PRO­GRES­SO E LIBOLO FI­CAM PE­LO NULO

Sam­bi­las mos­tra­ram ambição de re­gres­sar às vi­tó­ri­as mas os li­bo­len­ses im­pe­di­ram

Jornal dos Desportos - - PORTADA - AVELINO UMBA

De­pois de dois em­pa­tes e uma der­ro­ta em três jor­na­das con­se­cu­ti­vas, pa­ra além de fi­car sem jo­gar na jor­na­da an­te­ri­or, pe­lo fac­to do seu ad­ver­sá­rio, o JGM do Hu­am­bo, ter de­sis­ti­do da pro­va, o Pro­gres­so Sam­bi­zan­ga vol­tou a em­pa­ta­ra (0-0), no es­tá­dio dos Coqueiros, di­an­te do Re­cre­a­ti­vo do Libolo, em par­ti­da re­fe­ren­te à 15ª jor­na­da do Girabola Zap 2018.

Am­bos con­jun­tos, ca­ren­tes de pon­tos, en­tra­ram na qua­dra de jo­go com a de­ter­mi­na­ção de ga­nhar, mas tan­to os ca­sei­ros co­mo os fo­ras­tei­ros não jus­ti­fi­ca­vam.

A jo­gar con­tra um ad­ver­sá­rio com trei­na­dor (Ki­to Ri­bei­ro do Libolo) que co­nhe­ce bem a ca­sa dos sam­bi­las, tu­do in­di­ca­va que es­tes iri­am, no­va­men­te, em­pa­tar ou per­der, já que a pri­mei­ra par­te aca­bou mais do­mi­na­da pe­los vi­si­tan­tes, que che­ga­vam mais ve­zes pa­ra à ba­li­za dos vi­si­ta­dos.

Es­ta par­te do jo­go, a pri­mei­ra, te­ve, na ver­da­de, uma his­tó­ria mui­to cur­ta pa­ra ser nar­ra­da: de fac­to o Pro­gres­so do Sam­bi­zan­ga mos­tra­va ambição de vol­tar as vi­tó­ri­as, mas foi o Libolo, lo­go à pas­sa­gem do mi­nu­to 16, com Sid­nei, na mar­ca­ção de um pon­ta­pé de can­to, quem ser­viu a Her­vé Ndon­ga.

on­ga, com tu­do pa­ra es­te di­vi­sar a ba­li­za de Ti­ti, mas o seu ca­be­ce­a­men­to le­vou a bo­la pa­ra fo­ra da ba­li­za.

À pas­sa­gem do mi­nu­to 31', nu­ma jo­ga co­lec­ti­va, os sam­bi­las res­pon­de­ram pe­la mes­ma mo­e­da, por in­ter­mé­dio de Cu­ca a ser­vir Ba­la­kai den­tro da gran­de área. Es­te não con­se­guiu ti­rar o me­lhor pro­vei­to, por ter che­ga­do atra­sa­do à bo­la, enfim.. er­ros atrás de er­ros, tan­to de um la­do co­mo do ou­tro, o que fez pre­va­le­cer o nulo (0-0) até ao fim dos pri­mei­ros 45 mi­nu­tos.

No re­gres­so ao rel­va­do, es­pe­ra­va-se mais dos sam­bi­las, mas foi a equi­pa de Ca­lu­lo que se re­ve­lou mais in­ter­ven­ti­va e agres­si­va. Os sam­bi­las er­ra­vam mui­tos pas­ses, não con­se­gui­am or­ga­ni­zar lan­ces de ata­que, op­tan­do pe­lo "fu­te­bol di­rec­to" e em con­tra-ata­ques fa­cil­men­te es­tor­va­dos pe­la de­fe­sa con­trá­ria, ali­a­do à fal­ta de li­ga­ção en­tre o meio cam­po e o ata­que. Fal­tou , algumas ve­zes, ob­jec­ti­vi­da­de e sen­ti­do de equi­pa.

Ape­sar dis­so, os li­bo­len­ses con­ti­nu­a­ram a pres­si­o­nar os sam­bi­las em bus­ca do go­lo, mas in­ca­pa­zes, por fal­ta de sor­te e cal­ma dos jo­ga­do­res que, as­sim, per­mi­tiu o em­pa­te a ze­ro bo­la, nu­ma par­ti­da bem acom­pa­nha­da pe­lo trio de ar­bi­tra­gem che­fi­a­do por Ro­dri­gues Alei­xo que, di­ga-se, não me­re­ce qual­quer con­tes­ta­ção.

PAU­LO MULAZA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Pro­gres­so do Sam­bi­zan­ga re­ve­lou on­tem nos Coqueiros "es­ta­tu­to de reis de em­pa­tes"

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.