De­nún­ci­as an­ti­gas

Jornal dos Desportos - - ABERTURA -

Asus­pen­são da ár­bi­tra FIFA, Ma­xi­mi­na Bernardo, pe­lo ór­gão com­pe­ten­te da Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol, con­ti­nua na or­dem do dia, po­rém, a to­ma­da de po­si­ção per­de por tar­dia, da­do que em tem­po opor­tu­no mui­tas fo­ram as de­nún­ci­as fei­tas acer­ca do con­luio de ár­bi­tros (al­guns) e clu­bes, em es­que­mas que in­di­ci­a­vam cor­rup­ção.

As de­nún­ci­as de cor­rup­ção re­mon­tam a dé­ca­das e al­guns jor­na­lis­tas do Jor­nal dos Des­por­tos che­ga­ram mes­mo a ir de­cla­rar em tri­bu­nal le­va­dos pe­la FAF, por se ne­ga­rem a de­nun­ci­ar as su­as fon­tes, ca­so des­po­le­ta­do com o en­tão director do jor­nal a ser con­de­na­do com pe­na sus­pen­sa.

A afir­ma­ção de de­ter­mi­na­do di­ri­gen­te des­por­ti­vo de um clu­be, de que a se­gun­da par­te do Gi­ra­bo­la é dos di­ri­gen­tes, de­ve ser ti­da em con­ta, quan­do acon­te­cem si­tu­a­ções ca­ri­ca­tas na com­pe­ti­ção, com os ho­mens do api­to a ser pro­ta­go­nis­tas de jo­gos com ac­tu­a­ções ou ati­tu­des dú­bi­as em de­ter­mi­na­das si­tu­a­ções.

Nem to­dos os clu­bes en­ve­re­dam pe­la prá­ti­ca de ali­ci­a­men­to a ár­bi­tros, da mes­ma for­ma que não se co­lo­cam to­dos os juí­zes no sa­co dos que re­ce­bem di­nhei­ro ou de ou­tros in­cen­ti­vos, pa­ra in­flu­en­ci­a­rem os re­sul­ta­dos de jo­gos.

Os clu­bes in­ves­tem, se­ri­a­men­te, es­pe­ram ti­rar par­ti­do do tra­ba­lho e do es­for­ço dos seus jo­ga­do­res.

Fa­zem uma gran­de gi­nás­ti­ca em cum­prir com os con­tra­tos de atle­tas e trei­na­do­res, as­sim co­mo, do res­pec­ti­vo pes­so­al ad­mi­nis­tra­ti­vo de apoio, pe­lo que per­der jo­gos por cul­pa de ár­bi­tros, é sem­pre do­lo­ro­so. A fa­zer fé nas de­nún­ci­as de cor­rup­ção fei­tas ao lon­go do tem­po, to­da­via, que aca­ba­ram sem­pre en­ga­ve­ta­das pe­lo or­ga­nis­mo com­pe­ten­te da FAF, mui­tos ou­tros pro­ces­sos de­vi­am ser le­van­ta­dos, mas sem o res­pec­ti­vo an­da­men­to, pois, a cons­ti­tuí­rem cri­mes de cor­rup­ção pas­si­va, es­tão am­nis­ti­a­dos à luz da Lei nº11/16 de 12 de Agosto que no âm­bi­to do seu ar­ti­go 1º, pon­to 1, es­ti­pu­la, que são am­nis­ti­a­dos to­dos os cri­mes co­muns pu­ní­veis com pe­na de pri­são de 12 anos, até 11 de Novembro de 2015.

De qual­quer for­ma, o fac­to da FAF en­ca­rar as de­nún­ci­as, ago­ra, com mais se­ri­e­da­de, ser­ve de avi­so aos cor­rup­tos e cor­rup­to­res que do­ra­van­te o seu com­por­ta­men­tos me­nos dig­no po­de vir a ter ou­tro tra­ta­men­to, pa­ra que a ver­da­de des­por­ti­va nun­ca se­ja be­lis­ca­da e o fu­te­bol vol­te a ga­nhar cre­di­bi­li­da­de que se de­se­ja. Há que fa­zer bons exer­cí­ci­os, no com­ba­te à cor­rup­ção, no fu­te­bol na­ci­o­nal.

Nem to­dos os clu­bes en­ve­re­dam pe­la prá­ti­ca de ali­ci­a­men­to a ár­bi­tros, da mes­ma for­ma que não se co­lo­cam to­dos os juí­zes no sa­co dos que re­ce­bem di­nhei­ro ou de ou­tros in­cen­ti­vos, pa­ra in­flu­en­ci­a­rem os re­sul­ta­dos de jo­go

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.