Cam­peão ten­ta au­men­tar a van­ta­gem

Sambilas e mi­li­ta­res en­cer­ram hoje a 16ª jor­na­da do cam­pe­o­na­to na­ci­o­nal

Jornal dos Desportos - - FUTEBOL - BETUMELEANO FERRÃO

Com ou sem pres­são de re­sul­ta­dos dos con­cor­ren­tes, Pe­tro e Interclube em­pa­ta­ram nos res­pec­ti­vos jo­gos, o 1º de Agos­to pro­cu­ra hoje às 17h30 no Es­tá­dio dos Co­quei­ros re­cu­pe­rar a boa memória dos jo­gos com o Pro­gres­so do Sam­bi­zan­ga, a con­tar pa­ra o cam­pe­o­na­to na­ci­o­nal.

Sambilas e mi­li­ta­res re­en­con­tram-se no pal­co em que co­me­ça­ram o dérbi, o pri­mei­ro su­cu­len­to do pós-in­de­pen­dên­cia. O pe­so da his­tó­ria é ca­paz de dar ao lí­der do cam­pe­o­na­to uma vi­tó­ria, e a van­ta­gem pon­tu­al pa­ra con­ti­nu­ar fol­ga­do no to­po.

Mes­mo sem es­tar a jo­gar pa­ra as ban­ca­das, os ru­bro - ne­gros cos­tu­mam ser efi­ci­en­tes, aliás, é a par­te que mais im­por­ta, já que é a úni­ca ca­paz de so­mar pon­tos e se­guir em fren­te na clas­si­fi­ca­ção. O 1º de Agos­to en­tra como fa­vo­ri­to e vai pu­xar dos ga­lões pa­ra ul­tra­pas­sar mais um obs­tá­cu­lo, na ca­mi­nha­da pa­ra a re­e­di­ção do tri, o se­gun­do da sua his­tó­ria, se vi­er a acon­te­cer.

Os amar­gos de bo­ca, por que os mi­li­ta­res pas­sa­ram na pri­mei­ra vol­ta, po­dem ati­çar o de­sem­pe­nho com­pe­ti­ti­vo, a fim de res­ga­tar as bo­as lem­bran­ças de der­bi­es com os sambilas. Es­tar na pri­mei­ra po­si­ção é um es­ta­tu­to, que se en­qua­dra com a po­si­ção do cam­peão na­ci­o­nal.

A equi­pa es­tá a ser efi­caz, no cum­pri­men­to do de­ver, por is­so, é nor­mal que os seus adep­tos quei­ram ter­mi­nar o pri­mei­ro dia da se­ma­na la­bo­ral com a mão na mas­sa, ven­cer o Pro­gres­so faz par­te da ro­ti­na.

A tem­po­ra­da es­tá a de­cor­rer como pre­co­ni­za­do, à ex­cep­ção das exi­bi­ções, qua­se não dá mo­ti­vos de quei­xa aos seus adep­tos. As vi­tó­ri­as aper­ta­das e su­a­das do 1º de Agos­to põem em sen­ti­do o Pro­gres­so. O re­ca­do foi da­do há mui­to, é pon­to as­sen­te que nin­guém gos­ta de en­fren­tar um ad­ver­sá­rio bas­tan­te efi­caz em ven­cer pe­la mar­gem mí­ni­ma, sem pre­ci­sar de pi­sar fun­do no ace­le­ra­dor.

Os sambilas vão aos Co­quei­ros com o in­tui­to de evi­tar a re­e­di­ção dos maus di­as an­te­ri­o­res. Os der­bi­es com os mi­li­ta­res são sem­pre de má memória, mas como não exis­tem di­as e jo­gos iguais, a jo­vem equi­pa ori­en­ta­da por Hél­der Tei­xei­ra ten­ta re­pe­tir a gra­ça da pri­mei­ra vol­ta, em­pa­tar.

Uma vi­tó­ria, da equi­pa que jo­ga na con­di­ção de vi­si­tan­te, era um ado­çan­te pa­ra o cam­pe­o­na­to. O Pro­gres­so tem chan­ce de triun­far, até po­de ser pou­ca, mas exis­te. Con­tu­do, pa­ra sair de ca­be­ça er­gui­da dos Co­quei­ros, tem de ser ir­re­pre­en­sí­vel na exi­bi­ção, pa­ra fu­gir no mar­ca­dor. Es­se, po­de ser o de­ta­lhe do de­se­qui­lí­brio no re­sul­ta­do fi­nal, se a equi­pa por­tar-se bem em cam­po.

O em­pa­te é sem­pre me­lhor do que a der­ro­ta, em­bo­ra, sig­ni­fi­que per­der dois pon­tos. Ain­da as­sim, na­da faz crer que os ve­lhos ri­vais es­te­jam a pla­ne­ar acor­do de ca­va­lhei­ros! A am­bi­ção de ven­cer mo­ve sambilas e mi­li­ta­res por­que os im­pe­le a mos­tra­rem bo­as obras.

Pa­ra au­gu­ra­rem tal ob­jec­ti­vo, as du­as equi­pas têm de man­ter o fo­co no go­lo, pa­ra man­te­rem ace­sa a cha­ma da tra­di­ção. É ver­da­de que os tem­pos hoje são ou­tros, mas os atle­tas po­dem res­sus­ci­tar o pas­sa­do, pa­ra que no fi­nal os adep­tos te­nham his­tó­ri­as a per­pe­tu­ar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.