HABEMUS FI­NA­LIS­TAS

De pro­lon­ga­men­to em pro­lon­ga­men­to cro­a­tas fo­ram so­man­do e che­ga­ram lá

Jornal dos Desportos - - PORTADA -

As se­lec­ções da Fran­ça e da Croá­cia dis­pu­tam, do­min­go, a fi­nal da XXI edi­ção do Cam­pe­o­na­to do Mun­do de Futebol. As du­as su­pe­ra­ram, nas meias-finais, a Bél­gi­ca e a In­gla­ter­ra.

AC­roá­cia ven­ceu on­tem a In­gla­ter­ra por 2-1 e vai de­fron­tar a se­lec­ção fran­ce­sa na fi­nal de do­min­go às 19h00. A pri­mei­ra par­te do jo­go foi fria, a se­gun­da foi quen­te, o pro­lon­ga­men­to foi mor­no. Mas, mes­mo as­sim a Croá­cia con­se­guiu che­gar à pri­mei­ra fi­nal de sem­pre.

O mais lon­ge que a Croá­cia ti­nha atin­gi­do num Mun­di­al re­mon­ta a 1998, em Fran­ça, quan­do con­se­guiu o ter­cei­ro lu­gar. Ago­ra, 20 anos de­pois des­sa con­quis­ta, es­tão na fi­nal. As emo­ções fi­ca­ram ao ru­bro lo­go aos 5 mi­nu­tos de jo­go. De­pois de uma fal­ta de Lu­ka Mo­dric so­bre De­le Al­li, Ki­e­ran Trip­pi­er ba­teu o li­vre à en­tra­da da área pa­ra dar van­ta­gem à In­gla­ter­ra.

Foi o pri­mei­ro go­lo do la­te­ral de 27 anos nes­te mun­di­al e o ter­cei­ro de li­vre di­rec­to da In­gla­ter­ra em Mun­di­ais nos úl­ti­mos 50 anos. Os pri­mei­ros dois fo­ram mar­ca­dos por Da­vid Beckham em 1998 fren­te à Colôm­bia na fa­se de gru­pos e em 2006 com o Equa­dor nos oi­ta­vos-de-fi­nal. Es­ta equi­pa inglesa foi a que mais mar­cou de bo­las pa­ra­das num mun­di­al, so­man­do no­ve ten­tos até ao mo­men­to.

Des­de ce­do que a Croá­cia mos­trou ter di­fi­cul­da­des em man­ter a pos­se de bo­la com as jo­ga­das a per­de­rem-se por di­ver­sas ve­zes aos pés de Pe­ri­sic. A equi­pa não con­se­guia apa­re­cer no jo­go e o meio cam­po re­ve­lou di­fi­cul­da­des em con­ter a pressão dos in­gle­ses, que apro­vei­ta­vam as saí­das em con­tra­a­ta­que. Por ou­tro la­do, o ata­que croata tam­bém não con­se­guia pas­sar a de­fe­sa inglesa que fe­cha­va es­pa­ços e im­pe­dia que o pe­ri­go che­gas­se à ba­li­za de Pick­ford. Aos 22 mi­nu­tos a In­gla­ter­ra vol­tou a ame­a­çar a ba­li­za de Su­ba­sic des­ta vez por Har­ry Ka­ne que apro­vei­tou um er­ro da de­fe­sa croata pa­ra re­ma­tar nu­ma al­tu­ra em que es­ta­va iso­la­do. A bo­la saiu ao la­do e foi as­si­na­la­do fo­ra de jo­go.

Per­to da meia ho­ra de jo­go, os in­gle­ses vol­tam a fa­zer tre­mer a se­lec­ção croata por du­as ve­zes se­gui­das. ¬¬Har­ry Ka­ne te­ve du­as gran­des opor­tu­ni­da­des pa­ra fa­zer o se­gun­do go­lo da In­gla­ter­ra. Su­ba­sic de­fen­deu a pri­mei­ra vez, mas dei­xou a bo­la es­ca­par, o que per­mi­tiu uma no­va ten­ta­ti­va a Ka­ne que aca­bou por acer­tar no fer­ro.

Até en­tão as du­as equi­pas ti­nham-se en­con­tra­do por se­te ve­zes, sen­do que a In­gla­ter­ra ti­nha le­va­do à me­lhor em qua­tro jo­gos e a Croá­cia em dois, já o em­pa­te re­mon­ta a um ami­gá­vel de 1996.

A se­gun­da par­te do jo­go co­me­ça­va da mes­ma for­ma que se jo­gou a pri­mei­ra: sob o co­man­do da In­gla­ter­ra. A Croá­cia su­bia li­gei­ra­men­te as li­nhas, mas não era o su­fi­ci­en­te pa­ra fa­zer fren­te ao ad­ver­sá­rio, que ia bai­xan­do a ve­lo­ci­da­de do jo­go. ¬A In­gla­ter­ra pros­se­guia com me­nos pos­se de bo­la que os cro­a­tas, mas vi­si­vel­men­te mais for­te.

A opor­tu­ni­da­de de mai­or pe­ri­go da Croá­cia che­gou aos 65 mi­nu­tos de jo­gos por Pe­ri­sic que re­ma­ta pa­ra o cor­te de Ky­le Wal­ker, que aca­ba por ser as­sis­ti­do. Ape­nas três mi­nu­tos de­pois, os cro­a­tas res­pon­dem e um cru­za­men­to de Si­me Vr­salj­ko pe­la di­rei­ta per­mi­te a Pe­ri­sic apa­re­cer nas cos­tas de Wal­ker e fa­zer o em­pa­te pa­ra a Croá­cia.

O as­pec­to men­tal co­me­ça a dar si­nais de vi­da e en­quan­to a Croá­cia apa­re­cia mais for­te, a In­gla­ter­ra sen­tia as con­sequên­ci­as do go­lo e fi­ca­va des­con­cen­tra­da. Os in­gle­ses co­me­ça­vam a des­cer ca­da vez mais o ren­di­men­to e a Croá­cia cri­a­va ca­da vez mais pe­ri­go, en­cos­tan­do o ad­ver­sá­rio.

Os nú­me­ros pro­va­vam is­so mes­mo, vis­to que aos 80 mi­nu­tos de jo­go, a In­gla­ter­ra ti­nha fei­to três re­ma­tes, ne­nhum de­les en­qua­dra­do, já a Croá­cia so­ma­va seis, dois en­qua­dra­dos. Tam­bém a pos­se de bo­la co­me­ça­va a mos­trar o fos­so en­tre as du­as equi­pas, com a Croá­cia a ter 70% con­tra 30% dos ad­ver­sá­ri­os.

Até ao fi­nal do tem­po re­gu­la­men­tar, tu­do se man­te­ve igual. A Croá­cia se­guiu en­tão pa­ra o ter­cei­ro pro­lon­ga­men­to con­se­cu­ti­vo na com­pe­ti­ção e ar­ras­tou con­si­go os in­gle­ses.

A pri­mei­ra se­lec­ção a apro­xi­mar-se do go­lo nes­te pro­lon­ga­men­to foi mes­mo a In­gla­ter­ra que de­pois de uma se­gun­da par­te fraca, sur­giu com for­ça de­pois dos 90 mi­nu­tos, mas foi a Croá­cia a che­gar ao go­lo por Mand­zu­kic que apro­vei­tou uma fa­lha na de­fe­sa inglesa e fi­na­li­zou sem hi­pó­te­se pa­ra Pick­ford.

A saí­da de Ki­e­ran Trip­pi­er por le­são dei­xou a In­gla­ter­ra a jo­gar com 10 nos úl­ti­mos mi­nu­tos do pro­lon­ga­men­to, vis­to que já ti­nha fei­to as qua­tro al­te­ra­ções per­mi­ti­das – três no tem­po re­gu­la­men­tar, mais uma em ca­so de pro­lon­ga­men­to. Nes­sa al­tu­ra, já pou­co ha­via a fa­zer e a tác­ti­ca croata le­vou à me­lhor.

O mais lon­ge que a Croá­cia ti­nha atin­gi­do num Mun­di­al re­mon­ta a 1998 em Fran­ça quan­do con­se­guiu o ter­cei­ro lu­gar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.