A BO­LA É NOS­SA

Selecção Na­ci­o­nal vai ter de fa­zer pe­la vi­da pa­ra con­se­guir ven­cer em ca­sa o lí­der do gru­po I na cor­ri­da ao CAN

Jornal dos Desportos - - PORTADA - BETUMELEANO FERRÃO

A pre­ci­sar de triun­fos pa­ra cor­rer sem he­si­tar pa­ra os Ca­ma­rões, os Pa­lan­cas Ne­gras sa­bem que ama­nhã não vão po­der ter tu­do o que que­rem, mas se es­ta­be­le­ce­rem mui­to bem as su­as pri­o­ri­da­des, vão con­se­guir fa­zer o mais im­por­tan­te, jo­gar pa­ra o re­sul­ta­do.

Acor­ri­da aos Ca­ma­rões 2019 co­me­çou, na prá­ti­ca, pa­ra An­go­la, na jor­na­da pas­sa­da, ago­ra que o pri­mei­ro tur­no vai ter­mi­nar ama­nhã, a par­tir das 16h00, no es­tá­dio 11 de No­vem­bro, os Pa­lan­cas Ne­gras es­tão sob obri­ga­ção de der­ro­tar a Mauritânia, lí­der do gru­po I, pa­ra ter­mi­nar a pri­mei­ra vol­ta com a mão na mas­sa.

Ao con­trá­rio dos mau­ri­ta­ni­a­nos, os angolanos es­tão atra­sa­dos na cor­ri­da, pe­lo que não po­dem dei­xar pa­ra de­pois o que po­dem fa­zer ama­nhã à tar­de, ven­cer e igua­lar o ad­ver­sá­rio com os mes­mos 6 pon­tos. O triun­fo vai exi­gir um es­for­ço ex­tra aos Pa­lan­cas Ne­gras. Sem li­ber­da­de de es­co­lha, os angolanos sa­bem que es­tão mes­mo di­an­te de um be­co com uma úni­ca saí­da, as ex­pe­ri­ên­ci­as do pas­sa­do pro­va­ram que pro­cras­ti­nar po­de ser o co­me­ço de no­vo fra­cas­so.

Os angolanos vão ao 11 de No­vem­bro pres­si­o­na­dos de to­dos os la­dos. Anos atrás a Mauritânia se­ria um sa­co de pan­ca­da pa­ra ser­vir de ex­pe­ri­men­to pa­ra os pró­xi­mos com­pro­mis­sos, po­rém, a re­a­li­da­de ago­ra mu­dou de ma­nei­ra drás­ti­ca, as­sim en­tão, vai ser ne­ces­sá­ria mui­ta ati­tu­de com­pe­ti­ti­va, pa­ra que a efi­cá­cia se re­flic­ta no re­sul­ta­do fi­nal.

A pre­ci­sar de triun­fos pa­ra cor­rer sem he­si­tar pa­ra os Ca­ma­rões, os Pa­lan­cas Ne­gras sa­bem que ama­nhã não vão po­der ter tu­do o que que­rem, mas se es­ta­be­le­ce­rem mui­to bem as su­as pri­o­ri­da­des, vão con­se­guir fa­zer o mais im­por­tan­te, jo­gar pa­ra o re­sul­ta­do. Jo­gar pa­ra as ban­ca­das é bom mas nin­guém so­ma pon­tos só com a qu­a­li­da­de da sua exi­bi­ção, é ne­ces­sá­rio acres­cen­tar ou­tras coi­sas mais, co­mo po­der de efi­cá­cia pa­ra acer­tar com as ba­li­zas ad­ver­sá­ri­as, é is­so o que An­go­la tem de fa­zer pa­ra der­ro­tar a Mauritânia.

O jo­go vai exi­gir mui­to su­or e con­cen­tra­ção aos Pa­lan­cas Ne­gras, mas to­do o sa­cri­fí­cio vai ser pou­co pa­ra pre­va­le­cer con­tra o sur­pre­en­den­te lí­der da Sé­rie I. Um re­sul­ta­do ne­ga­ti­vo po­de ser de­sas­tro­so pa­ra o ob­jec­ti­vo que se pre­ten­de atin­gir, mas em du­as jor­na­das os mau­ri­ta­ni­a­nos fi­ze­ram o im­pen­sá­vel, eles mes­mo de­ram o to­que de trom­be­ta, pe­lo que só res­ta aos angolanos des­per­ta­rem pa­ra a re­a­li­da­de e fa­zer a sua par­te, pois é is­so o que o seu opo­nen­te tem fei­to des­de à pri­mei­ra jor­na­da.

Os Pa­lan­cas Ne­gras fi­ze­ram as su­as con­tas an­tes mes­mo de ini­ci­a­rem a com­pe­tir, ne­las o Bur­ki­na Fa­so era o ad­ver­sá­rio a aba­ter, mas a re­a­li­da­de ago­ra é bem di­fe­ren­te, um in­tru­so as­su­miu to­do o pro­ta­go­nis­mo e for­ça os an­tes fa­vo­ri­tos a olhá-lo de ma­nei­ra di­fe­ren­te. Se na­da for fei­to, ou se­ja, se An­go­la não imi­tar o bom exem­plo da Mauritânia, vai bo­tar tu­do a per­der, o que os mau­ri­ta­ni­a­nos es­tão a fa­zer é um bom lem­bre­te pa­ra os angolanos, as ac­ções fa­lam mais al­to do que as pa­la­vras, até no rel­va­do.

As re­cen­tes la­men­ta­ções do se­lec­ci­o­na­dor Srdjan Va­sil­je­vic, co­lo­ca­ram em xe­que a fe­de­ra­ção, mas vai ser ne­ces­sá­rio es­pe­rar pe­lo api­to ini­ci­al, pa­ra ver se tam­bém me­xeu com os atle­tas, mui­tos de­les há­bi­tos a tra­ba­lhar no rel­va­do que deu mo­ti­vos de quei­xas ao trei­na­dor.

A bo­la ago­ra es­tá do la­do dos atle­tas, é a eles que os adeptos mais vão cobrar, se An­go­la for in­ca­paz de sair do jo­go de ca­be­ça er­gui­da. Com ou sem con­di­ções, os que estiveram pe­lo 11 de No­vem­bro afo­ra, pri­mei­ro vão que­rer con­tar os pon­tos, só de­pois é que vão que­rer sa­ber do res­to. Por mais que os mau­ri­ta­ni­a­nos es­te­jam na mó de ci­ma, os angolanos têm de per­ce­ber que is­so não lhes vai sa­far se não so­ma­rem 3 pon­tos, pois aos pou­cos co­me­ça a fi­car evi­den­te pe­la pas­sa­da lar­ga e efi­caz do ad­ver­sá­rio, que as con­tas do apuramento vão ser fei­tas em três paí­ses di­fe­ren­tes.

Até ago­ra já deu pa­ra ver que nem An­go­la, nem o Bur­ki­na Fa­so, ca­be­ça de sé­rie, vão ter vi­da fá­cil di­an­te do im­pro­vá­vel lí­der, que an­tes de ini­ci­ar a cor­ri­da mais pa­re­cia con­de­na­do a re­pe­tir o mes­mo de sem­pre: ver os ou­tros com­pe­ti­do­res a pas­sar apres­sa­dos pa­ra che­gar ao CAN. É es­ta a mes­ma sen­sa­ção que os mau­ri­ta­ni­a­nos ago­ra tam­bém co­me­çam a sen­tir. O so­nho nun­ca es­te­ve per­to de se tor­nar re­a­li­da­de pa­ra eles.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.