“MER­CA­DO CARECE DE JO­GA­DO­RES”

Lazare Adingono re­no­vou o con­tra­to que o li­ga ao Pe­tro de Lu­an­da até 2020. O téc­ni­co pro­me­te tra­ba­lho e re­sul­ta­dos. Mas re­co­nhe­ce que o mer­ca­do tem ca­rên­cia de atle­tas. "Os bons es­tão to­dos com­pro­me­ti­dos", diz.

Jornal dos Desportos - - PORTADA - JUSCELINO DA SIL­VA

Aos trin­ta e no­ve anos de ida­de, o ca­ma­ro­nês com pas­sa­por­te nor­te-ame­ri­ca­no che­gou a An­go­la em 2012 pe­las mãos do an­ti­go vi­ce-pre­si­den­te pa­ra o basquetebol do Pe­tro de Lu­an­da, Ben­ja­mim Ro­ma­no. Lazare Adingono, téc­ni­co prin­ci­pal do Pe­tro de Lu­an­da, re­no­vou o con­tra­to até 2020 com a di­rec­ção de To­más Fa­ria. As du­as par­tes me­te­ram um pon­to fi­nal a es­pe­cu­la­ções que da­vam con­ta de uma pos­sí­vel saí­da do téc­ni­co pa­ra o Interclube. O trei­na­dor já con­quis­tou o co­ra­ção dos adep­tos do clu­be tri­co­lor e pro­me­te um Pe­tro de Lu­an­da di­fe­ren­te e com ca­ras no­vas.

Que ava­li­a­ção faz da épo­ca re­cém-ter­mi­na­da?

De­pois de reu­nir com a nossa equi­pa de tra­ba­lho, con­cluí­mos que o ba­lan­ço é po­si­ti­vo, pois ti­ve­mos um gru­po que fe­liz­men­te con­se­guiu en­qua­drar-se na fi­lo­so­fia do clu­be. Con­se­gui­mos fa­zer um tra­ba­lho, que me­re­ce o mé­ri­to. Es­ta­mos de pa­ra­béns. Os meus ra­pa­zes re­a­li­za­ram uma ex­ce­len­te épo­ca des­por­ti­va.

Vai es­tar li­ga­do ao Pe­tro de Lu­an­da até 2020. O que os adep­tos e só­ci­os po­dem es­pe­rar do trei­na­dor?

Po­dem es­pe­rar um Lazare tra­ba­lha­dor, di­fe­ren­te, sem­pre à pro­cu­ra de no­vas ini­ci­a­ti­vas pa­ra aju­dar os jo­ga­do­res que vão com­pe­tir não só pa­ra o Pe­tro de Lu­an­da, mas tam­bém pa­ra a se­lec­ção na­ci­o­nal.

Es­tá no Pe­tro de Lu­an­da des­de 2012 e já con­quis­tou to­dos os tro­féus. Ain­da há al­gu­ma coi­sa pa­ra mos­trar no basquetebol an­go­la­no?

Es­pe­ro con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar da me­lhor for­ma pos­sí­vel e for­mar jo­vens pa­ra po­ten­ci­ar a se­lec­ção na­ci­o­nal. Sou for­ma­dor da FIBA. O nos­so mer­ca­do na­ci­o­nal es­tá ca­ren­te de atle­tas. É pre­ci­so con­ti­nu­ar a apos­tar na for­ma­ção e ter bons for­ma­do­res. Só as­sim va­mos ter bons jo­ga­do­res. Es­tou mui­to fe­liz com a evo­lu­ção dos meus atle­tas, no­me­a­da­men­te, o Chil­de Dun­dão, Abu­ba­kar Ga­kou, Jo­a­quim Pe­dro e Ger­son Gon­çal­ves.

Há dois anos, o Pe­tro de Lu­an­da per­deu o cam­pe­o­na­to por fal­ta de con­sis­tên­cia no ban­co. Na épo­ca re­cém ter­mi­na­da, vol­tou a acon­te­cer a mes­ma coi­sa. On­de es­tá o er­ro?

Pa­ra con­se­guir­mos equi­lí­brio den­tro e fo­ra do ban­co, to­dos te­mos de pôr a mão nes­se tra­ba­lho. A co­la­bo­ra­ção tem de ser a nossa es­tra­té­gia. Te­mos de ter no ban­co qua­li­da­de su­fi­ci­en­te pa­ra man­ter o rít­mo de jo­go. Só as­sim uma equi­pa po­de con­tra­ri­ar as ou­tras que fazem gran­de tra­ba­lho na cons­ti­tui­ção dos plan­téis. As subs­ti­tui­ções não po­dem de­se­qui­li­brar o ren­di­men­to da equi­pa sob pena de so­frer a pres­são dos ad­ver­sá­ri­os. Pa­ra qu­em am­bi­ci­o­na ga­nhar cam­pe­o­na­tos, tem de in­ves­tir num ban­co co­e­so.

Quais são os sec­to­res que a equi­pa pre­ci­sa re­for­çar?

A po­si­ção ze­ro-cin­co é a mais fra­gi­li­za­da. Te­mos de re­for­çar tam­bém a po­si­ção três. Pre­ci­sa­mos de mais ex­pe­ri­ên­cia na po­si­ção ze­ro-um e dois, on­de já es­tão os meus me­ni­nos que cres­ce­ram mui­to. Ain­da as­sim, a equi­pa en­con­tra di­fi­cul­da­des pa­ra ge­rir o jo­go e man­ter-se tran­qui­la pa­ra ul­tra­pas­sar o mau mo­men­to que es­te­ja a pas­sar.

A di­rec­ção já lhe ga­ran­tiu al­guns re­for­ços?

A di­rec­ção es­tá mui­to aten­ta. To­dos te­mos de tra­ba­lhar de for­ma a en­con­trar os me­lho­res re­for­ços pos­sí­veis pa­ra a pró­xi­ma épo­ca e o fu­tu­ro do Pe­tro de Lu­an­da. O nos­so mer­ca­do es­tá ca­ren­te de jo­ga­do­res. Os bons têm con­tra­tos com os clu­bes, mas va­mos ar­ran­jar a so­lu­ção pa­ra o nos­so pro­ble­ma.

Os seus ad­jun­tos no Pe­tro de Lu­an­da ofe­re­cem tran­qui­li­da­de ao gru­po de tra­ba­lho?

Sim. Os meus ad­jun­tos es­tão a fa­zer um bom tra­ba­lho. Es­tou sa­tis­fei­to com eles, mas se vi­er mais aju­da é sem­pre bem-vin­da. Qu­an­do so­mos mui­tos a tra­ba­lhar é sem­pre me­lhor. Dou mui­tos cré­di­tos aos meus ad­jun­tos Faus­ti­no Ca­si­mi­ro e Ben­ja­mim Avó, que fi­ze­ram de tu­do pa­ra apoi­ar es­ses jo­vens; não foi fá­cil tra­ba­lhar e pu­xar por eles. No en­tan­to, se­ria ter­rí­vel par­tir es­te pro­jec­to e co­me­çar um ou­tro ca­mi­nho.

Vai man­ter o gru­po de tra­ba­lho ou dis­pen­sar jo­ga­do­res?

Sem dú­vi­da, vão sair seis a se­te jo­ga­do­res. É pró­prio da vi­da des­por­ti­va. Os jo­ga­do­res, que não con­se­gui­ram en­qua­drar-se, vão ter de dei­xar o clu­be. São pou­cos jo­ga­do­res que con­se­guem en­qua­drar-se na fi­lo­so­fia de jo­go do Pe­tro de Lu­an­da. Ac­tu­al­men­te, há jo­ga­do­res que não con­se­gui­ram en­qua­drar-se no es­ti­lo de jo­go e nas exi­gên­ci­as da nossa equi­pa pa­ra o Uni­tel Bas­ket, por is­so mui­tos fo­gem as­si­nar con­tra­to no nos­so clu­be. Fe­liz­men­te, te­mos de agra­de­cer aque­les que es­ti­ve­ram con­nos­co du­ran­te a épo­ca toda. A ver­da­de é que pre­ci­sa­mos de qua­li­da­de e con­sis­tên­cia no nos­so ban­co.

Que Pe­tro de Lu­an­da va­mos ter na pró­xi­ma épo­ca?

Va­mos ter um Pe­tro de Lu­an­da for­te de for­ma a om­bre­ar com os gran­des do cam­pe­o­na­to. A nossa mas­sa as­so­ci­a­ti­va, a di­rec­ção, a So­nan­gol, a nossa pa­tro­ci­na­do­ra, po­dem fi­car des­can­sa­dos. Tu­do fa­re­mos pa­ra cons­ti­tuir um gru­po for­te com bons jo­ga­do­res.

Es­tá sa­tis­fei­to por ter as­si­na­do mais dois anos?

Es­tou sa­tis­fei­to com a mi­nha re­no­va­ção. Aqui é a mi­nha ca­sa. Agra­de­ço pe­la con­fi­an­ça de­po­si­ta­da em mim. Um obri­ga­do es­pe­ci­al ao pre­si­den­te To­más Fa­ria e ao vi­ce-pre­si­den­te Ar­tur Ca­si­mi­ro Bar­ros pe­la opor­tu­ni­da­de de es­tar li­ga­do ao clu­be nes­ses dois anos. Há três anos, co­me­ça­mos com es­se pro­jec­to. Se não fos­se a si­tu­a­ção cam­bi­al do país, acre­di­to que já te­ría­mos ga­nho vá­ri­os cam­pe­o­na­tos. Mes­mo com as di­fi­cul­da­des, es­ta­mos aqui com a nossa ca­be­ça bem er­gui­da.

Che­gou a re­ce­ber con­vi­tes pa­ra ori­en­tar o Interclube?

Te­mos de ter cui­da­do com es­te ti­po de in­for­ma­ção. Con­tu­do, te­nho a sa­li­en­tar que, sen­do pro­fis­si­o­nal e o meu con­tra­to ha­via ter­mi­na­do, há mui­tos clu­bes den­tro e fo­ra do país que se ma­ni­fes­ta­ram in­te­res­sa­dos nos meus ser­vi­ços. Fe­liz­men­te, vou con­ti­nu­ar fi­el ao Pe­tro de Lu­an­da.

"EM AN­GO­LA, OS ÁR­BI­TROS NÃO USAM A PSI­CO­LO­GIA" É o trei­na­dor mais ex­pul­so do cam­pe­o­na­to e que mais mul­ta pa­gou à FAB. Que co­men­tá­rio se lhe ofe­re­ce fa­zer?

Sim. É im­por­tan­te fa­zer uma rec­ti­fi­ca­ção so­bre o meu per­cur­so. Sou trei­na­dor mais an­ti­go no Afro­bas­ket, de­pois do pro­fes­sor Má­rio Pal­ma. Es­tou a se­guir com mais re­pre­sen­ta­ção no con­ti­nen­te afri­ca­no. Se re­pa­rar, nun­ca ti­ve uma or­dem de ex­pul­são no Pe­tro de Lu­an­da, qu­an­do es­ta­mos a com­pe­tir nas com­pe­ti­ções in­ter­na­ci­o­nais. Nun­ca fui ex­pul­so du­ran­te a mi­nha car­rei­ra pro­fis­si­o­nal. Apa­nhei ape­nas du­as fal­tas téc­ni­cas no Ma­da­gás­car. Ago­ra, não en­ten­do quais são as re­gras ou re­gu­la­men­tos que le­vam al­guns juí­zes a ter uma ati­tu­de mui­to de­pri­men­te pa­ra o basquetebol, de uma for­ma ge­ral. Fui sem­pre mal ex­pul­so. Os ví­de­os es­tão aí pa­ra jus­ti­fi­car. Uma ex­pul­são tem de ser por uma vi­o­la­ção mui­to gra­ve, mas aqui, por ve­zes, se apli­cam as an­ti­gas re­gras e ou­tras ve­zes a no­va re­gra. Em An­go­la, os ár­bi­tros não usam a psi­co­lo­gia.

A ar­bi­tra­gem é o elo mais fra­co do Uni­tel Bas­ket. O que de­ve ser fei­to pa­ra me­lho­rá-lo?

Te­mos de me­lho­rar. É pre­ci­so ha­ver re­ci­cla­gem. Te­mos de aju­dar os juí­zes com mais for­ma­ção. No pas­sa­do, já fa­lá­mos so­bre is­so, mas são sem­pre os mes­mos ár­bi­tros. Pa­ra os gran­des jo­gos, de­vem api­tar os me­lho­res ár­bi­tros e é ne­ces­sá­rio es­ta­rem em bo­as con­di­ções fí­si­cas de for­ma a se­guir a pas­sa­da dos jo­ga­do­res. Os nos­sos jo­ga­do­res têm sem­pre di­fi­cul­da­des, qu­an­do vão jo­gar no ex­te­ri­or por cau­sa dos cri­té­ri­os de ar­bi­tra­gem que usam no país.

"VA­MOS VALORIZAR A NOSSA JU­VEN­TU­DE" O ba­se Em­ma­nu­el Qu­e­za­da mos­trou-se dis­po­ní­vel pa­ra re­pre­sen­tar o clu­be que lhe trou­xe a An­go­la. Gos­ta­ria de ter o Qu­e­za­da na sua equi­pa?

O Qu­e­za­da ain­da é jo­ga­dor do 1º de Agos­to e não po­de­mos en­trar nes­se ti­po de jo­go. O jo­ga­dor diz uma coi­sa, qu­an­do na ver­da­de ain­da es­tá li­ga­do ao seu clu­be. Se for o de­se­jo do atle­ta, res­pei­ta­mos is­so. O Qu­e­za­da é um gran­de jo­ga­dor e uma mais-va­lia pa­ra qual­quer equi­pa. O Pe­tro de Lu­an­da es­tá pre­o­cu­pa­do em tra­ba­lhar com os jo­vens que nin­guém acre­di­ta­va que che­ga­ri­am aon­de che­ga­ram. No en­tan­to, va­mos valorizar a nossa ju­ven­tu­de que ain­da tem mui­to a dar ao basquetebol na­ci­o­nal.

Qual se­rá o fu­tu­ro do ba­se Do­min­gos Bo­ni­fá­cio que es­te­ve lon­ge do seu ha­bi­tu­al?

Bo­ni­fá­cio é uma pra­ta da ca­sa e tem de ser en­qua­dra­do de uma for­ma di­fe­ren­te, mes­mo que já não pos­sa jo­gar. Ain­da é uma mais-va­lia pa­ra es­ta equi­pa, tem mui­to a dar em ter­mos de ex­pe­ri­ên­cia e não só. Ti­nha o pro­ble­ma de saú­de, mas ago­ra é o tem­po pa­ra a re­cu­pe­ra­ção e vol­tar a dar o seu con­tri­bu­to à equi­pa.

As­su­me a cul­pa da con­tra­ta­ção de Ola­le­kan Ajay?

As­su­mo ple­na­men­te. Des­de que es­tou no Pe­tro de Lu­an­da, foi o pior er­ro que co­me­ti. Ajay é um jo­ga­dor que ori­en­tei nos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca em 2010 e ti­nha mui­ta qua­li­da­de. In­fe­liz­men­te, não con­se­guiu dar aque­le pu­lo na car­rei­ra. Pen­sei que, de­pois de pas­sar oi­to anos, te­ria da­do o sal­to,

mas fui en­ga­na­do. Por is­so, as­su­mo es­se er­ro.

Ed­mir Lu­cas foi a con­tra­ta­ção mais so­nan­te da di­rec­ção. O que es­te­ve na ba­se da sua não in­te­gra­ção na equi­pa?

Ed­mir Lu­cas é um ta­len­to que ain­da não ex­plo­diu e creio que vai dar ou­tras in­di­ca­ções no fu­tu­ro. Ed­mir Lu­cas te­ve mui­tas di­fi­cul­da­des em re­cu­pe­rar e dar o seu con­tri­bu­to à equi­pa. São coi­sas que acon­te­cem. Es­pe­ro que re­cu­pe­re e pos­sa se­guir com a sua car­rei­ra. Es­tá em fim de con­tra­to. Nes­se mo­men­to, es­tá a ne­go­ci­ar com a di­rec­ção.

Con­ta com o atle­ta pa­ra a pró­xi­ma épo­ca?

Te­nho de con­tar com aque­les que es­ti­ve­ram aqui e tra­ba­lha­ram de uma for­ma dig­na em re­pre­sen­ta­ção do Pe­tro de Lu­an­da. É com eles que con­to em pri­mei­ro lu­gar. Ate re­cu­pe­rar não pos­so pre­nun­ci­ar-me so­bre a con­ti­nui­da­de de Ed­mir Lu­cas. Sou ape­nas um tra­ba­lha­dor do Pe­tro de Lu­an­da como ele é. Ain­da não re­cu­pe­rou da sua le­são.

"CO­RA­GEM É O QUE TE­NHO A DESEJAR" A se­lec­ção na­ci­o­nal tem ago­ra a qua­li­fi­ca­ção na Tu­ní­sia pa­ra o Mun­di­al. Um co­men­tá­rio?

Co­ra­gem é o que te­nho a desejar à nossa se­lec­ção. Não se­rá fá­cil. A Tu­ní­sia já tra­ba­lha há

dois me­ses. An­go­la tem me­nos de um mês pa­ra ter o gru­po pronto. O país to­do vai tor­cer por eles. Es­pe­ra­mos que pos­sam dar o me­lhor de si de for­ma a pas­sar por es­sa ja­ne­la FIBA de apu­ra­men­to ao Mun­di­al. O fac­to de ser­mos hen­de­ca­cam­peões acar­re­ta mui­ta res­pon­sa­bi­li­da­de. To­dos que­rem der­ro­tar An­go­la. Te­mos de vol­tar a ter aque­la An­go­la que me­tia me­do aos ad­ver­sá­ri­os. De­se­jo mui­ta for­ça ao gru­po de tra­ba­lho, à equi­pa téc­ni­ca, jo­ga­do­res, pessoal da fe­de­ra­ção, de for­ma que pos­sam vol­tar só com vi­tó­ri­as.

A se­lec­ção na­ci­o­nal já de­via ser re­no­va­da e dei­xar de le­var jo­ga­do­res que já não fazem a di­fe­ren­ça?

De­pen­de dos ob­jec­ti­vos a lon­go pra­zo. Se tra­ba­lhar­mos a cur­to pra­zo, te­mos de man­ter o mes­mo qua­dro. Es­sa é uma per­gun­ta mui­to di­fí­cil de res­pon­der. Na ver­da­de, de­pen­de so­men­te da fi­lo­so­fia da Fe­de­ra­ção. Se é um pro­jec­to a cur­to ou lon­go pra­zo, só a Fe­de­ra­ção po­de res­pon­der se já é a al­tu­ra da re­no­va­ção ou não.

JOSÉ CO­LA

Téc­ni­co do Pe­tro de Lu­an­da es­tá li­ga­do mais dois anos ao clu­be

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.