MÁRIO SOARES RE­VE­LA DI­FI­CUL­DA­DES

Jornal dos Desportos - - FRONT PAGE - BENIGNO NARCISO, NO LUBANGO

O téc­ni­co do Des­por­ti­vo da Huíla, Mário Soares, con­fes­sou que a equi­pa atra­ves­sa enor­mes di­fi­cul­da­des no ca­pí­tu­lo da preparação, de­vi­do a in­ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra que a di­rec­ção do clu­be en­fren­ta pa­ra a re­a­li­za­ção de um es­tá­gio pré-com­pe­ti­ti­vo fo­ra da pro­vín­cia, as­sim co­mo pa­ra a dis­pu­ta de jo­gos de con­tro­lo du­ran­te o in­ter­reg­no de três se­ma­nas que o Girabola Zap 2018/2019 vai ob­ser­var.

“Es­ta­mos bas­tan­te li­mi­ta­dos fi­nan­cei­ra­men­te, não te­mos ca­pa­ci­da­de. Oxa­lá que a sor­te sor­ria, que sur­ja um con­vi­te pa­ra jo­gos ou que ha­ja con­di­ções fi­nan­cei­ras, mas é mui­to di­fí­cil por­que o Des­por­ti­vo es­tá com mui­tas di­fi­cul­da­des no pe­río­do da preparação. Es­tá a ser um ano em que te­mos que su­pe­rar to­das as nos­sas com­pe­tên­ci­as pa­ra fa­zer com que o Des­por­ti­vo fa­ça um cam­pe­o­na­to tran­qui­lo”, re­ve­lou.

Mário Soares re­fe­riu não exis­tir, a ní­vel da pro­vín­cia da Huíla equi­pas de al­ta com­pe­ti­ção con­tra as quais o Des­por­ti­vo pos­sa ac­tu­ar pa­ra ava­li­ar, cor­ri­gir e po­ten­ci­ar as ca­pa­ci­da­des do gru­po de mo­dos a se al­can­çar os ní­veis de­se­ja­dos pa­ra a com­pe­ti­ção.

“É mais do que sa­bi­do que te­mos di­fi­cul­da­des de na nos­sa pra­ça não con­se­guir jo­gos de con­tro­lo com ad­ver­sá­ri­os à al­tu­ra. Se­ria bom se ti­vés­se­mos al­gum ca­pi­tal fi­nan­cei­ro, sair­mos e fa­zer­mos jo­gos com equi­pas de al­ta com­pe­ti­ção, mas es­ta­mos bas­tan­te li­mi­ta­dos fi­nan­cei­ra­men­te”, de­sa­ba­fou.

Di­an­te des­se ce­ná­rio e de mo­dos a ate­nu­ar os efei­tos ne­ga­ti­vos da fal­ta de jo­gos du­ran­te as três se­ma­nas de pa­ra­gem na com­pe­ti­ção, o téc­ni­co lou­vou o ar­ran­que do Gi­ra­bair­ro do Lubango, que per­mi­ti­rá, na au­sên­cia do me­lhor, re­a­li­zar qua­tro jo­gos com al­gu­mas das me­lho­res for­ma­ções que com­pe­tem na pro­va.

Adi­an­tou que ape­sar de es­ses ad­ver­sá­ri­os não ofe­re­ce­rem a ré­pli­ca pre­ten­di­da, ain­da as­sim irá per­mi­tir tes­tar e ob­ser­var a ca­pa­ci­da­de e ní­veis de as­si­mi­la­ção da equi­pa, prin­ci­pal­men­te na ver­ten­te tác­ti­ca.

“Res­ta-nos as equi­pas do Gi­ra­bair­ro, ain­da bem que a pro­va cá da nos­sa ur­be já ar­ran­cou, as equi­pa já es­tão a com­pe­tir. Es­pe­ra­mos fa­zer três jo­gos e mais um na se­ma­na que re­to­mar o Girabola e en­trar na ter­cei­ra jor­na­da com qua­tro jo­gos, ape­sar de não te­rem a ré­pli­ca com­pe­ti­ti­va que a gen­te pre­ten­dia. Mas pron­tos, se­rá mais pa­ra tes­tar e ob­ser­var a ca­pa­ci­da­de de as­si­mi­la­ção da ga­ro­ta­da, prin­ci­pal­men­te em ter­mos tác­ti­cos”, dis­se.

Os de­sa­fi­os das du­as pri­mei­ras jor­na­das do Girabola Zap, em fa­ce aos con­tra­tem­pos que in­ter­fe­ri­ram na pro­gra­ma­ção, é con­si­de­ra­do pe­lo téc­ni­co do Des­por­ti­vo da Huíla, co­mo os pri­mei­ros jo­gos pré-com­pe­ti­ti­vos da épo­ca.

Es­cla­re­ceu que pa­ra o ar­ran­que do cam­pe­o­na­to é de­fi­ni­do e acon­se­lhá­vel cum­prir-se seis mi­cro ci­clos. Por es­te fac­to, a equi­pa téc­ni­ca viu-se obri­ga­da a pla­ni­fi­car a con­ti­nui­da­de e o en­cer­ra­men­to da preparação da equi­pa no pe­río­do do in­ter­reg­no de três se­ma­nas com a re­a­li­za­ção de qua­tro jo­gos de con­tro­lo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.