OBRIGADO A VENCER

PETRO RECEBE QUARTA-FEIRA O GOR MAHIA DO QUÉNIA

Jornal dos Desportos - - PORTADA - BETUMELEANO FERRÃO

O Petro de Lu­an­da de­fron­ta quarta-feira, às 16h00, no 11 de No­vem­bro, o Gor Mahia do Quénia, pa­ra a se­gun­da jor­na­da da Ta­ça da Con­fe­de­ra­ção. Tra­ta-se de um de­sa­fio em que a tur­ma an­go­la­na es­tá obri­ga­da a vencer, uma vez que ain­da não pon­tu­ou.

Apre­ci­sar com ur­gên­cia de se agar­rar a tá­bua de re­a­bi­li­ta­ção pa­ra es­ca­par de du­as der­ro­tas se­gui­das, afro­ta­ças e cam­pe­o­na­to, o Petro de Lu­an­da vai ten­tar na quarta-feira, 13, re­a­jus­tar o pas­so em fal­so, on­de tu­do co­me­çou. A bem da ver­da­de, a re­cep­ção ao Gor Mahia FC do Quénia, 16h00, no 11 de No­vem­bro, é um de­sa­fio e tan­to pa­ra os tri­co­lo­res, é mes­mo pa­ra vencer ou vencer, por­que a Ta­ça da Con­fe­de­ra­ção vai fa­zer dis­pu­tar a se­gun­da jor­na­da e a equi­pa an­go­la­na ain­da não pon­tu­ou.

Os tri­co­lo­res es­tão sem po­der de efi­cá­cia pa­ra con­se­guir fa­zer ba­lan­çar as re­des ad­ver­sá­ri­as o su­fi­ci­en­te pa­ra so­mar e se­guir. É ver­da­de que os úl­ti­mos jo­gos fo­ram de má me­mó­ria e dei­xa­ram más re­cor­da­ções, mas ago­ra sur­giu a opor­tu­ni­da­de de co­me­çar a fa­zer um no­vo co­me­ço, es­cre­ver uma no­va his­tó­ria de vi­tó­ri­as, que vai exi­gir uma re­no­va­da ati­tu­de com­pe­ti­ti­va.

A pres­são de vencer au­men­tou no mo­men­to exac­to pa­ra o Petro de Lu­an­da, os tri­co­lo­res es­tão sob obri­ga­ção de le­van­tar a ca­be­ça pa­ra pro­var que não foi no meio da emo­ção que de­ci­di­ram acei­tar o de­sa­fio de com­pe­tir nas du­as pro­vas em que es­tão en­ga­ja­dos. Fi­ca cla­ro que os maus re­sul­ta­dos me­xe­ram com a con­fi­an­ça da equi­pa, mas co­mo es­ta não é a pri­mei­ra vez na tem­po­ra­da em que foi ne­ces­sá­rio re­a­gir, olhar pa­ra o pas­sa­do po­de dar a so­lu­ção pa­ra in­ver­ter a ten­dên­cia ac­tu­al.

Os tri­co­lo­res ain­da es­tão lon­ge de es­tar pre­sos por ara­mes, mas a ne­ces­si­da­de de cau­te­la po­de tu­do me­nos se trans­for­mar num far­do adi­ci­o­nal ca­paz de es­tor­var o que se pre­ten­de con­tra o Gor Mahia. A fa­se ac­tu­al re­al­men­te não é a ide­al pa­ra ob­ter tu­do o que se pre­ten­de, mas es­ta é a ho­ra do Petro re­vol­tar-se com a si­tu­a­ção a fim de se co­lo­car em pé de igual­da­de com o seu ad­ver­sá­rio, que na jor­na­da inau­gu­ral sur­pre­en­deu o con­ti­nen­te com a ro­bus­ta vi­tó­ria so­bre o his­tó­ri­co Za­ma­lek do Egip­to, 4-2.

Mes­mo sem os ín­di­ces mo­ti­va­ci­o­nais ide­ais, pa­ra trans­for­mar o seu que­rer em po­der, o Petro de Lu­an­da po­de apren­der al­gu­ma coi­sa com o pre­sen­te amar­go, so­bre­tu­do de­pois do que acon­te­ceu sá­ba­do no clás­si­co com o 1º de Agos­to. Ter mais pos­se de bo­la e ata­car mais, são re­qui­si­tos a pre­en­cher pa­ra quem am­bi­ci­o­na ga­nhar, mas ne­nhum de­les é mais im­por­tan­te do que o go­lo que, co­mo se viu con­tra o ri­val, até po­de nas­cer de um lan­ce que pa­re­ce ino­fen­si­vo, o que con­ta é ten­tar de to­dos os mo­dos e fei­ti­os.

M. MACHANGNGO | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Petro de Lu­an­da de­fron­ta na quarta-feira em Lu­an­da o Gor Mahia do Quénia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.