RNT e Exér­ci­to re­va­li­dam tí­tu­lo

Equi­pa do sec­tor eléc­tri­co e for­ma­ção fe­mi­ni­na mi­li­tar er­gue­ram tro­féus da pre­sen­te épo­ca

Jornal dos Desportos - - FUTEBOL - PAU­LO CACULO

As equi­pas da Re­de Na­ci­o­nal de Trans­por­te de Ener­gia (RNT), em mas­cu­li­no, e a do Co­mi­té Des­por­ti­vo do Exér­ci­to de Lu­an­da, em fe­mi­ni­no, re­va­li­da­ram o tí­tu­lo da Supertaça "Jo­a­quim da Gra­ça" em fut­sal, ao ven­ce­rem a Co­prat FC (4-3) e o Cha­pes­se­ca (3-1), res­pec­ti­va- men­te, jo­gos da fi­nal dis­pu­ta­dos no sá­ba­do à noi­te, no Pa­vi­lhão Gim­no­des­por­ti­vo da Ci­da­de­la.

O con­jun­to afec­to às For­ças Ar­ma­das foi a pri­mei­ra a en­trar em ce­na, pa­ra o de­sa­fio re­fe­ren­te à 5.ª edi­ção da com­pe­ti­ção, an­te uma for­ma­ção do Hu­am­bo que se mos­trou atre­vi­da nos pri­mei­ros 15 mi­nu­tos.

Fru­to da en­tra­da de rom­pan­te, foi com na­tu­ra­li­da­de que as "se­nho­ras" do Cha­pes­se­ca inau­gu­ras­sem o mar­ca­dor. A per­der por 1-0, a equi­pa da ca­sa te­ve res­pos­ta pron­ta, em­bo­ra, ti­ves­se pas­sa­do por pe­río­dos de mui­to so­fri­men­to.

Não obs­tan­te a pre­ten­são de anu­lar a des­van­ta­gem, che­ga­ram a re­ve­lar di­fi­cul­da­des em des­co­brir as vi­as de aces­so à ba­li­za con­trá­ria.

E, qu­an­do a for­ma­ção do Exér­ci­to abriu o ca­mi­nho pa­ra a área do ad­ver­sá­rio, os go­los sur­gi­ram em ca­ta­du­pa e com al­gu­ma na­tu­ra­li­da­de. Re­la­ti­va­men­te à de­ci­são do tí­tu­lo, res­pei­tan­te à 12ª edi­ção da pro­va, no es­ca­lão mas­cu­li­no, a RNT viu-se e de­se­jou-se pa­ra ven­cer a Co­prat FC, de­sa­fio cu­jo equi­lí­brio foi a no­ta pre­do­mi­nan­te du­ran­te qua­se to­do o jo­go. A qua­li­da­de exi­bi­ci­o­nal dos con­ten­do­res, con­tri­buiu pa­ra a pro­du­ção de um es­pec­tá­cu­lo

O jo­go foi um cla­ro exem­plo de com­pe­ti­ti­vi­da­de, as du­as equi­pas va­lo­ri­za­ram o pas­se e a pos­se de bo­la

de fut­sal, que me­re­cia mais as­sis­tên­cia nas ban­ca­das.

Se, por um la­do, a RNT apro­vei­tou bem a in­ten­si­da­de do seu fu­te­bol pa­ra im­pri­mir mais pres­são ao ad­ver­sá­rio, por ou­tro, não é me­nos ver­da­de o fac­to da Co­prat equi­li­brar qua­se sem­pre o jo­go em res­pos­ta pe­la mes­ma mo­e­da, aos in­có­mo­dos pro­vo­ca­dos pelo an­ta­go­nis­ta no seu meio -cam­po.

O jo­go foi um cla­ro exem­plo de com­pe­ti­ti­vi­da­de, as du­as equi­pas va­lo­ri­za­ram o pas­se e a pos­se de bo­la, com os gu­ar­da-re­des a sen­ti­rem-se mui­to ata­re­fa­dos. Fru­to des­ta ati­tu­de, a par­ti­da pas­sou por um pe­río­do emo­ti­vo, com des­fe­cho im­pre­vi­sí­vel.

O des­fe­cho a fa­vor da equi­pa ven­ce­do­ra, não su­bal­ter­ni­za a ven­ci­da, pois, o jo­go foi dis­pu­ta­do e o des­fe­cho po­dia pen­der a fa­vor de qual­quer uma das con­ten­do­ras.

De re­cor­dar, que a RNT foi o ven­ce­dor da Supertaça da épo­ca 2017, após vi­tó­ria so­bre a Clí­ni­ca Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, en­quan­to o Co­mi­té Des­por­ti­vo do Exér­ci­to re­pe­te a conquista do tro­féu, de­pois de ga­nhar a edi­ção an­te­ri­or, cu­ri­o­sa­men­te, com triun­fo di­an­te do Cha­pes­se­ca do Hu­am­bo, o mes­mo ad­ver­sá­rio des­ta edi­ção.

Tí­tu­los da Supertaça em fut­sal fo­ram en­tre­gues à RNT e ao Exér­ci­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.