Er­nes­to Cas­ta­nhei­ra ob­tém no­va li­cen­ça

Téc­ni­co con­cluiu com êxi­to o cur­so de ní­vel A pa­ra pro­fis­si­o­nais da clas­se

Jornal dos Desportos - - PORTADA - PAU­LO CACULO

Otrei­na­dor an­go­la­no, Er­nes­to Cas­ta­nhei­ra, aca­ba de ga­nhar a “Li­cen­ça A” da FI­FA pa­ra pro­fis­si­o­nais do trei­na­men­to des­por­ti­vo, na es­pe­ci­a­li­da­de de fu­te­bol, após a con­clu­são de uma for­ma­ção re­a­li­za­da no Bra­sil e co­or­de­na­da pe­la Con­fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra de Fu­te­bol (CBF), com apoio da Con­fe­de­ra­ção SulA­me­ri­ca­na da mo­da­li­da­de (Con­me­bol).

Com a du­ra­ção de cer­ca de qua­tro anos, te­ve iní­cio em 2014 e ter­mi­nou no dia 21 do Agos­to, o téc­ni­co, ao lon­go des­te pe­río­do, efec­tu­ou vi­a­gens per­ma­nen­tes aque­le país, on­de foi sub­me­ti­do a exa­mes pre­sen­ci­ais, so­bre­tu­do no que con­cer­ne a tes­tes prá­ti­cos.

"”for­ma­ção cor­reu mui­to bem. Foi mais uma eta­pa da mi­nha qua­li­fi­ca­ção co­mo trei­na­dor. É re­sul­ta­do de um cur­so pa­ra trei­na­do­res, que de­cor­reu de 2014 à Agos­to do ano em cur­so, sob ori­en­ta­ção da Con­fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra. Com a for­ma­ção ob­ti­ve a “Li­cen­ça A” da FI­FA, que me ha­bi­li­ta a trei­nar equi­pas pro­fis­si­o­nais”, es­cla­re­ceu.

Er­nes­to Cas­ta­nhei­ra, re­si­den­te na pro­vín­cia do Na­mi­be, e úni­co an­go­la­no, en­tre os re­cém-for­ma­dos, com a ca­te­go­ria de ní­vel A, re­ve­lou que os alu­nos for­ma­dos se­rão ins­cri­tos pe­la CBF na sua pla­ta­for­ma de téc­ni­co ha­bi­li­ta­dos a de­sem­pe­nhar o car­go.

Su­bli­nhou, que a in­ten­ção dos or­ga­ni­za­do­res é que es­tes ga­nhem vi­si­bi­li­da­de, pa­ra pros­se­gui­rem as res­pec­ti­vas car­rei­ras sem so­bres­sal­tos e trans­mi­ti­rem, com bas­tan­te pro­fis­si­o­na­lis­mo e pro­pri­e­da­de, tu­do aqui­lo que apren­de­ram.“A for­ma­ção te­ve vá­ri­os mó­du­los e an­te­ce­de a li­cen­ça Pro, que é o mais al­to ní­vel da for­ma­ção de téc­ni­cos de fu­te­bol. Os tra­ba­lhos teó­ri­cos fiz à dis­tân­cia, a par­tir do nos­so país, mas as pro­vas pra­ti­cas fo­ram pre­sen­ci­ais”, acres­cen­tou.

O trei­na­dor des­ta­ca, en­tre ou­tros, a aná­li­se de de­sem­pe­nho sub­me­ti­do aos téc­ni­cos du­ran­te a ac­ção for­ma­ti­va, com ob­jec­ti­vo de dei­xar os pro­fis­si­o­nais mais pró­xi­mos da­qui­lo que é a re­a­li­da­de, em vir­tu­de de en­vol­ver vá­ri­as tec­no­lo­gi­as.

“Em An­go­la já se faz, ape­sar de ser di­fe­ren­te de ou­tros paí­ses, por es­cas­sez de in­fra-es­tru­tu­ras no nos­so país. A aná­li­se de de­sem­pe­nho en­vol­ve má­qui­nas e uma sé­rie de tec­no­lo­gi­as, que aju­dam a ob­ter re­sul­ta­dos mui­to efi­ca­zes. E te­mos no­ta­do que a no­va ten­dên­cia do fu­te­bol é a uti­li­za­ção de tec­no­lo­gi­as, pa­ra de­sem­pe­nhar­mos as nos­sas fun­ções com me­lhor efi­ci­ên­cia”, re­fe­riu Cas­ta­nhei­ra.

Ques­ti­o­na­do so­bre a op­ção pe­lo Bra­sil, jus­ti­fi­cou que de­veu-se a enor­me aber­tu­ra ofe­re­ci­da pe­la CBF aos téc­ni­cos de to­do o mun­do, in­te­res­sa­dos em aper­fei­ço­ar os seus co­nhe­ci­men­tos e evo­luir na car­rei­ra.Fiz o cur­so de pri­mei­ro ní­vel em Por­tu­gal, mas o Bra­sil ofe­re­ce ou­tras aber­tu­ras, mes­mo ao ní­vel da tec­no­lo­gia.Não que­ro di­zer que ou­tros paí­ses da Eu­ro­pa não te­nham, mas acho que, em ter­mos pes­so­ais, foi me­lhor. Per­mi­te-me es­tar me­lhor e co­mu­ni­car tam­bém me­lhor. O pró­xi­mo ob­jec­ti­vo é al­can­çar a «Li­cen­ça Pro»”, as­se­gu­rou o trei­na­dor.

DR

Er­nes­to Cas­ta­nhei­ra vol­tou a in­ves­tir na sua for­ma­ção no ex­te­ri­or do país

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.