Co­mo se­rá o pro­fis­si­o­nal de mar­ke­ting des­por­ti­vo do fu­tu­ro?

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - ZONGO FERNANDO DOS SAN­TOS* *Men­tor e Ges­tor Exe­cu­ti­vo do Fó­rum Mar­ke­ting Des­por­ti­vo

No pas­sa­do dia 8 de Maio, co­me­mo­rou-se um pou­co por to­do o mun­do, o dia In­ter­na­ci­o­nal do pro­fis­si­o­nal de mar­ke­ting. Em alu­são à da­ta, o "sus­pei­to de cos­tu­me", re­ce­bi um con­vi­te "sui ge­ne­ris" pa­ra par­ti­ci­par nu­ma me­sa re­don­da, em jei­to de brains­tor­ming em vi­de­o­con­fe­rên­cia, di­ga-se em abo­no da ver­da­de, uma mo­des­ta, sim­ples, mas sig­ni­fi­ca­ti­va ac­ti­vi­da­de que dei­xou no fi­nal uma sen­sa­ção de nos­tal­gia, que não me lem­bro al­go se­me­lhan­te des­de que me co­nhe­ço e re­co­nhe­ço-me pro­fis­si­o­nal de mar­ke­ting.

Mas, por­que ra­zão?

Por­que na­que­le exac­to mo­men­to, co­me­cei a pen­sar se­ri­a­men­te no meu fu­tu­ro e na mi­nha vi­da co­mo pro­fis­si­o­nal de mar­ke­ting!

E, já que es­tou com a "mão na mas­sa", a fa­lar so­bre fu­tu­ro, gos­ta­va de par­ti­lhar uma pro­fun­da re­fle­xão jun­to dos lei­to­res des­te es­pa­ço, a cé­le­bre fra­se usa­da pe­lo ac­tor e re­a­li­za­dor de ci­ne­ma Wo­ody Al­len, que de for­ma su­cin­ta, dis­se: "Eu es­tou in­te­res­sa­do no fu­tu­ro, por­que é o sí­tio on­de vou pas­sar o res­to da mi­nha vi­da".

Nin­guém, tem uma bo­la mágica pa­ra adi­vi­nhar co­mo vai ser o fu­tu­ro de um pro­fis­si­o­nal de mar­ke­ting, mas com cer­te­za que po­de­mos con­tar – o fu­tu­ro pro­fis­si­o­nal de mar­ke­ting vai ter de es­tar mais do que nun­ca, pre­pa­ra­do pa­ra uma cons­tan­te evo­lu­ção e mu­dan­ça.

O fu­tu­ro pro­fis­si­o­nal de mar­ke­ting de­ve ter três ca­rac­te­rís­ti­cas prin­ci­pais: a men­te de en­ge­nhei­ro ou de ma­te­má­ti­co, a sen­si­bi­li­da­de de ar­tis­ta e a nar­ra­ti­va de jor­na­lis­ta ou de es­cri­tor.

No cur­to e lon­go pra­zo, o pro­fis­si­o­nal de mar­ke­ting de­ve ser ca­paz de to­mar de­ci­sões, com ba­se em da­dos que se re­co­lham em tempo re­al.

O de­par­ta­men­to de mar­ke­ting, tra­di­ci­o­nal, co­mo tal, não exis­te mais. Evo­luiu pa­ra um la­bo­ra­tó­rio de in­ves­ti­ga­ção ge­nuí­na, em que as hi­pó­te­ses são le­van­ta­das e as va­li­da­ções são ba­se­a­das em me­to­do­lo­gia ci­en­tí­fi­ca e quan­ti­fi­ca­da.

Por ou­tro la­do, de­ve des­ta­car-se a sen­si­bi­li­da­de de um ar­tis­ta. Nes­se sen­ti­do, po­dem in­tuir-se os pro­du­tos e as men­sa­gens mais in­te­res­san­tes pa­ra o pú­bli­co -al­vo a que se des­ti­na. A cri­a­ção de um ser­vi­ço/pro­du­to que é no­tá­vel pe­la sua au­ten­ti­ci­da­de e de­se­jo em ad­qui­ri-lo.

A ex­clu­si­vi­da­de, o de­sign, o va­lor – to­das as gran­des mar­cas dis­tin­guem-se, por ter ou ofe­re­cer al­go úni­co.

Fi­nal­men­te, o" mar­ke­te­er" do fu­tu­ro de­ve tam­bém des­per­tar o in­te­res­se do seu pú­bli­co -al­vo, pa­ra a sua im­pres­si­o­nan­te ca­pa­ci­da­de de con­tar his­tó­ri­as re­la­ci­o­na­das com a sua mar­ca.

As­sim, de­ve ro­de­ar-se de uma equi­pa com gran­de ca­pa­ci­da­de de co­mu­ni­ca­ção, que po­de ge­rar en­vol­vi­men­to com o pú­bli­co.

O ac­tu­al pro­fis­si­o­nal de mar­ke­ting já é di­gi­tal, es­tá em per­ma­nen­te co­ne­xão, a vi­ver e a pen­sar em re­de, em mul­ti­ca­nal, a pen­sar num mer­ca­do glo­bal.

No fu­tu­ro, o mes­mo pro­fis­si­o­nal de mar­ke­ting po­de ser um pro­fis­si­o­nal com ca­pa­ci­da­de de adap­tar-se às mu­dan­ças mar­ca­das por um tempo ca­da vez mais cur­to.

Se­rá obri­ga­tó­rio ter um ta­len­to na­tu­ral pa­ra a trans­for­ma­ção, pa­ra a cri­a­ção de no­vos ce­ná­ri­os, nu­ma cons­tan­te evo­lu­ção e re­ci­cla­gem de co­nhe­ci­men­tos.

O fu­tu­ro pro­fis­si­o­nal de mar­ke­ting pas­sa a ter mais in­for­ma­ção do que nun­ca, mas de­ve de to­mar de­ci­sões mais rá­pi­das e com mais pre­ci­são.

Es­tou in­te­res­sa­do no fu­tu­ro do mar­ke­ting, por­que é o lu­gar on­de vou pa­ra pas­sar o res­to da mi­nha vi­da pro­fis­si­o­nal.

Por is­so, fi­ca lan­ça­do o de­sa­fio, em jei­to de con­vi­te: Vê-mo - nos no fu­tu­ro.

Nin­guém, tem uma bo­la mágica pa­ra adi­vi­nhar co­mo vai ser o fu­tu­ro de um pro­fis­si­o­nal de mar­ke­ting, mas com cer­te­za que po­de­mos con­tar – o fu­tu­ro pro­fis­si­o­nal de mar­ke­ting vai ter de es­tar mais do que nun­ca, pre­pa­ra­do pa­ra uma cons­tan­te evo­lu­ção e mu­dan­ça. O fu­tu­ro pro­fis­si­o­nal de mar­ke­ting de­ve ter três ca­rac­te­rís­ti­cas prin­ci­pais: a men­te de en­ge­nhei­ro ou de ma­te­má­ti­co, a sen­si­bi­li­da­de de ar­tis­ta e a nar­ra­ti­va de jor­na­lis­ta ou de es­cri­tor

Nin­guém, tem uma bo­la mágica pa­ra adi­vi­nhar co­mo vai ser o fu­tu­ro de um pro­fis­si­o­nal de mar­ke­ting, mas com cer­te­za que po­de­mos con­tar – o fu­tu­ro pro­fis­si­o­nal de mar­ke­ting vai ter de es­tar mais do que nun­ca, pre­pa­ra­do pa­ra uma cons­tan­te evo­lu­ção e mu­dan­ça. O fu­tu­ro pro­fis­si­o­nal de mar­ke­ting de­ve ter três ca­rac­te­rís­ti­cas prin­ci­pais: a men­te de en­ge­nhei­ro ou de ma­te­má­ti­co, a sen­si­bi­li­da­de de ar­tis­ta e a nar­ra­ti­va de jor­na­lis­ta ou de es­cri­tor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.