Angolanos obri­ga­dos a ven­cer

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - AU­GUS­TO FER­NAN­DES

ASe­lec­ção Na­ci­o­nal de fu­te­bol se­ni­o­res mas­cu­li­na, tam­bém co­nhe­ci­da por Pa­lan­cas Ne­gras, re­ce­be ama­nhã a sua con­gé­ne­re da Mauritânia, jo­go a con­tar pa­ra a 3ª jor­na­da do Gru­po I, das eli­mi­na­tó­ri­as de aces­so ao CAN dos Ca­ma­rões 2019.

O que se po­de es­pe­rar dos Pa­lan­cas Ne­gras no de­sa­fio de ama­nhã? Em fun­ção do no­vo pen­sa­men­to da di­rec­ção da Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol (FAF) e con­se­quen­te­men­te da mai­or par­te da fa­mí­lia da mo­da­li­da­de, no país e não só, a equi­pa na­ci­o­nal é obri­ga­da a ven­cer es­te de­sa­fio se qui­ser es­tar pre­sen­te nos Ca­ma­rões.

Di­go, no­vo pen­sa­men­to da di­rec­ção da FAF, por­que de­pois de as­su­mir a con­du­ção do or­ga­nis­mo rei­tor da mo­da­li­da­de, Ar­tur Al­mei­da e Sil­va dei­xou cla­ro que o gran­de ob­jec­ti­vo do seu pe­lou­ro, pas­sa em cri­ar con­di­ções pa­ra que a mé­dio pra­zo a nos­sa selecção es­te­ja em con­di­ções de com­pe­tir com as me­lho­res de Áfri­ca.

Por is­so, o CAN dos Ca­ma­rões não era uma pri­o­ri­da­de. En­tre­tan­to, à me­di­da que o tem­po pas­sa, mes­mo com gran­des di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras, o dis­cur­so do pre­si­den­te da FAF mu­dou, ho­je, a ideia dos Pa­lan­cas Ne­gras es­ta­rem na fa­se fi­nal do re­fe­ri­do tor­neio, é pra­ti­ca­men­te uma obri­ga­ção.

Não sou con­tra a ideia. Mas se a pri­mei­ra in­ten­ção da FAF se man­ti­ves­se de pé e sem pres­são al­gu­ma, a nos­sa selecção fos­se apu­ra­da pa­ra o CAN, se­ria uma vi­tó­ria du­pla, por­que abria a opor­tu­ni­da­de pa­ra des­co­ber­ta de no­vos va­lo­res, que se iam jun­tar aos mais ex­pe­ri­en­tes e em de­vi­do tem­po, tí­nha­mos a selecção que se pre­ten­de.

A ver­da­de, po­rém, é que o ve­lho há­bi­to de que­rer es­tar pre­sen­te em to­dos os CAN que sur­jam, tam­bém, foi “her­da­do” pe­la no­va di­rec­ção da FAF. As­sim, to­das as for­ças vi­vas que in­flu­en­ci­am a vi­da dos Pa­lan­cas Ne­gras sen­tem-se mo­bi­li­za­das pa­ra o efei­to.

Por exem­plo, a im­pren­sa des­por­ti­va que exer­ce um gran­de pa­pel na mo­bi­li­za­ção dos adeptos e não só, já es­tá em ac­ção há mui­to tem­po.

Por is­so, é nor­mal que a mai­or par­te dos angolanos à es­ta al­tu­ra, quei­ram que a sua selecção na­ci­o­nal es­te­ja pre­sen­te no CAN de 2019.

Po­rém, pa­ra que es­se ob­jec­ti­vo se­ja al­can­ça­do, os Pa­lan­cas Ne­gras, são obri­ga­dos a ven­cer o jo­go de ama­nhã com a Mauritânia, que li­de­ra nes­te mo­men­to o gru­po com seis pon­tos, fru­to de du­as vi­to­ri­as, por 1-0, com o Botswa­na e de 2–0, com a si­mi­lar do Bur­ki­na Fa­so.

Em ter­mos de ran­king da FI­FA, a Mauritânia ocu­pa a po­si­ção nº 103 com 1.217 pon­tos, e no Gru­po I, é a se­gun­da me­lhor co­lo­ca­da atrás dos bur­ki­na­bes, que es­tão na po­si­ção 56 com 1.391 pon­tos, en­quan­to que An­go­la es­tá na po­si­ção 135 com 1.109 pon­tos e por úl­ti­mo, o Botswa­na em 142º, com 1.077 pon­tos.

Is­to, im­pli­ca di­zer, que se a po­si­ção no ran­king fa­las­se mais al­to, o Bur­ki­na Fa­so e a Mauritânia eram as equi­pas can­di­da­tas a apu­ra­rem-se à fa­se fi­nal do CAN dos Ca­ma­rões. Ve­mos, cla­ra­men­te, que a Mauritânia não é uma equi­pa qu­al­quer e os nos­sos jo­ga­do­res vão ter de su­ar a ca­mi­so­la se qui­se­rem sair do Es­tá­dio 11 de No­vem­bro com os três pon­tos na ba­ga­gem.

Em fun­ção do que vi­mos di­an­te da selecção do Botswa­na e ter em aten­ção o fac­to de o 1º de Agos­to ser a úni­ca equi­pa que es­tá em ac­ção, e por is­so, for­ne­ceu mais jo­ga­do­res à Selecção Na­ci­o­nal, pre­vê-se que pos­sa­mos ter uma equi­pa ba­se­a­da nos seus jo­ga­do­res e no da diás­po­ra. Por­tan­to, o Se­lec­ci­o­na­dor Na­ci­o­nal po­de for­mar uma equi­pa for­te, se por exem­plo, sair com Tony Ca­ba­ça, Isa­que, Mas­sun­gu­na, Bas­tos, Pai­zo ou Tó Car­nei­ro, He­re­nil­son, Show, Djal­ma, Geraldo, Freddy, e Gel­son Da­la e po­de con­tar ain­da com um ban­co “sau­dá­vel” com jo­ga­do­res, co­mo, Buá, Ma­teus Ga­li­a­no, Ma­caia, Vá, Min­go Bi­le e ou­tros jo­ga­do­res.

É im­por­tan­te fri­sar que a selecção da Mauritânia é com­pos­ta por jo­ga­do­res que mi­li­tam em cam­pe­o­na­tos, co­mo os de Fran­ça, Tu­ní­sia, Tur­quia e Gré­cia, daí, ter obri­ga­ções acres­ci­das quan­do re­pre­sen­tam as co­res do seu país.

En­tre­tan­to, a jul­gar pe­los no­mes e qua­li­da­des dos jo­ga­do­res que o sér­vio Srdjan Va­sil­je­vic con­vo­cou pa­ra es­ta ope­ra­ção, po­de­mos es­tar con­fi­an­tes que o on­ze an­go­la­no pos­sa fa­zer um bom re­sul­ta­do. Aliás, já é che­ga­da a ho­ra dos jo­ga­do­res que re­pre­sen­tem os Pa­lan­cas Ne­gras co­lo­ca­rem na sua men­te que os jo­gos em ca­sa são pa­ra se­rem ga­nhos, se­ja qu­al for o “qui­la­te” do ad­ver­sá­rio.

Es­ta­mos a sen­si­vel­men­te 24 ho­ras do de­sa­fio, e por aqui­lo que co­nhe­ce­mos da ca­pa­ci­da­de de or­ga­ni­za­ção do es­ta­do an­go­la­no, os Pa­lan­cas Ne­gras já têm to­das as con­di­ções cri­a­das pa­ra ar­ran­ca­rem os três pon­tos e as­sal­ta­rem a li­de­ran­ça do gru­po.

De­pois é es­pe­rar pe­los dois jo­gos que vão ter fo­ra com o Botswa­na e a Mauritânia, e fi­nal­men­te, re­ce­ber o Bur­ki­na Fa­so no Es­tá­dio 11 de No­vem­bro.

Com uma even­tu­al vi­tó­ria, ama­nhã, os Pa­lan­cas de­vem somar seis pon­tos, e ca­so ame­a­lhem no mí­ni­mo dois pon­tos nas du­as des­lo­ca­ções que ain­da têm de fa­zer, che­gam aos oi­to pon­tos. Nes­se ca­so, ao re­ce­be­rem os bur­ki­na­bes, na der­ra­dei­ra jor­na­da des­ta cam­pa­nha, só pre­ci­sa­vam de uma vi­tó­ria que ga­ran­tis­sem os 11 pon­tos, su­fi­ci­en­tes no ca­so, pa­ra irem ao CAN do pró­xi­mo ano nos Ca­ma­rões.

Com es­te nú­me­ro de pon­tos, no mí­ni­mo, o se­gun­do lu­gar es­ta­va ga­ran­ti­do. Aí, sim, po­día­mos sonhar com o CAN dos Ca­ma­rões em 2019. Es­te, é o ce­ná­rio que se apre­sen­ta di­an­te dos Pa­lan­cas Ne­gras. Por is­so, o jo­go de ama­nhã é de­ci­si­vo pa­ra as con­tas fi­nais, ra­zão pe­la qu­al só a vi­tó­ria in­te­res­sa aos nos­sos Pa­lan­cas Ne­gras.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.