Mbap­pé foi des­co­ber­to em su­búr­bi­os de Fran­ça

Jornal dos Desportos - - MUNDIAL - PAU­LO CACULO| MOS­CO­VO PAU­LO CACULO|MOS­CO­VO

Osu­ces­so da car­rei­ra do jo­vem avan­ça­do fran­cês Ky­li­an Mbap­pe, no Mun­di­al da Rús­sia, mo­ti­vou a im­pren­sa lo­cal a in­ves­ti­gar o seu per­cur­so, ten­do-se che­ga­do à con­clu­são de que o ca­mi­so­la 10 dos “Les Bleus” é um ta­len­to que nas­ceu pa­ra o futebol.

A sua as­cen­são ocor­reu mui­to ra­pi­da­men­te e se­gun­do a his­tó­ria da sua car­rei­ra, Mbap­pé mui­to ce­do co­me­çou a dar nas vis­tas ain­da nos es­ca­lões de for­ma­ção do AS Bondy, uma equi­pa dos su­búr­bi­os do nor­des­te de Fran­ça.

Nes­sa al­tu­ra, o jo­ga­dor pas­sou a mai­or par­te dos seus anos de for­ma­ção a de­sen­vol­ver as ha­bi­li­da­des téc­ni­cas e fu­te­bo­lís­ti­cas. O jo­ga­dor já con­quis­ta­ra uma enor­me po­pu­la­ri­da­de, ten­do o seu ta­len­to des­per­ta­do o in­te­res­se de no­vos mem­bros do clu­be, que pas­sa­ram a se­guir de per­to os pas­sos do jo­ga­dor.

Nu­ma re­por­ta­gem in­te­res­san­te pu­bli­ca­da on­tem pe­lo diá­rio rus­so “The Rus­si­an Ti­mes” é pos­sí­vel ler os vá­ri­os de­poi­men­tos fei­tos por an­ti­gos di­ri­gen­tes e trei­na­do­res de Ky­li­an Mbap­pe, nos tem­pos de for­ma­ção do atle­ta, ain­da ao ser­vi­ço do AS Bondy, clu­be se­di­a­do nos su­búr­bi­os de Fran­ça.

At­ma­ne Ai­rou­che, pre­si­den­te da AS Bondy, re­fe­re-se ao jo­ga­dor co­mo sen­do um fi­lho que nas­ceu, cres­ceu e se fez ho­mem no clu­be. Afir­ma que Mbap­pe che­gou ain­da be­bé, quan­do o seu pai, Wil­fri­ed, era jo­ga­dor e trei­na­dor do mes­mo clu­be.

"Quan­do jo­gá­va­mos, pou­co an­tes do pon­ta­pé de saí­da dos jo­gos vo­cê via uma cri­an­ça de dois anos com uma bo­la e ele sen­ta­va con­nos­co pa­ra ou­vir as con­ver­sas da equi­pa. Acho que ele é o jo­ga­dor da­qui que de­ve ter ou­vi­do o nú­me­ro re­cor­de de con­ver­sas de equi­pa an­tes do jo­go”, re­cor­da At­ma­ne Ai­rou­che, ci­ta­do pe­lo jor­nal rus­so.

Já o seu an­ti­go trei­na­dor de sub-13, An­to­nio Ric­car­di, con­si­de­ra o pro­ge­ni­tor de Mbap­pe co­mo o seu se­gun­do pai. Con­ta que co­nhe­ceu o cra­que da se­lec­ção fran­ce­sa ain­da be­bé, mas a pri­mei­ra vez que o trei­nou foi quan­do ele ti­nha seis anos de ida­de. Ape­nas al­guns me­ses de­pois de­le co­me­çar a jo­gar pa­ra a fai­xa etá­ria dos es­tre­an­tes, no­ta­va-se que po­de­ria ser di­fe­ren­te dos de­mais.

"Ky­li­an po­dia fa­zer mui­to mais que as ou­tras cri­an­ças. Seu dri­ble já era fan­tás­ti­co e ele era mui­to mais rá­pi­do que os ou­tros me­ni­nos”, lem­bra o trei­na­dor.

“Ele (Mbap­pe) nas­ceu no futebol. O seu pai era um lí­der jo­vem, tra­ba­lhan­do com cri­an­ças na área lo­cal e de­pois foi con­tra­ta­do pa­ra o AS Bondy. Ele só nos dei­xou há três me­ses, mas a sua mar­ca fi­ca­rá aqui pa­ra sem­pre. De­di­cou 25 anos de sua vi­da a es­te clu­be. E a mãe de Mbap­pe tam­bém te­ve uma gran­de in­fluên­cia na car­rei­ra do jo­ga­dor. Ela era uma ex­ce­len­te jo­ga­do­ra pro­fis­si­o­nal de an­de­bol”, acres­cen­tou An­to­nio Ric­car­di.

De acor­do ain­da com o ex-trei­na­dor de Ky­li­an Mbap­pe, o pai do jo­ga­dor há pou­co me­nos de três me­ses de­sen­vol­veu tra­ba­lhos de di­re­tor des­por­ti­vo do clu­be AS Bondy, a quem era in­cum­bi­da a mis­são de cui­dar dos atle­tas me­no­res de 10 até os 17 anos.

“Mbap­pe era um gran­de fã de Cris­ti­a­no Ro­nal­do. Ti­nha vá­ri­as fo­tos do por­tu­guês es­pa­lha­das pe­las pa­re­des do seu quar­to, mas ele era fã de mui­tos gran­des jo­ga­do­res. Ele não se­guiu uma equi­pa em par­ti­cu­lar, era um fã de mui­tos jo­ga­do­res de topo. Ro­nal­do foi de­fi­ni­ti­va­men­te o seu he­rói de in­fân­cia”, ga­ran­te o seu an­ti­go trei­na­dor de for­ma­ção.

Re­fe­re ain­da An­to­nio Ric­car­di - ci­ta­do pe­lo jor­nal rus­so - que Ky­li­an Mbap­pé sem­pre pen­sa­va em futebol, sem­pre fa­la­va so­bre futebol e sem­pre as­sis­tia futebol. Se não es­ti­ves­se a jo­gar, fi­ca­va a di­ver­tir-se com o futebol na PlayS­ta­ti­on.

"Ele até trans­for­mou a sua sa­la de es­tar num cam­po de futebol. Quan­do era jo­vem, eu cos­tu­ma­va le­var Ky­li­an Mbap­pé pa­ra ca­sa e cui­da­va de­le até que a mãe de­le che­gas­se do tra­ba­lho”, con­ta."Ele sem­pre quis jo­gar a bo­la na sa­la de es­tar! O so­fá ou a me­sa se­ria a ba­li­za. Ele di­zia: 'Não di­ga na­da à mi­nha mãe, não di­ga ao meu pai, por­que eles não que­rem que eu to­que aqui. Por fa­vor, não con­te. En­tão nós cos­tu­má­va­mos jo­gar e eu man­ti­ve es­se se­gre­do pa­ra ele. Fe­liz­men­te ele nun­ca par­tiu na­da com a bo­la”, re­ve­la o trei­na­dor.

Mbap­pé fez sua es­treia no Mó­na­co a 2 de de­zem­bro de 2015 co­mo um substituto tar­dio - no pro­ces­so que­bran­do o re­cor­de do ex-ata­can­te fran­cês Thi­er­ry Henry de se tor­nar o mais jo­vem jo­ga­dor do Mô­na­co em 16 anos, 347 di­as.

Foi uma das es­tre­las da se­lec­ção fran­ce­sa, na Ale­ma­nha, em 2016, mar­can­do cin­co go­los, in­cluin­do dois nas meias-finais . O go­le­a­dor des­te cam­pe­o­na­to foi Je­an-Ke­vin Au­gus­tin, que Mos­co­vo, ca­pi­tal rus­sa.A ima­gem in­cluía uma le­gen­da com uma le­tra de uma mú­si­ca pop de­di­ca­da à lei­tu­ra do téc­ni­co: “Vo­cê é in­crí­vel, Stas”, em rus­so.No en­tan­to, na noi­te após a der­ro­ta da se­lec­ção al­guns adep­tos fu­ri­o­sos "cor­ta­ram" a pon­ta do de­do de Cher­che­sov. A ima­gem ori­gi­nal te­rá ofen­di­do os adep­tos do Ze­nit Fo­ot­ball Club, por­que os de­dos de Cher­che­sov fo­ram in­ter­pre­ta­dos pa­ra for­mar a le­tra “L”, su­pos­ta­men­te re­pre­sen­tan­do a equi­pa po­la­ca do Le­gia Var­só­via, que ele ha­via trei­na­do em 2016. aca­bou de dei­xar o PSG pa­ra se jun­tar ao clu­be alemão RB Leip­zig. “Ky­li­an sem­pre foi en­tu­si­as­ta. Vo­cê tem que tra­ba­lhar du­ro quan­do vo­cê tem um ta­len­to co­mo ele, por­que se não o fi­zer, ou­tros que são me­nos ta­len­to­sos, mas es­tão tra­ba­lhan­do du­ro o vão apa­nhar”, re­fe­re Ric­car­di, em de­cla­ra­ções ao “The Rus­si­an Ti­mes”."Em Bondy não ha­via mo­men­tos re­ais de di­fi­cul­da­des pa­ra ele, por­que era mui­to me­lhor que os ou­tros. Mas eu sei que o pri­mei­ro ano no Mó­na­co foi di­fí­cil pa­ra ele, por­que ti­nha um trei­na­dor que não gos­ta­va mui­to de­le. Ho­je o téc­ni­co não es­tá mais no Mó­na­co e Ky­li­an Mbap­pé es­tá no PSG e na se­lec­ção fran­ce­sa. En­tão foi o téc­ni­co que er­rou”, ga­ran­te o trei­na­dor do AS Bondy.

Con­cor­dou em as­si­nar pe­lo Mó­na­co com ape­nas 14 anos de ida­de. Diz-se que, na al­tu­ra, che­gou a re­ce­ber pro­pos­tas de to­dos os clu­bes de topo da li­ga fran­ce­sa, in­cluin­do Re­al Ma­drid, Chel­sea, Man­ches­ter City, Li­ver­po­ol e Bayern de Munique, mas re­cu­sou. Em me­nos de dois anos, o jo­ga­dor vi­ria a tor­nar-se no mais jo­vem bi­cam­peão da Le­a­gue 1 e jo­ga­dor mais re­gu­lar, ten­do che­ga­do ao gi­gan­te Pa­ris Saint-Ger­main por um con­tra­to de 180 mi­lhões de eu­ros.

DR

In­ter­na­ci­o­nal fran­cês que foi des­co­ber­to ain­da em ten­ra ida­de pe­lo Mó­na­co de Fran­ça

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.