Ver­da­dei­ra ca­val­ga­da

Jornal dos Desportos - - ABERTURA -

Com a vi­tó­ria de sá­ba­do úl­ti­mo, so­bre o seu prin­ci­pal con­cor­ren­te, po­de­mos di­zer que o 1º de Agos­to deu uma boa ca­val­ga­da na sua in­gen­te ba­ta­lha pe­la re­va­li­da­ção do tí­tu­lo. Na ver­da­de, de­pois des­te re­sul­ta­do, as ma­te­má­ti­cas do “ru­bro-ne­gro” fi­cam mais fa­ci­li­ta­das ou isen­tas de com­pli­ca­das equa­ções.

É cer­to que o cam­pe­o­na­to só vai a meio, res­tan­do ain­da uma se­gun­da vol­ta que, em re­gra, tem mui­to que se lhe di­ga. Se­ja co­mo for, os militares hão-de par­tir pa­ra es­ta fa­se mais fol­ga­dos, ain­da que exis­tam, pa­ra além do Petro de Lu­an­da, ou­tras equi­pas que tam­bém lhe fa­zem al­gu­ma som­bra con­cor­ren­ci­al.

Em te­o­ria, o prin­ci­pal con­cor­ren­te é, sem dú­vi­das, o “ar­qui-ri­val” do Ei­xo-Viá­rio, por ra­zões so­be­ja­men­te co­nhe­ci­das. O Des­por­ti­vo da Hui­la, que em abo­no da ver­da­de vai sen­do uma agra­dá­vel sur­pre­sa, po­de ter in­ten­ções, mas es­tá lon­ge de ser ta­xa­do co­mo ad­ver­sá­rio a al­tu­ra de fa­zer fin­ca-pé ao cam­peão na­ci­o­nal.

Aliás, a se­gun­da vol­ta, que é uma es­pé­cie de su­bi­da ín­gre­me, po­de vir in­ver­ter as coi­sas pa­ra al­gu­mas equi­pas, sen­do que os hui­la­nos po­dem, quem sa­be, des­cer al­guns lu­ga­res na sua or­dem clas­si­fi­ca­ti­va. Po­dem, é uma con­di­ção. Pois, tam­bém po­dem man­ter o rit­mo que vêm evi­den­ci­an­do até ao fim.

A em­prei­ta­da fi­cou, re­al­men­te, mais com­pli­ca­da pa­ra os pe­tro­lí­fe­ros, pa­ra quem o ob­jec­ti­vo é úni­co, es­tan­do vol­ta­do pa­ra a con­quis­ta do tí­tu­lo, na pers­pec­ti­va de que­brar um je­jum, que já vai a ca­mi­nho de dez anos. Em ca­so de fa­lhar a pre­sen­te edi­ção, o ri­val, ca­so se­ja ele a con­quis­tar o tí­tu­lo, es­ta­rá mais pró­xi­mo do seu re­cor­de.

A di­fe­ren­ça que an­tes era de 15 tí­tu­los con­tra no­ve, ho­je es­tá fi­xa­da em 15-12, o que ex­pres­sa cla­ra­men­te o mau mo­men­to que vi­ve o ve­lho pa­pão cá do sí­tio, uma si­tu­a­ção que te­rá a sua ex­pli­ca­ção na re­du­ção or­ça­men­tal, que já não per­mi­te à di­rec­ção fa­zer o mes­mo in­ves­ti­men­to de ou­tro tem­po. Pe­lo me­nos é is­so que se ale­ga nas hos­tes do clu­be.

Mas va­mos acre­di­tar, que ain­da há me­ta­de do cam­pe­o­na­to pa­ra jo­gar, e tal co­mo dis­se­mos no co­me­ço, o 1º de Agos­to ape­nas fa­ci­li­tou as ma­te­má­ti­cas e o Petro com­pli­cou-as. Is­to não sig­ni­fi­ca que um se­ja já cam­peão e o ou­tro te­nha jo­ga­do a to­a­lha ao ta­pe­te. Há mui­ta dis­pu­ta pe­la fren­te, e o Petro po­de mui­to bem re­cu­pe­rar ter­re­no e ir atrás do seu ob­jec­ti­vo.

Se­rá, de res­to, uma ques­tão de re­ver bem o que te­rá es­ta­do mal na pri­mei­ra vol­ta e acer­tar os de­ta­lhes, pa­ra um ata­que mais efi­caz e acer­ta­do na se­gun­da vol­ta. A equi­pa pos­sui ar­gu­men­tos su­fi­ci­en­tes, pa­ra su­pe­rar even­tu­ais di­fi­cul­da­des que ve­nha en­con­trar pe­la fren­te. Em ter­mos de plan­tel tem bons va­lo­res in­di­vi­du­ais. É uma ques­tão de sa­ber ge­rir a cri­se e lá po­de che­gar...

Com a vi­tó­ria sá­ba­do úl­ti­mo, so­bre o seu prin­ci­pal con­cor­ren­te, po­de­mos di­zer que o 1º de Agos­to deu uma boa ca­val­ga­da na sua in­gen­te ba­ta­lha pe­la re­va­li­da­ção do tí­tu­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.