To­dos com os Pa­lan­cas

Jornal dos Desportos - - ABERTURA -

An­go­la tem, ama­nhã, mais um tes­te de fo­go na cor­ri­da pa­ra o CAN dos Ca­ma­rões no pró­xi­mo ano, quan­do de­fron­tar a Mauritânia no 11 de No­vem­bro, pa­ra a ter­cei­ra jor­na­da do gru­po I de qua­li­fi­ca­ção.

A di­fi­cul­da­de da em­prei­ta­da re­si­de, tão sim­ples­men­te, no fac­to do ad­ver­sá­rio ser, até ago­ra, o lí­der iso­la­do da sé­rie que com­par­ti­lha, tam­bém com o Botswa­na e o Bur­ki­na Fa­so, es­te úl­ti­mo a quem ven­ceu na jor­na­da tran­sac­ta, e ti­do co­mo prin­ci­pal fa­vo­ri­to à pas­sa­gem à fa­se fi­nal da com­pe­ti­ção.

O fac­to jo­gar em Lu­an­da na con­di­ção de co­man­dan­te, de­ve ter gal­va­ni­za­do os mau­ri­ta­ni­a­nos nes­ta vi­a­gem à ca­pi­tal an­go­la­na, e is­so de­ve ser­vir de aler­ta aos Pa­lan­cas Ne­gras que, mes­mo ten­do vi­vi­do ve­lhos pro­ble­mas de con­di­ções pa­ra a sua pre­pa­ra­ção, ain­da as­sim não que­re­rão, de­cer­to, ati­rar pa­ra o li­xo a em­pa­tia que têm com os adeptos, após o úl­ti­mo triun­fo di­an­te do Botswa­na.

A Mauritânia já mos­trou as su­as am­bi­ções. Mas na­da que im­pe­ça os Pa­lan­cas Ne­gras de não ti­rar par­ti­do do fac­tor ca­sa, e, por is­so mes­mo, re­fre­ar as su­as in­ten­ções de triun­far. Ade­mais, foi is­so mes­mo que o ad­ver­sá­rio fez, quan­do de­sa­lo­jou os bur­ki­na­bes da li­de­ran­ça, com uma cla­ra vi­tó­ria em sua ca­sa.

O ce­ná­rio no gru­po, in­di­ca que a Mauritânia, Bur­ki­na Fa­so e An­go­la (is­so por or­dem de clas­si­fi­ca­ção à en­tra­da da ter­cei­ra jor­na­da), são as for­ma­ções que de­ve­rão lu­tar até ao fim pe­las va­gas pa­ra a fa­se fi­nal, uma vez que a quar­ta for­ma­ção, Botswa­na, vai pre­ci­sar de um mi­la­gre pa­ra lá che­gar.

Ama­nhã, An­go­la po­de cla­ri­fi­car as su­as con­tas. Pois, com um triun­fo no 11 de No­vem­bro e na even­tu­a­li­da­de do Bur­ki­na Fa­so fa­zer va­ler a sua con­di­ção de fa­vo­ri­to con­tra o Botswa­na, em Ou­a­ga­dou­gou, angolanos, bur­ki­na­bes e mau­ri­ta­ni­a­nos fi­ca­rão to­dos com 6 pon­tos.

Os angolanos es­tão à es­pe­ra que os seus Pa­lan­cas sai­am do es­tá­dio, no fi­nal da con­ten­ta, de ca­be­ça er­gui­da, com a con­fi­an­ça ne­ces­sá­ria pa­ra en­ca­rar os pró­xi­mos de­sa­fi­os com se­re­ni­da­de, não obs­tan­te as quei­xas (le­gí­ti­mas) do se­lec­ci­o­na­dor na­ci­o­nal.

Quem tem as­pi­ra­ções de che­gar ao CAN, de­ve sa­ber que to­dos os mo­men­tos são bons pa­ra sonhar, que to­das as opor­tu­ni­da­de de­vem ser apro­vei­ta­das ao por­me­nor, por­que em ca­da jor­na­da os ad­ver­sá­ri­os directos não vão dor­mir.

Em oca­siões an­te­ri­o­res, os Pa­lan­cas Ne­gras lo­gra­ram o apuramento em si­tu­a­ções ex­tre­mas, com os jo­ga­do­res a so­fre­rem e a fa­ze­rem so­frer os adeptos até aos der­ra­dei­ros mi­nu­tos, na fa­se de qua­li­fi­ca­ção. Pe­lo que, ago­ra, e cer­ta­men­te com ou­tra men­ta­li­da­de, é ho­ra de não dei­xar pa­ra ama­nhã o que se po­de fa­zer ho­je.

Daí a fo­me de pon­tos de as­so­la o con­jun­to e que é pre­ci­so col­ma­tar já com um triun­fo ama­nhã, no 11 de No­vem­bro. Por um ou por mil, pou­co im­por­ta, por­que o que to­dos que­re­mos é ape­nas a vi­tó­ria.

Os angolanos es­tão à es­pe­ra que os seus Pa­lan­cas sai­am do es­tá­dio no fi­nal da con­ten­ta de ca­be­ça er­gui­da, com a con­fi­an­ça ne­ces­sá­ria pa­ra en­ca­rar os pró­xi­mos de­sa­fi­os com se­re­ni­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.