem os egíp­ci­os no jo­go de­ci­si­vo, agen­da­do pa­ra a ci­da­de do Cai­ro, po­de ser mui­to di­fí­cil. A mis­são é her­cú­lea, da­do que vão pre­ci­sar de mar­car qua­tro go­los e não so­frer ne­nhum.

De res­to, An­go­la pa­ra lo­grar o ob­jec­ti­vo de mar­car pre­sen­ça iné­di­ta nos Jo­gos Olím­pi­cos da Ju­ven­tu­de, em Ou­tu­bro, vai pre­ci­sar de um 'mi­la­gre'. Sem des­pri­mor, pa­ra o con­jun­to na­ci­o­nal, a eli­mi­na­tó­ria foi pra­ti­ca­men­te de­ci­di­da em Lu­an­da.

Ao con­trá­rio do que se pre­via, os an­go­la­nos não apro­vei­ta­ram o fac­tor ca­sa pa­ra man­dar no jo­go, e co­lo­ca­rem-se em van­ta­gem. Al­gu­ma dis­pli­cên­cia de­fen­si­va con­tri­buiu pa­ra hi­po­te­car as pos­si­bi­li­da­des de qualificação.

Os seis go­los so­fri­dos re­ve­lam-se de­ma­si­a­dos pe­sa­dos pa­ra um con­jun­to que até às eli­mi­na­tó­ri­as com a Zâm­bia e Mar­ro­cos dei­xa­va trans­pa­re­cer cla­ra­men­te a ima­gem de um co­lec­ti­vo de jo­ga­do­res cu­jos êxi­tos lo­gra­dos na cam­pa­nha, era uma con­sequên­cia da for­ça co­lec­ti­va e so­li­dez com­pe­ti­ti­va.

A Se­lec­ção Na­ci­o­nal de­ci­de a eli­mi­na­tó­ria no dia 25 do cor­ren­te mês, na ci­da­de de Cai­ro, de­sa­fio da “se­gun­da mão”. Pa­ra che­gar a a úl­ti­ma fa­se, An­go­la afas­tou o Mar­ro­cos em dois jo­gos (5-4), en­quan­to o Egip­to ul­tra­pas­sou Mo­çam­bi­que (10-3).

JOISÉ COLA EDIÇÕES NOVEMBRO

An­go­la tem de ven­cer por qua­tro go­los na se­gun­da mão no Cai­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.