Fer­ra­ri e Mer­ce­des le­vam ba­ta­lha às ru­as de Ma­ri­na Bay

Pé­ri­plo pe­la Eu­ro­pa che­gou ao fim com a dis­pu­ta do GP de Itá­lia

Jornal dos Desportos - - REFLEXÕES - ALTINO VI­EI­RA DI­AS|

Opé­ri­plo pe­la Eu­ro­pa che­gou ao fim, com a dis­pu­ta do GP de Itá­lia, re­a­li­za­do no cir­cui­to de Mon­za. Lewis Ha­mil­ton fez exac­ta­men­te o que o seu ído­lo (Ayr­ton Sen­na) ti­nha fei­to em 1990, no GP da Itá­lia: ven­ceu a cor­ri­da de for­ma fan­tás­ti­ca, ca­lou uma tor­ci­da (hos­til e con­tra) fer­ra­ris­ta, no tra­di­ci­o­nal au­tó­dro­mo de Mon­za.

Po­rém, di­fe­ren­te do bra­si­lei­ro Ayr­ton Sen­na que cor­ria na al­tu­ra pe­la Mcla­ren Hon­da que era o me­lhor car­ro na al­tu­ra, Ha­mil­ton ven­ceu com a Mer­ce­des, um car­ro “su­pos­ta­men­te” in­fe­ri­or (ac­tu­al­men­te) aos da ca­sa (Fer­ra­ri).

Tu­do in­di­ca­va que a Fer­ra­ri ia sair de Mon­za com o lu­gar mais al­to do pó­dio, por “ene” fac­to­res, en­tre a ve­lo­ci­da­de de pon­ta, por te­rem os seus dois pi­lo­tos Vet­tel e Raik­ko­nen blo­que­a­do a li­nha da fren­te na po­le, e te­rem um pi­lo­to com o ca­li­bre de Vet­tel, que é um dos for­tes can­di­da­tos à con­quis­ta do tí­tu­lo.

Es­ta vi­tó­ria de Ha­mil­ton e da Mer­ce­des não foi um bom si­nal pa­ra Vet­tel e pa­ra a Fer­ra­ri, pois, de­pois do Gran­de Pré­mio da Itá­lia, vem aí o GP de Sin­ga­pu­ra. Ma­ri­na Bay vol­ta a tes­tar as equi­pas e pi­lo­tos, e foi on­de Vet­tel e a Fer­ra­ri co­me­ça­ram o cal­vá­rio no ano pas­sa­do (2017). Tu­do o que po­dia cor­rer mal cor­reu ain­da pi­or.

A sua pas­sa­gem, pe­los ou­tros cir­cui­tos asiá­ti­cos, foi um au­tên­ti­co de­sas­tre, não con­se­gui­ram che­gar ao pó­dio, em Su­zu­ka e Spang.

O Gran­de Pré­mio de Sin­ga­pu­ra, a re­a­li­zar-se no cir­cui­to Ma­ri­na Bay, vai ser a 15ª cor­ri­da do cam­pe­o­na­to de 2018. Ma­ri­na Bay re­ce­beu sem­pre mui­tís­si­mo bem as su­as cor­ri­das, em ter­mos de dis­pu­tas. Os pi­lo­tos es­tão mo­ti­va­dos e pron­tos a en­tra­rem em ac­ção, de­pois do fim da ron­da eu­ro­peia, pois, mal po­dem es­pe­rar pa­ra ver o apa­gar das lu­zes ver­me­lhas e par­ti­rem uns aci­ma dos ou­tros pa­ra o me­lhor re­sul­ta­do.

A jul­gar pe­lo an­da­men­to da Fer­ra­ri e da Mer­ce­des no GP da Itá­lia, Bot­tas, Ha­mil­ton, Ki­mi e Vet­tel par­tem co­mo os gran­des fa­vo­ri­tos à con­quis­ta da vi­tó­ria.

Eles têm car­ros rá­pi­dos, es­pe­ci­ais, ma­ra­vi­lho­sos e atrac­ção pe­las qua­tro ro­das, ali­a­das aos sis­te­mas hí­bri­dos. Es­tes pi­lo­tos vão trans­for­mar os Fer­ra­ris e Mer­ce­des, nos prin­ci­pais fo­gue­tes da cor­ri­da e vão ten­tar es­tar mais uma vez em for­ma, pa­ra saí­rem do “Ma­ri­na Bay” nos lu­ga­res mais al­tos do pó­dio e não dar hi­pó­te­ses aos Red Bull (tem um chas­sis fa­vo­rá­vel a es­ta cor­ri­da) e às equi­pas do se­gun­do pe­lo­tão.

Ha­mil­ton e Vet­tel tra­vam ri­va­li­da­de

Ha­mil­ton ga­nhou a pro­va da úl­ti­ma edi­ção em 2017, é um for­te can­di­da­to à con­quis­ta do pri­mei­ro lu­gar em Ma­ri­na Bay, pois, po­de vir a igua­lar o nú­me­ro de vi­tó­ri­as de “Seb”, que são qua­tro. Mas a mai­or par­te dos afic­ci­o­na­dos es­tá a apos­tar as fi­chas em Vet­tel, e com al­gu­ma ra­zão, pois, es­te de­mons­tra um rit­mo de ve­lo­ci­da­de in­crí­vel em cor­ri­das e bas­tan­te con­sis­tên­cia, é o pi­lo­to com mais vi­tó­ri­as em Ma­ri­na Bay e tam­bém o úni­co com três vi­tó­ri­as con­se­cu­ti­vas, mas es­te, não é fac­tor pri­mor­di­al em Ma­ri­na Bay, por ser um cir­cui­to ci­ta­di­no.

Ha­mil­ton e Vet­tel par­ti­lha­ram os cin­co úl­ti­mos gran­des pré­mi­os, com o in­glês a le­var van­ta­gem so­bre o ale­mão. Ha­mil­ton ven­ceu na Ale­ma­nha, Hun­gria e na Itá­lia, Vet­tel na In­gla­ter­ra e na Bél­gi­ca. O fac­to cu­ri­o­so é que Vet­tel era o prin­ci­pal can­di­da­to nas qua­tro cor­ri­das, com ex­cep­ção da In­gla­ter­ra, em Sil­vers­to­ne, ca­sa de Ha­mil­ton em que ele tem do­mi­na­do.

Ou­tros con­cor­ren­tes

O no­me do ven­ce­dor do Gran­de Pré­mio de Sin­ga­pu­ra, que se dis­pu­ta no cir­cui­to de Ma­ri­na Bay, é ain­da uma in­cóg­ni­ta, mas já es­tá a me­xer com o co­ra­ção dos aman­tes do mun­do da al­ta ve­lo­ci­da­de da Fór­mu­la 1.

Não é só de Fer­ra­ris e de Mer­ce­des que se vi­vem as emo­ções da Fór­mu­la 1, pois, ape­sar de se­rem as equi­pas de top, te­mos, tam­bém, ou­tras, co­mo Red Bull, Ha­as, Re­nault, McLa­ren, For­ce In­dia, To­ro Ros­so, Sau­ber e Wil­li­ams, que po­dem vir a dar um cer­to es­pec­tá­cu­lo, lá pe­la par­te de trás, o que se­ria bom; mas a pro­ba­bi­li­da­de de en­tra­da do “Sa­fety Car” são inú­me­ras, de­vi­do aos aci­den­tes que acon­te­cem na pis­ta.

E, a cor­ri­da de es­treia, in­flu­en­ci­ou bas­tan­te nas con­tas pa­ra o cam­pe­o­na­to de 2008. A ‘ma­lan­dra­gem’ da equi­pa Re­nault, fez Nel­si­nho Pi­quet cau­sar a en­tra­da do “Sa­fety Car”, pa­ra be­ne­fi­ci­ar a Alon­so que ven­ceu a cor­ri­da. Com es­te re­sul­ta­do, Felipe Mas­sa não au­men­tou mui­tos pon­tos, e no GP do Bra­sil, mes­mo a ven­cer, per­deu o cam­pe­o­na­to pa­ra Lewis Ha­mil­ton, por um pon­to.

Se­rão os Red Bull (Da­ni­el Ric­ci­ar­do e Max Vers­tap­pen), que se apre­sen­ta­ram nas úl­ti­mas du­as cor­ri­das, na Bél­gi­ca e na Itá­lia, a um ní­vel mui­to in­fe­ri­or aos Fer­ra­ris e Mer­ce­des (de Vet­tel, Raik­ko­nen, Ha­mil­ton e Bot­tas), ca­pa­zes de lhes dar lu­ta? A equi­pa pa­re­ce es­tar a na­ve­gar nu­ma ma­ré de azar. Mas nem tu­do es­tá per­di­do e os seus pi­lo­tos, ape­sar de es­ta­rem atrás dos Mer­ce­des e dos Fer­ra­ris, es­tão com uma cer­ta van­ta­gem em ter­mos per­cen­tu­ais.

DR

Ha­mil­ton é for­te can­di­da­to à con­quis­ta do pri­mei­ro lu­gar em Ma­ri­na Bay

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.