De no­vo os tu­mul­tos

Jornal dos Desportos - - ABERTURA -

E, lá vol­ta­mos nós às ce­nas dos tu­mul­tos nos nos­sos Es­tá­di­os de fu­te­bol.

O ca­so mais re­cen­te ocor­reu no Dun­do, aquan­do do jo­go no sá­ba­do en­tre o Sa­gra­da Es­pe­ran­ça e o Pe­tro de Luanda, pa­ra a úl­ti­ma jor­na­da da pri­mei­ra vol­ta do Girabola, com al­guns adep­tos lo­cais en­fu­re­ci­dos por cau­sa de uma de­ci­são do ár­bi­tro da par­ti­da, que ale­ga­da­men­te te­nha da­do me­nos tempo de com­pen­sa­ção que o exi­bi­do na pla­ca elec­tró­ni­ca pe­lo quar­to ár­bi­tros, e daí par­ti­rem pa­ra o ar­re­mes­so de ar­ti­gos pa­ra den­tro do rel­va­do, al­guns che­ga­ram mes­mo a en­trar pa­ra às qua­dros li­nhas com o fi­to de agre­di­rem o quar­te­to de ár­bi­tros, ra­zão que le­vou à pron­ta in­ter­ven­ção da Po­lí­cia Na­ci­o­nal.

Tu­mul­tos e ce­nas de pan­ca­da­ria que em na­da dig­ni­fi­cam o fu­te­bol an­go­la­no. Os es­pec­ta­do­res des­lo­cam-se aos Es­tá­di­os e pa­gam os seus in­gres­sos pa­ra apre­ci­a­rem bons es­pec­tá­cu­los de bo­la, algumas ve­zes até, acom­pa­nha­dos das fa­mí­li­as - fi­lhos me­no­res -, na ex­pec­ta­ti­va de que a segurança nun­ca es­te­ja em cau­sa, mui­to pe­lo con­trá­rio.

Os cam­pos de fu­te­bol de­vem ser re­cin­tos on­de não cai­bam ar­ru­a­cei­ros, ou se­ja, não de­ve ser per­mi­ti­da a en­tra­da, aliás, de­vi­a­lhes ser sem­pre ve­ta­da. É im­pe­ri­o­so cri­ar me­ca­nis­mos pa­ra es­ses pseu­do -adep­tos, e aí, os clu­bes de­vem jo­gar um pa­pel fun­da­men­tal na sua iden­ti­fi­ca­ção.

Em An­go­la, as­sis­ti­mos à ce­nas tris­tes em que algumas pes­so­as ou per­de­ram a vi­da ou saí­ram dos re­cin­tos des­por­ti­vos com a in­te­gri­da­de fí­si­ca bas­tan­te mo­les­ta­da, o que de mo­do al­gum vai de acor­do com o que se pre­ten­de trans­mi­tir aos aman­tes da bo­la e aos ár­bi­tros, quan­to à segurança.

Nin­guém, tem o di­rei­to de fa­zer jus­ti­ça por su­as mãos, mui­to me­nos, quan­do se tra­ta de uma par­ti­da de fu­te­bol ou de um ou­tro des­por­to, em que uma in­fe­liz de­ci­são, ou uma de­ci­são me­nos acer­ta­da de um juiz de cam­po, pos­sa acir­rar os âni­mos de in­di­ví­du­os que dei­xam à mos­tra as frus­tra­ções e trans­for­mam os Es­tá­di­os em tu­bos de es­ca­pe pa­ra se li­ber­ta­rem.

A Fe­de­ra­ção An­go­la de Fu­te­bol, cer­ta­men­te, que de­ve agir de acor­do com a si­tu­a­ção e com a gra­vi­da­de dos ac­tos das pes­so­as en­vol­vi­das, até por­que não se tra­ta de um pri­mei­ro ca­so de ar­ru­a­ças na­que­le re­cin­to.

Pe­na, é que ou­tros adep­tos que na­da têm a ver com o que se pas­sou, se­jam even­tu­al­men­te pre­ju­di­ca­dos, ca­so o ór­gão rei­tor op­tar por obri­gar os di­a­man­tí­fe­ros a re­a­li­za­rem jo­gos à por­ta fe­cha­da, que já acon­te­ceu a ou­tros em­ble­mas, pe­lo que não era um ca­so iné­di­to.

Tu­mul­tos e ce­nas de pan­ca­da­ria que em na­da dig­ni­fi­cam o fu­te­bol an­go­la­no. Os es­pec­ta­do­res des­lo­cam-se aos Es­tá­di­os e pa­gam os seus in­gres­sos pa­ra apre­ci­a­rem bons es­pec­tá­cu­los de bo­la, algumas ve­zes até, acom­pa­nha­dos das fa­mí­li­as - fi­lhos me­no­res -, na ex­pec­ta­ti­va de que a segurança nun­ca es­te­ja em cau­sa, mui­to pe­lo con­trá­rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.