Ecos do D’Agos­to-Petro e...o con­tro­lo por GPS

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - ANTÓNIO FÉLIX

Um co­le­ga, que até é meu ami­go, fo­ri­pun­do , por­que é pe­tro­lí­fe­ro de ge­ma, es­cre­veu nas re­des so­ci­ais que nes­te úl­ti­mo 1º Agos­to-Petro de Lu­an­da, o ár­bi­tro João Ngo­ma "me­teu água". Por­que, no seu en­ten­der, dei­xou de as­si­na­lar uma fal­ta. Acha que to­dos vi­ram com olhos de ver...Dany Mas­sun­gu­na so­bre o Vá. E que, se as­sim não fos­se, de ou­tra ma­nei­ra a his­tó­ria do jo­gol se­ria. Mas, is­to é ver­da­de ou men­ti­ra? É que até a mi­nis­tra dos Des­por­tos , Ana Pau­la do Sa­cra­men­to, dis­se que hou­ve “fair play” e o pró­prio Be­to Bi­an­chi acei­tou a der­ro­ta, ser­vi­da com a que­le tem­pe­ra­do fran­go o guar­da-re­des pe­tro­lí­fe­ro.

Mas, en­fim, a ques­tão, es­sa, dei­xoa no ar, por­que dois ou­tros as­sun­tos trou­xe­ram-me ho­je a es­te es­pa­ço. Pri­mei­ro, é so­bre a fra­ca aná­li­se dos nos­sos jo­gos de fu­te­bol”ver­sus" tec­no­lo­gi­as nas equi­pas.

Acho que, ho­je em dia, mui­tas das nos­sas no Girabola ZAP an­dam per­di­das: ti­ran­do uma ou ou­tra, te­mos as que for­çam a adap­ta­ção.Vá­ri­as con­ti­nu­am lon­ge das tec­no­lo­gi­as mo­der­nas e, ou­tras per­sis­tem ain­da no mé­to­do tra­di­ci­o­nal, po­rém, sem a ma­gia dos ou­tros tem­pos. Es­tão, di­ga­mos, a jo­gar no "cam­po ru­di­men­tar".

En­tão, de­fen­do eu que, ago­ra que ter­mi­nou a pri­mei­ra vol­ta, um dos as­pec­tos par­ti­cu­la­res que co­lo­co é o se­guin­te: es­te ano e, nos an­te­ri­o­res, quan­tas equi­pas, por exem­plo, adop­ta­ram a mo­der­na abor­da­gem de uso de tec­no­lo­gia e da cri­a­ção de ban­cos de da­dos, in­cluin­do trei­no e jo­gos mo­ni­to­ra­dos por GPS?

Ho­je, is­to já se vê; já se as­sis­te pe­lo mun­do fo­ra. É tão pre­men­te, mui­to pre­men­te mes­mo, so­bre­tu­do "nes­ta era" em que o fu­te­bol, por ne­ces­si­da­de, tor­nou-se um ne­gó­cio, um em­pre­en­di­men­to eco­nó­mi­co!

A fer­ra­men­ta di­gi­tal, ao lon­go dos anos, no fu­te­bol, tor­nou-se uma im­por­tan­te ques­tão es­tra­té­gi­ca, até mes­mo pa­ra a fe­de­ra­ção, que pre­ci­sa da aná­li­se nu­mé­ri­ca do cam­pe­o­na­to.

Meu se­gun­do as­sun­to é o se­guin­te: te­mos to­dos, mas to­dos mes­mo, de fa­zer va­ler um for­te tra­ba­lho, que fa­ça ema­nar da fe­de­ra­ção, na se­gun­da vol­ta do nos­so Girabola ZAP, quan­to à vi­gi­lân­cia a mui­tos jo­ga­do­res estrangeiros co­mo re­for­ços das equi­pas.

Na se­gun­da vol­ta , o meu de­se­jo é que ha­ja já um acom­pa­nha­men­to ri­go­ro­so, não só da im­pren­sa e dos adep­tos, mas, tam­bém, de ou­tras ins­ti­tui­ções/ ór­gãos in­te­res­sa­das nos “efei­tos co­la­te­rais”, que a pro­va dei­xa à vis­ta, al­gu­mas ve­zes até a pre­o­cu­pa­rem as au­to­ri­da­des po­lí­ti­cas do nos­so por­ten­to­so país. Na on­da na "Ope­ra­ção Res­ga­te” o nos­so Cam­pe­o­na­to tem gen­te boa?

A mi­nha po­si­ção - xe­no­fo­bia à par­te é que tem de se es­tan­car o in­gres­so de jo­ga­do­res estrangeiros de for­ma frau­du­len­ta em al­gu­mas das nos­sas equi­pas. Es­tá por ar­ran­car a se­gun­da vol­ta e a pre­o­cu­pa­ção não é só mi­nha; não é no­va.

E, se dú­vi­da hou­ver, pos­so aqui re­cor­dar o que há anos, nas ves­tes de Mi­nis­tro do In­te­ri­or, Ân­ge­lo da Vei­ga Ta­va­res, dis­se, al­go co­mo "co­lo­car de­do fe­ri­da".

Es­ta al­ta au­to­ri­da­de ti­nha, a seu tem­po, “avi­sa­do” aos di­ri­gen­tes da nos­sa fe­de­ra­ção, e das equi­pas, que se­ri­am le­va­dos à Jus­ti­ça to­dos aque­les que fa­ci­li­tas­sem ou fa­ci­li­tam a atri­bui­ção ile­gal de ci­da­da­nia an­go­la­na a atletas estrangeiros.

E, ve­jam, es­te avi­so ti­nha si­do fei­to num Con­se­lho Con­sul­ti­vo Alar­ga­do Con­jun­to da De­le­ga­ção Pro­vin­ci­al de Lu­an­da do Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or e do Co­man­do Pro­vin­ci­al da Po­li­cia Na­ci­o­nal, on­de lem­brou à fe­de­ra­ção e aos clu­bes que é(ra) ne­ces­sá­rio a ob­ser­va­ção dos prin­cí­pi­os le­gal­men­te es­ta­be­le­ci­dos.

Por­tan­to, tal cons­ti­tuí, e ain­da é, si­nal de que há jo­ga­do­res ex­pa­tri­a­dos no nos­so "as­so­ci­a­ti­on", que be­ne­fi­ci­am de do­cu­men­tos frau­du­len­tos de an­go­la­nos, pa­ra jo­ga­rem no nos­so cam­pe­o­na­to. Is­to, por si só, é mo­ti­vo pa­ra que se­jam ac­ci­o­na­dos me­ca­nis­mo le­gais, no sen­ti­do de se res­pon­sa­bi­li­za­rem os in­frac­to­res, ci­vil e cri­mi­nal­men­te.

No meu se­gun­do pon­to de ho­je, dei­xa-me di­zer que, de­vi­do à po­bre­za dos es­pec­tá­cu­los nos jo­gos do nos­so cam­pe­o­na­to, mui­tas ve­zes por fal­ta de da­dos que me­xam com os adep­tos em ani­ma­das dis­cus­sões - e tam­bém aos di­ri­gen­tes, trei­na­do­res, en­fim - ape­lo pa­ra que as nos­sas equi­pas es­te­jam aten­tas a tu­do o que já acon­te­ce em to­do o mun­do, com o ad­ven­to da aná­li­se di­gi­tal dos jo­gos.

E is­to porquê? Por­que o des­por­to no ge­ral, e o fu­te­bol em par­ti­cu­lar, ho­je tor­na­ram-se nu­ma ci­ên­cia. E, na sequên­cia dis­so, es­sa evo­lu­ção de­ve ser in­te­ri­o­ri­za­da pe­los trei­na­do­res, jo­ga­do­res, di­ri­gen­tes e mes­mo pe­los jor­na­lis­tas.

Eu que, nou­tro tem­po, já vi­brei co­mo mui­tos da mi­nha ge­ra­ção, com o es­pec­tá­cu­lo do jo­go da bo­la de en­cher olhos, ape­lo aqui pa­ra um ri­go­ro­so res­ga­te à adop­ção de mé­to­dos e prá­ti­cas mo­der­nas, no sen­ti­do do nos­so cam­pe­o­na­to ter ou­tra "vi­ta­mi­na", que fa­ça vi­brar o pú­bli­co.

Em boa ver­da­de, é ne­ces­sá­rio “ado­çar” mais os jo­gos, o cam­pe­o­na­to. Não é em vão que os nos­sos es­tá­di­os ho­je an­dam às mos­cas, se com­pa­ra­dos com as dé­ca­das de se­ten­ta e oi­ten­ta.

KINDALA MANUEL| EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.