Pa­ra­gem apa­nha can­di­da­to no des­per­dí­cio

Tí­tu­lo é o fo­co dos gran­des mas pa­re­ce que os fa­vo­ri­tos não en­tra­ram com o pé quen­te no Girabola Zap

Jornal dos Desportos - - FUTEBOL - BETUMELEANO FERRÃO

Apri­mei­ra pau­sa do cam­pe­o­na­to apa­nhou to­dos os can­di­da­tos sem a ati­tu­de com­pe­ti­ti­va ide­al, pa­ra jun­tar obras às su­as ac­ções. A li­de­ran­ça do Pro­gres­so Sam­bi­zan­ga é a me­lhor pro­va de que des­per­dí­cio de pon­tos tra­mou o 1º de Agos­to, Petro de Lu­an­da, Ka­bus­corp do Pa­lan­ca, Re­cre­a­ti­vo do Li­bo­lo e In­ter­clu­be nas du­as jor­na­das dis­pu­ta­das. O ró­tu­lo de can­di­da­to es­tá pre­sen­te, mas a co­lhei­ta de pon­tos ain­da es­tá lon­ge de ser a ide­al, pa­ra um dos po­ten­ci­ais cam­peões se des­ta­car dos de­mais, ne­nhum de­les ain­da mos­trou o ful­gor ne­ces­sá­rio pa­ra se co­lo­car nu­ma po­si­ção mais fa­vo­rá­vel. A ques­tão do tí­tu­lo é o fo­co de quem só vê o pri­mei­ro lu­gar, os pon­tos per­di­dos em tão pou­co tem­po vi­e­ram em tem­po opor­tu­no, pois aju­da­ram to­dos os can­di­da­tos a per­ce­ber que têm de au­men­tar o la­bor em cam­po, man­ter a pos­tu­ra ac­tu­al po­de ser com­pro­me­te­do­ra pa­ra a am­bi­ção tra­ça­da. É ver­da­de que o cam­pe­o­na­to mal co­me­çou, mas as li­ções do pas­sa­do re­cen­te es­tão na me­mó­ria de to­dos, os que fo­ram ne­gli­gen­tes no iní­cio de­pois ti­ve­ram sé­ri­as di­fi­cul­da­des de se re­er­guer pa­ra en­trar de no­vo na cor­ri­da. Nem o sor­teio po­de ser­vir de des­cul­pa pa­ra os can­di­da­tos, re­al­men­te al­guns de­les ti­ve­ram de cru­zar en­tre si nas du­as ron­das dis­pu­ta­das, mas o que acon­te­ceu aca­bou por ser um mal que veio pa­ra bem, por­que pro­vou que ain­da é ce­do pa­ra fa­lar em equi­va­lên­cia en­tre os an­ta­go­nis­tas.

Os pon­tos des­per­di­ça­dos con­tra um con­cor­ren­te são co­mo que pre­vi­sí­veis, é das pou­cas cer­te­zas com que se en­tra no cam­pe­o­na­to, o úni­co pro­ble­ma é quan­do is­so tam­bém con­tri­buí pa­ra o fra­cas­so fi­nal, aí sim o que fi­cou pa­ra trás se tor­na mui­to pre­ci­o­so, ape­sar de ir­re­cu­pe­rá­vel.

Por exem­plo, o Li­bo­lo já en­fren­tou o Petro, en­quan­to o In­ter­clu­be te­ve de en­ca­rar o 1º de Agos­to e o Ka­bus­corp, co­mo fi­ca evi­den­te, os ris­cos de per­der pon­tos eram enor­mes, o pre­vi­sí­vel acon­te­ceu, mo­ti­vo por que, quer li­bo­len­ses, quer po­lí­ci­as, co­mo que agra­de­ce­ram pe­la pa­ra­gem do cam­pe­o­na­to. O pon­ti­to so­ma­do em du­as jor­na­das aju­dou as du­as equi­pas a per­ce­ber, que ain­da não es­tão tão bem pre­pa­ra­dos pa­ra anun­ci­ar a sua pre­sen­ça no cam­pe­o­na­to.

Se­gu­ra­men­te, o que mais de­ve es­tar a ti­rar o so­no ao Li­bo­lo e In­ter­clu­be é ver que os ri­vais co­mo 1º de Agos­to, Petro e Ka­bus­corp tro­pe­ça­ram mas não caí­ram, é por is­so que con­se­gui­ram re­cu­pe­rar o pas­so pa­ra fu­gir pa­ra 3 pon­tos de van­ta­gem.

O fos­so ain­da não é tão gran­de as­sim, mas já é evi­den­te por­que en­quan­to mi­li­ta­res, tri­co­lo­res e pa­lan­qui­nos vão se es­for­çar pa­ra con­so­li­dar as su­as per­for­man­ces, os li­bo­len­ses e po­lí­ci­as vão ter de fa­zer pe­la vi­da, por­que têm de re­cu­pe­rar de ime­di­a­to a ati­tu­de com­pe­ti­ti­va pa­ra o fra­cas­so não ser imi­nen­te tão ce­do, co­mo já se viu em anos an­te­ri­o­res com al­guns can­di­da­tos.

Nem o fac­to de er­gue­rem os olhos sem ver os ri­vais na li­de­ran­ça ser­ve de con­so­lo pa­ra os atra­sa­dos Li­bo­lo e In­ter­clu­be, fi­ca cla­ro que os ou­tros es­tão em po­si­ção mais fa­vo­rá­vel e sa­bem que de ago­ra em di­an­te es­tão com um far­do adi­ci­o­nal nas cos­tas, nin­guém ain­da ga­nhou ou per­deu o tí­tu­lo, con­tu­do, é pon­to as­sen­te que há du­as equi­pas que já sa­bem que vão ter de cor­rer atrás do pre­juí­zo pa­ra su­pe­rar os que es­tão em­pe­nha­dos pa­ra con­se­guir o que que­rem.

A li­de­ran­ça im­pro­vá­vel do Pro­gres­so é um pré­mio ao bom co­me­ço dos sam­bi­las, até quan­do se vão man­ter no to­po é uma ques­tão de tem­po, a úni­ca cer­te­za é que o 1º de Agos­to, Petro e Ka­bus­corp se sen­tem in­co­mo­da­dos por ver que tam­bém têm 4 pon­tos, co­mo os sam­bi­las, mas mes­mo as­sim fo­ram re­le­ga­dos pa­ra pla­no se­cun­dá­rio, por cau­sa da di­fe­ren­ça de go­los.

Ain­da bem que a se­pa­ra­ção de águas es­tá a ser fei­ta com a di­fe­ren­ça en­tre os mar­ca­dos e so­fri­dos, um bom lem­bre­te pa­ra os can­di­da­tos se pre­o­cu­pa­rem tam­bém em afi­nar a pon­ta­ria, quan­to mais go­los mar­ca­rem mais vão au­men­tar as chan­ces de su­ces­so no fi­nal.

In­ter­clu­be e Li­bo­lo têm me­nos três pon­tos que o 1º de Agos­to e Petro de Lu­an­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.