A fa­ma do Kabuscorp caiu na pra­ça pú­bli­ca ?

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - AN­TÓ­NIO FÉ­LIX

O clu­be de Ben­to Kan­gam­ba, não se ol­vi­de is­so, é cer­ta­men­te ama­do por uns e odi­a­do por ou­tros, que é nor­mal na vi­da e no con­ví­vio em so­ci­e­da­de.

O clu­be do Pa­lan­ca e par­ti­cu­lar­men­te o seu pre­si­den­te , Ben­to Kan­gam­ba, têm es­se po­der. Viu-se quan­do ba­teu o pé à Jus­ti­ça bra­si­lei­ra, so­bre os si­nais de bran­que­a­men­to de ca­pi­tal com a in­jec­ção de ver­bas que o Kabuscorp ale­ga­da­men­te fa­zia ao Vi­tó­ria de Se­tú­bal

Nos úl­ti­mos di­as, fa­la-se tan­to do Kabuscorp do Pa­lan­ca, den­tro e fo­ra de por­tas, ao pon­to de fi­car be­lis­ca­da a sua ima­gem, de­vi­do à "ma­ka" que Ri­val­do re­me­teu à FI­FA. Por is­so, jul­go que o clu­be de Ben­to Kan­gam­ba de­ve "ar­ro­lar" es­cla­re­ci­men­tos mais con­vin­cen­tes, pa­ra que a fa­ma que gran­je­ou não es­te­ja mal na ber­lin­da.

O clu­be de Ben­to Kan­gam­ba, não se ol­vi­de is­so, é cer­ta­men­te ama­do por uns e odi­a­do por ou­tros, o que é nor­mal na vi­da e no con­ví­vio em so­ci­e­da­de.

Sei que o que lhe deu a pri­mei­ra fa­ma pú­bli­ca, en­quan­to clu­be - pos­ses à par­te - foi o fac­to de ter si­do fun­da­do nos tem­pos mais di­fí­ceis, pa­ra cres­cer até ao ní­vel de ho­je... já com os pi­la­res as­sen­tes.

A da­da al­tu­ra, con­ver­teu-se num clu­be a so­brar-lhe "su­pe­ra­vit" fi­nan­cei­ro pa­ra sus­ten­tar ou­tras equi­pas, com pro­ble­mas nes­te cam­po: o 1º de Maio de Ben­gue­la, por cá, o Vi­tó­ria de Se­tú­bal, em Por­tu­gal, não dei­xam men­tir.

Is­to si­nal de po­der e a for­ça que o Kabuscorp do Pa­lan­ca so­mou in­clu­si­ve com ou­sa­dia de cha­mar as coi­sas pe­los "pró­pri­os no­mes": ga­nhou tí­tu­los e, até, afron­tou a Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol em mo­men­tos de in­jus­ti­ça. Nes­te par­ti­cu­lar, vi­mo-lo há anos quan­do o pre­si­den­te do clu­be ti­nha a equi­pa a "ver na­vi­os" na lu­ta do tí­tu­lo de tra­tou de di­zer que a fe­de­ra­ção ti­nha cul­pa no car­tó­rio.

A seu ver, no­me­a­vam-se ár­bi­tros pa­ra de­li­be­ra­da­men­te “rou­bar” à sua equi­pa, mes­mo nos jo­gos em que o Kabuscorp jo­ga(va) e con­ven­cia... ao tempo do bra­si­lei­ro Ri­val­do, que já foi me­lhor jo­ga­dor do mun­do. Mui­ta gen­te aplau­diu a co­ra­gem do clu­be, na al­tu­ra. Re­cor­do-me que, por cau­sa dis­so, es­cre­vi nes­te es­pa­ço o que se es­pe­ra­va, no mí­ni­mo, era que as ins­ti­tui­ções de di­rei­to par­tis­sem lo­go pa­ra a in­ves­ti­ga­ção, ac­tu­an­do com ho­mens e mei­os pa­ra se che­gar ao re­sul­ta­do fi­nal: se a Fe­de­ra­ção ti­nha, ou não, fa­bri­ca­ção de re­sul­ta­dos.

Por cau­sa da co­ra­gem de Ben­to Kan­gam­ba, mui­ta gen­te re­do­brou a ad­mi­ra­ção por ele e pas­sou a ser um se­nhor no fu­te­bol, qua­se ve­ne­ra­do pe­la le­gião de adep­tos da sua equi­pa e por agen­tes com no­to­ri­e­da­de al­ta no fu­te­bol do­més­ti­co, que vi­am ( ou ain­da) vêem ne­le um di­ri­gen­te - se cer­to ou não - ín­te­gro, pes­soa ta­lha­da pa­ra ques­tões de fi­lan­tro­pia, ac­ções de gra­ça e al­truís­mo.

Quan­do o en­tão se­lec­ci­o­na­dor, o uru­guaio Gus­ta­vo Fer­rín, foi afas­ta­do pe­la FAF, Ben­to Kan­gam­ba foi das fi­gu­ras que cri­ti­cou a fer­ro e fo­go a de­ci­são. Atra­vés da im­pren­sa de­fen­deu que o trei­na­dor fos­se com mais 120 mil dó­la­res de in­dem­ni­za­ção, pe­lo seu con­tra­to.

Sig­ni­fi­ca que Ben­to Kan­gam­ba e o seu clu­be es­ta­vam pa­ra o fu­te­bol, com um ca­pi­tal hu­ma­no e lo­gi­ca­men­te fi­nan­cei­ro, pa­ra fa­lar al­to co­mo fa­la(va), com­pra(va), pa­ga(va) tu­do e to­dos co­mo man­dam as re­gras do fu­te­bol.

De on­de pro­vi­nha ou pro­vém o ca­pi­tal pa­ra o tan­to, com o qu­al o Kabuscorp fa­zia den­tro e fo­ra do jo­go é o que mui­ta gen­te do fu­te­bol des­co­nhe­cia ou des­co­nhe­ce …em­bo­ra se sai­ba que é um clu­be pri­vi­le­gi­a­da­men­te com o es­ta­tu­to de ins­ti­tui­ção pú­bli­ca e por ter um or­ça­men­to pro­ve­ni­en­te, em par­te, do erá­rio.

Não há, pois, co­mo não di­zer aqui e ago­ra que es­te clu­be de­ve reu­nir o pe­cú­lio pa­ra pa­gar o que ain­da de­ve a Ri­val­do. As­sim, mos­tra(rá) à FI­FA e à FAF que não sen­do uma "so­ci­e­da­de anó­ni­ma" es­tá em con­di­ções de vir a pú­bli­co evi­tar as sus­pei­tas que o bra­si­lei­ro es­tá a le­van­tar.

O clu­be do Pa­lan­ca e par­ti­cu­lar­men­te o seu pre­si­den­te , Ben­to Kan­gam­ba, têm es­se po­der. Viu-se quan­do ba­teu o pé à Jus­ti­ça bra­si­lei­ra, so­bre os si­nais de bran­que­a­men­to de ca­pi­tal com a in­jec­ção de ver­bas que o Kabuscorp ale­ga­da­men­te fa­zia ao Vi­tó­ria de Se­tú­bal.

O Kabuscorp do Pa­lan­ca não po­de dar mo­ti­vos pa­ra ou­tras co­gi­ta­ções. Se­ria bom, co­mo se diz en­tre nós, ma­tar a co­bra e mos­trar o pau!

A bron­ca, a "ma­ka”, só po­de su­bir a pi­que, pa­ra o pi­or, se o Kabuscorp ver-se con­fron­ta­do com a hi­pó­te­se de bai­xar de di­vi­são, is­to se o clu­be per­si­si­tir no zi­gue­za­que ju­di­ci­al-ad­mi­nis­tar­ti­vo, que até já che­gou à FI­FA.

Lem­bram-se, ca­ros leit­pres, do "Ca­so Mo­re­no" - re­fe­ren­te ao ra­paz que, com dois no­mes e du­as ida­des, jo­gou no Pe­tro e 1° de Agos­to e que, por is­so, deu um di­le­ma ad­mi­nis­tra­ti­vo-ju­di­ci­al, que foi à FI­FA dei­xou mar­cas pro­fun­das de di­fí­cil ci­ca­tri­za­ção? Re­cor­dam-se, quan­do a FI­FA apli­cou a mão pe­sa­da ao (nos­so) Jam­ba, de­vi­do à ver­go­nho­sa ce­na de do­ping? Ou mes­mo a FAF que viu uns cor­tes de sub­sí­dio vin­do da FI­FA, pe­lo "ca­lo­te" que es­pe­tou no con­tra­to com fa­le­ci­do téc­ni­co Car­los Alhi­nho?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.