Co­lo­car o mar­ke­ting des­por­ti­vo no pó­dio!

Jornal dos Desportos - - FUTEBOL - Men­tor e Ges­tor Exe­cu­ti­vo

Omar­ke­ting faz sen­tir o seu im­pac­to no mun­do do des­por­to, de di­ver­sas for­mas.

Um as­pec­to cru­ci­al, no mar­ke­ting des­por­ti­vo, é re­co­nhe­cer que li­da com um pro­du­to com par­ti­cu­la­ri­da­des pró­pri­as.

As mar­cas e o des­por­to, por mú­tuo in­te­res­se, for­mam uma equi­pa, pois, o des­por­to as­su­me uma im­por­tân­cia cres­cen­te na di­vul­ga­ção das re­fe­ri­das mar­cas, en­quan­to que as mes­mas mar­cas in­ves­tem no des­por­to co­mo veí­cu­lo pa­ra le­var a sua men­sa­gem à um nú­me­ro ca­da vez mai­or de pes­so­as.

O mar­ke­ting des­por­ti­vo tem um pa­pel de­ci­si­vo na cons­tru­ção de um mo­de­lo de ges­tão pa­ra o des­por­to, ca­paz de ven­cer os de­sa­fi­os do fu­tu­ro.

En­tão, por­que que não apro­vei­ta­mos, não ex­plo­ra­mos, pro­fis­si­o­nal­men­te, o enor­me po­ten­ci­al que o mar­ke­ting des­por­ti­vo apre­sen­ta?

Por­que te­mos o “me­lhor há­bi­to do mun­do” de in­ven­tar tão mal quan­do po­de­mos co­pi­ar tão bem!

É só afe­rir o de­sem­pe­nho dos de­par­ta­men­tos de mar­ke­ting exis­ten­tes no des­por­to na­ci­o­nal, on­de pou­cos são os pla­nos de mar­ke­ting pro­du­zi­dos, e dos tais pou­cos pro­du­zi­dos qua­se não se vê de fac­to, in­te­gra­ção de po­lí­ti­cas as­ser­ti­vas nu­ma pers­pec­ti­va es­tra­té­gi­ca.

E, pa­ra ma­cu­lar to­da a pos­tu­ra, re­cor­ren­te­men­te sur­gem pre­si­den­tes de di­rec­ção a de­fen­de­rem que só vão co­me­çar a pen­sar em in­ves­tir se­ri­a­men­te no mar­ke­ting, se es­te, pri­mei­ro, der al­gum di­nhei­ro.

Na­da mais er­ra­do, na­da mais equi­vo­ca­do, na­da mais cons­tran­ge­dor. Eu sei, o ca­ro lei­tor sa­be, to­dos sa­be­mos que não po­de ser as­sim.

Fi­que cla­ro, que não exis­te sen­si­bi­li­da­de nem cons­ci­ên­cia da par­te dos clu­bes na­ci­o­nais do po­der do mar­ke­ting e da sua im­por­tân­cia na con­quis­ta e fi­de­li­za­ção dos con­su­mi­do­res, e com is­so, das mar­cas e pa­tro­cí­ni­os.

Por ou­tro la­do, a pró­pria qua­li­da­de do des­por­to co­mo pro­du­to, é fun­da­men­tal, pa­ra o êxi­to do mar­ke­ting des­por­ti­vo.

Um des­por­to sem qua­li­da­de não atrai o pú­bli­co. Por exem­plo, se um cam­pe­o­na­to es­ti­ver mal or­ga­ni­za­do, as equi­pas não pro­du­zi­rem bons es­pec­tá­cu­los, sai pre­ju­di­ca­da a re­fe­ri­da mo­da­li­da­de des­por­ti­va.

Com is­so, cai a po­pu­la­ri­da­de, afas­ta a me­dia, o pú­bli­co aman­te da re­fe­ri­da mo­da­li­da­de e as em­pre­sas in­ves­ti­do­ras.

Pa­ra em­pre­en­der­mos com su­ces­so a ba­ta­lha em fa­vor do mar­ke­ting des­por­ti­vo, ao pon­to de o co­lo­car­mos num lu­gar de des­ta­que de pó­dio, é ne­ces­sá­rio de­sen­ca­de­ar es­tu­dos acer­ca das mo­ti­va­ções, dos desejos e in­te­res­ses das pes­so­as e das mar­cas, em re­la­ção ao mer­ca­do de con­su­mo do des­por­to.

Além dis­so, é pre­ci­so que apro­fun­de­mos a com­pre­en­são e a di­men­são do des­por­to, en­quan­to veí­cu­lo de co­mu­ni­ca­ção pa­ra as mar­cas, por­que é ex­pec­tá­vel o au­men­to do mar­ke­ting des­por­ti­vo, quer a ní­vel mun­di­al co­mo tam­bém no desenvolvimento des­ta área no nos­so país.

Is­so, im­pli­ca a ne­ces­si­da­de de olhar com aten­ção pa­ra no­vas for­mas de ges­tão por par­te dos clu­bes, des­de que es­tes es­te­jam in­te­res­sa­dos e pre­o­cu­pa­dos em inovar e de­sen­vol­ver as su­as ac­ti­vi­da­des des­por­ti­vas e co­mer­ci­ais.

O des­por­to além de ofe­re­cer aos ci­da­dãos a sa­tis­fa­ção das ne­ces­si­da­des bá­si­cas, co­mo saú­de, di­ver­são e so­ci­a­bi­li­da­de, des­ta­ca-se tam­bém co­mo meio de pro­mo­ção em que o con­su­mi­dor é um elo mui­to im­por­tan­te, e a na­tu­re­za da au­di­ên­cia des­por­ti­va de qual­quer mo­da­li­da­de, em qual­quer for­ma­to, se­ja pre­sen­ci­al, vir­tu­al ou atra­vés de ima­gens, em que o ní­vel de es­pon­ta­nei­da­de se­ja fa­cil­men­te pre­vi­sí­vel.

Pa­ra o efei­to, im­por­ta con­ce­ber e im­ple­men­tar uma abor­da­gem a ní­vel do des­por­to na­ci­o­nal no que res­pei­ta ao mar­ke­ting des­por­ti­vo, des­de a de­fi­ni­ção de es­tra­té­gi­as de mar­ke­ting pe­los clu­bes à ges­tão e an­ga­ri­a­ção de pa­tro­cí­ni­os, pas­san­do pe­la or­ga­ni­za­ção de even­tos e pe­la ges­tão de ima­gem dos pro­fis­si­o­nais do des­por­to.

O mar­ke­ting des­por­ti­vo é no mo­men­to, um dos prin­ci­pais ins­tru­men­tos, se­não o prin­ci­pal ins­tru­men­to dos e pa­ra os clu­bes na­ci­o­nais abri­rem opor­tu­ni­da­des de se tor­nar for­tes ima­gem dos mes­mos, dar-lhes a gran­de opor­tu­ni­da­de, por exem­plo, des­ses clu­bes de ne­go­ci­ar pa­ra fe­char bons con­tra­tos pu­bli­ci­tá­ri­os!

O mar­ke­ting des­por­ti­vo é no mo­men­to, um dos prin­ci­pais ins­tru­men­tos, se­não o prin­ci­pal ins­tru­men­to dos e pa­ra os clu­bes na­ci­o­nais abri­rem opor­tu­ni­da­des de tor­na­rem for­tes ima­gem dos mes­mos, dar a gran­de opor­tu­ni­da­de, por exem­plo, des­ses clu­bes ne­go­ci­a­rem pa­ra fe­char bons con­tra­tos pu­bli­ci­tá­ri­os

NZONGO BERNARDO DOS SAN­TOS *

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.