Re­al Ma­drid : mar­ca glo­bal mes­mo sem pre­sen­ça lo­cal!

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - ZONGO FER­NAN­DO DOS SAN­TOS*

Já Clu­be de fu­te­bol mais po­pu­lar da Es­pa­nha, o Re­al Ma­drid con­ti­nua e cer­ta­men­te con­ti­nu­a­rá a fa­zer his­tó­ria en­quan­to o mun­do que o co­nhe­ce­mos con­ti­nu­ar a exis­tir.Três li­gas dos cam­peões, con­quis­ta­das de for­ma con­se­cu­ti­va e su­ces­si­va... é obra épi­ca!

No­me­a­do pe­la FI­FA, como o me­lhor clu­be do sé­cu­lo XX, o Re­al Ma­drid se­gue uma es­tra­té­gia de mar­ke­ting des­por­ti­vo re­la­ci­o­nal, com ob­jec­ti­vo de re­for­çar não só a sua ima­gem, bem como tam­bém o seu pres­tí­gio fo­ra da Es­pa­nha, e um pou­co por to­do o mun­do.

Por es­te fac­to, to­dos os anos, des­de 2003 es­te mí­ti­co clu­be, tam­bém co­nhe­ci­do como clu­be dos ga­lác­ti­cos, so­ma e se­gue atra­vés de re­cei­tas as­tro­nó­mi­cas, que ron­dam os cer­ca de 600 mi­lhões de dó­la­res, (mui­to kum­bú) , ob­ti­dos atra­vés de di­rei­tos te­le­vi­si­vos, pa­tro­cí­ni­os e bi­lhe­tei­ra.

Es­sa opu­lên­cia faz par­te de uma fi­lo­so­fia de ges­tão que trans­for­mou o clu­be nu­ma má­qui­na mi­li­o­ná­ria. Em vez de gas­to, o Re­al Ma­drid con­si­de­ra a aqui­si­ção de su­per-cra­ques como uma ala­van­ca pa­ra ar­re­ba­tar mais re­cur­sos com di­rei­tos de trans­mis­são, no­vos con­tra­tos de pu­bli­ci­da­de, "mer­chan­di­sing" e li­cen­ci­a­men­to de pro­du­tos.

Mas, o que a mim im­pres­si­o­na, e por si­nal é o de to­do in­crí­vel em toda a ma­gia e "gla­mour" em tor­no da Mar­ca Re­al Ma­drid , é como eles che­ga­ram até o céu, me­lhor di­zen­do até ao li­mi­te!

Pa­ra "ban­car" to­do es­se "fei­ti­ço" , eles não têm um me­ce­nas ára­be, como o xei­que Man­sour Al Nahyan, do­no do Man­ches­ter City, ou um bi­li­o­ná­rio da exU­nião So­vié­ti­ca como Ri­nat Akh­me­tov, o ri­ca­ço ucra­ni­a­no que co­lo­cou o Shakh­tar Do­netsk no mun­do do fu­te­bol.

Ao in­vés dis­so o Re­al Ma­drid tem uma su­per-má­qui­na, que gos­ta de apos­tar qu­an­do o as­sun­to é fa­zer di­nhei­ro, mes­mo cor­ren­do ris­cos, que se di­ga, "ma­trei­ra­men­te" cal­cu­la­dos, que se cha­ma Flo­ren­ti­no Pe­rez, ho­mem vi­si­o­ná­rio, que acre­di­ta que um clu­be de fu­te­bol de­ve ser tra­ta­do como uma em­pre­sa de en­tre­te­ni­men­to com pro­jec­ção, no­to­ri­e­da­de e im­pac­to.

"Um clu­be de fu­te­bol de pon­ta de­ve ser ge­ren­ci­a­do tal como uma gran­de em­pre­sa, em que o in­ves­ti­men­to em equi­pa­men­tos de úl­ti­ma ge­ra­ção faz par­te do ne­gó­cio", afir­mou Flo­ren­ti­no Pe­rez, no dia em que foi re­e­lei­to pe­los 93.587 só­ci­os do clu­be, pa­ra um con­se­cu­ti­vo se­gun­do man­da­to como pre­si­den­te do clu­be.

Qu­em tam­bém dá um ates­ta­do de pro­fis­si­o­na­lis­mo, se­ri­e­da­de, com­pe­tên­cia e ma­tu­ri­da­de ao mar­ke­ting des­por­ti­vo pro­ta­go­ni­za­do pelo Re­al Ma­drid é o con­cei­tu­a­do pro­fes­sor da re­no­ma­da es­co­la de ne­gó­ci­os Ie­se, em Ma­drid, José Luis Nu­e­no, que sem ro­dei­os,afir­mou o se­guin­te : "Flo­ren­ti­no Pe­rez não cri­ou na­da de no­vo, não in­ven­tou na­da , ape­nas per­ce­beu que o fu­te­bol ac­tu­al pre­ci­sa­va de uma vi­são am­pla, em que o es­tá­dio é vir­tu­al e tem o ta­ma­nho do mun­do in­tei­ro".

Se­gun­do o mes­mo, a jo­ga­da mes­tre de Flo­ren­ti­no Pe­rez foi trans­for­mar o clu­be em mar­ca glo­bal. Não é por aca­so que no mun­do in­tei­ro, a pro­cu­ra de pro­du­tos com o em­ble­ma do clu­be me­ren­gue cres­ce 137% em cada se­ma­na!

Em to­do o mun­do mi­lha­res de fãs, adep­tos, só­ci­os, co­lec­ci­o­nam uma "ca­ba­za­da" de artigos, li­ga­dos à mar­ca Re­al Ma­drid, des­de ca­mi­so­las, apa­re­lhos de MP3, com­pu­ta­do­res, mas­co­tes, um car­tão que dá des­con­to na com­pra de bi­lhe­tes pa­ra as­sis­tir os jo­gos do clu­be.

Pa­ra fi­de­li­zar mais fãs, o clu­be tem não ape­nas uma, mas cin­co re­vis­tas, um ca­nal de TV que ge­ra seus pró­pri­os pro­gra­mas (fo­ram vin­te e cin­co mil en­tre­vis­tas des­de 2009) e um por­tal na in­ter­net com no­tí­ci­as até em man­da­rim.

A pro­gra­ma­ção da TV, com con­teú­do em es­pa­nhol e in­glês, tem au­di­ên­cia ga­ran­ti­da em 20 mi­lhões de ca­sas nos Es­ta­dos Uni­dos, Eu­ro­pa, Ex­tre­mo Ori­en­te e Ori­en­te Mé­dio.

É uma pena, que en­tre nós con­ti­nu­a­mos a ter di­ri­gen­tes des­por­ti­vos ou no ca­so pre­si­den­tes de clu­bes, que ao in­vés de co­pi­a­rem bem, pre­fe­rem in­ven­tar mal!

Se­rá que lhes é pre­ci­so lem­brar, que a fal­ta de vi­são não per­doa? Ain­da bem que es­ta­mos to­dos jun­tos, mas não es­ta­mos mis­tu­ra­dos!

*Men­tor e Ges­tor Exe­cu­ti­vo do Fó­rum Mar­ke­ting Des­por­ti­vo

“Um clu­be de fu­te­bol de pon­ta de­ve ser ge­ren­ci­a­do tal como uma gran­de em­pre­sa, em que o in­ves­ti­men­to em equi­pa­men­tos de úl­ti­ma ge­ra­ção faz par­te do ne­gó­cio", afir­mou Flo­ren­ti­no Pe­rez, no dia em que foi re­e­lei­to pe­los 93.587 só­ci­os do clu­be, pa­ra um con­se­cu­ti­vo se­gun­do man­da­to como pre­si­den­te do clu­be”

| DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.