1º DE AGOS­TO VOL­TA A EM­PA­TAR

Agos­ti­nos en­con­tra­ram di­fi­cul­da­des em cri­ar si­tu­a­ções de pe­ri­go imi­nen­te

Jornal dos Desportos - - PORTADA - JOR­GE NE­TO

O1º de Agos­to não ata­ca nem de­sa­ta. Os bi­cam­peão na­ci­o­nal des­per­di­çou a opor­tu­ni­da­de de re­cu­pe­rar a liderança iso­la­da do Girabola Zap, ao di­vi­dir pon­tos, com um nu­lo, on­tem, na re­cep­ção ao Re­cre­a­ti­vo do Li­bo­lo, um re­sul­ta­do que vol­ta a cri­ar um mau cli­ma en­tre os adep­tos e o téc­ni­co mi­li­tar.

A atra­ves­sar uma fa­se con­tur­ba­da nes­ta se­gun­da vol­ta do cam­pe­o­na­to os agos­ti­nos en­tra­ram com o ob­jec­ti­vo de me­lho­rar a sua pres­ta­ção com o re­gres­so às vi­tó­ri­as, e des­de ce­do mos­tra­ram que es­ta­vam dis­pos­tos a al­te­rar o qu­a­dro.

A jo­gar em ca­sa os ru­bro e ne­gros con­ta­ram com pou­co pú­bli­co nas ban­ca­das de mo­dos a em­pur­rá-los pa­ra o triun­fo, mas is­so não os im­pe­diu de cha­mar a si a ini­ci­a­ti­va do jo­go e en­cur­ra­lar os li­bo­len­ses no seu úl­ti­mo re­du­to.

Ape­sar do do­mí­nio com a pos­se de bo­la os militares en­con­tra­ram di­fi­cul­da­des em cri­ar si­tu­a­ções de pe­ri­go imi­nen­te, pois os re­ma­tes de Ibu­kun e Me­lo­no, bas­tan­te in­ter­ven­ti­vo no de­sa­fio, não in­co­mo­da­ra o guar­da­re­des Ma­gue­te.

O 1º de Agos­to vol­tou a não con­tar com a pre­sen­ça de Ge­ral­do, le­si­o­na­do, e man­te­ve Jac­ques, me­lhor mar­ca­dor da equi­pa, e Mon­go no ban­co de su­plen­tes.

Do la­do do Re­cre­a­ti­vo do Li­bo­lo Sid­ney e Ma­grão fo­ram os mais in­con­for­ma­dos no pri­mei­ro tem­po, pois re­ma­ta­ram com in­ten­ção, sem­pre sob a aten­ção de Tony Ca­ba­ça.

A an­si­e­da­de vol­tou a to­mar con­ta dos militares, per­di­am mui­tas bo­las, de­no­tan­do al­gu­ma des­con­cen­tra­ção nos pas­ses, uma si­tu­a­ção apro­vei­ta­da pe­los li­bo­len­ses que aos pou­cos acre­di­ta­ram mais e fa­zi­am o seu futebol, mas sem mar­car.

No re­a­ta­men­to ape­sar das al­te­ra­ções fei­tas por Zo­ran Ma­ki, apos­tou nas en­tra­das de Jac­ques e Gu­e­lor, a pri­mei­ra opor­tu­ni­da­de per­ten­ceu aos pu­pi­los de An­dré Ma­kan­ga, com Ja­re­di a per­mi­tir a man­cha de Tony Ca­ba­ça, quan­do es­ta­va iso­la­do.

Os adep­tos dos bi­cam­peões na­ci­o­nais nas ban­ca­das pe­di­ram a saí­da do téc­ni­co sér­vio, em fun­ção dos maus re­sul­ta­dos que a equi­pa acumulou nos úl­ti­mos jo­gos, ali­a­da a exi­bi­ção pou­co con­vin­cen­te di­an­te dos li­bo­len­ses.

As du­as equi­pas des­per­ta­ram no jo­go, as jo­ga­das che­ga­vam ao úl­ti­mo re­du­to do ad­ver­sá­rio com mai­or pe­ri­go, de­mons­tran­do a von­ta­de de se adi­an­tar no mar­ca­dor, que tei­ma­va em per­ma­ne­cer em bran­co, ape­sar do es­for­ço fei­to pe­los jo­ga­do­res.

Os militares ti­ve­ram uma gran­de con­tra­ri­e­da­de, a ex­pul­são de Gu­e­lor aos 65´, que dei­xou a equi­pa em in­fe­ri­o­ri­da­de nu­mé­ri­ca ain­da com vin­te e cin­co mi­nu­tos por jo­gar, quan­do es­ta­va nu­ma fa­se as­cen­den­te. Po­rém, a en­tra­da do avan­ça­do Ra­zaq veio mos­trar que a ati­tu­de ofen­si­va de­via se man­ter pa­ra che­gar ao go­lo, que ape­sar da von­ta­de não fo­ram ca­pa­zes de con­se­guir por con­ta da fraca fi­na­li­za­ção. Os li­bo­len­ses po­di­am ter con­se­gui­do a vi­tó­ria se fi­na­li­zas­sem as jo­ga­das em que es­ti­ve­ram iso­la­dos di­an­te de Tony Ca­ba­ça.

VIGAS DA PURIFICAÇÃO | EDIÇÕES NOVEMBRO

Bi­cam­peão na­ci­o­nal des­per­di­çou a opor­tu­ni­da­de de re­cu­pe­rar a liderança iso­la­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.