MILITARES ISOLADOS NA LIDERANÇA

A vi­tó­ria saiu dos pés de Dany Mas­sun­gu­na aos 39 mi­nu­tos por fa­lha do guar­da-re­des dos tri­co­lo­res

Jornal dos Desportos - - PORTADA - JORGE NETO JORGE NETO

Fran­go, go­lo, bo­la ao pos­te, re­cla­ma­ção de gran­de pe­na­li­da­de, dri­bles, fa­lhan­ços com a ba­li­za aber­ta e mui­ta fes­ta nas ban­ca­das, foi o que se viu no clás­si­co dos clás­si­cos do fu­te­bol na­ci­o­nal, que ter­mi­nou com a vi­tó­ria do 1º de Agos­to so­bre o Petro de Lu­an­da pe­lo re­sul­ta­do mí­ni­mo, mas mo­ti­va­dor pa­ra os militares, que con­ser­va­ram a liderança no Girabola ZAP.

Quan­do ti­rou a bo­la ain­da na zo­na do meio cam­po, evi­tan­do que Vá che­gas­se a ela, cer­ta­men­te que Dany Mas­sun­gu­na não ima­gi­nou que da­ria em go­lo, be­ne­fi­ci­an­do das mãos es­cor­re­ga­di­as do guar­da-re­des Ger­son, que ter­mi­nou o jo­go de sá­ba­do com­ple­men­te de­so­la­do.

Os pe­tro­lí­fe­ros fo­ram os pri­mei­ros a re­ma­tar, nu­ma jo­ga­da de en­ten­di­men­to en­tre To­ni e Ti­a­go Azu­lão, mas a bo­la saiu ao la­do da ba­li­za de Tony Ca­ba­ça.

Nel­son da Luz mos­trou tam­bém que es­ta­va pre­sen­te no iní­cio do jo­go, ti­rou dois ad­ver­sá­ri­os do ca­mi­nho e mes­mo sen­do agar­ra­do pe­la ca­mi­so­la, se­guiu em fren­te até a bo­la per­der-se pe­la li­nha do fun­do, sob o olhar pas­si­vo do ár­bi­tro João Go­ma.

Ma­bu­lu­lu en­trou na fes­ta e do clás­si­co, aos 15´ten­do des­per­di­ça­do uma fla­gran­te opor­tu­ni­da­de de go­lo, com a ba­li­za aber­ta ati­rou pa­ra ci­ma, pa­ra o es­pan­to de to­dos os adep­tos pre­sen­tes no es­tá­dio 11 de No­vem­bro.

Os pe­tro­lí­fe­ros res­pon­de­ram aos 20´, com uma ca­be­ça­da de Vá, que se ti­ves­se a di­rec­ção cer­ta inau­gu­ra­ria o mar­ca­dor pa­ra a tur­ma de Be­to Bi­an­chi. Ape­sar de te­rem me­nos pos­se de bo­la, os tri­co­lo­res con­se­gui­ram cri­ar mais pe­ri­go a ba­li­za de Tony Ca­ba­ça.

O jo­go da­va si­nal mais pa­ra os militares, que cri­a­ram um mai­or flu­xo de jo­ga­das ofen­si­vas e só não mar­ca­ram de­vi­do a fal­ta de efi­cá­cia. Fo­ram vá­ri­os os re­ma­ta­do­res, Nel­son da Luz, Ma­bu­lu­lu, Mon­go e Pai­zo.

Am­bas equi­pas mo­vi­men­ta­vam-se bem no jo­go, os militares com mai­or pos­se de bo­la, en­quan­to os pe­tro­lí­fe­ros, com um fu­te­bol mais prag­má­ti­co, fa­zi­am che­gar o es­fé­ri­co o mais rá­pi­do pos­sí­vel a ba­li­za ad­ver­sá­ria.

O go­lo sur­giu aos 39´, por Dany Mas­sun­gu­na, que be­ne­fi­ci­ou de um "fran­go" do guar­da-re­des Ger­son, que dei­xou es­ca­par a bo­la das su­as mãos, quan­do, apa­ren­te­men­te, ti­nha a si­tu­a­ção con­tro­la­da. Os "ka­ra­gós" fes­te­ja­ram nas ban­ca­das.

Na res­pos­ta, aos 44´, os tri­co­lo­res qua­se che­ga­vam ao em­pa­te, mas Tony não te­ve ar­te pa­ra "ba­ter" Tony Ca­ba­ça, num fren­te a fren­te. Foi uma si­tu­a­ção cla­ra de pe­ri­go emi­nen­te, mas o guar­da­re­des agos­ti­no mos­trou, mais uma vez, as su­as cre­den­ci­ais.

Os militares fo­ram ao in­ter­va­lo com uma ma­gra van­ta­gem, mas su­fi­ci­en­te pa­ra en­ca­rar com mai­or con­fi­an­ça o se­gun­do tem­po, que se an­te­via de gran­de in­ten­si­da­de e de­ci­si­vo pa­ra o re­sul­ta­do final.

No se­gun­do tem­po, Dra­gan Jo­vic foi o pri­mei­ro a me­xer no seu xa­drez, com a saí­da de Mon­go e a en­tra­da de Buá, nu­ma cla­ra in­ten­ção de dar mai­or con­sis­tên­cia ao meio cam­po, já que o con­go­lês de­mo­crá­ti­co não es­te­ve nos seus di­as. Mi­nu­tos de­pois en­trou Jac­ques pa­ra o lu­gar de Ma­bu­lu­lu, de mo­dos a re­fres­car o ata­que.

Mais tar­de foi a vez de Be­to Bi­an­chi al­te­rar as su­as pe­ças, mas com pou­co re­sul­ta­do prá­ti­co, já que as saí­das de Man­gu­xi e Job, pa­ra as en­tra­das de Car­li­nhos e Ma­teus, não trou­xe­ram na­da de no­vo, além de um cru­za­men­to do pri­mei­ro, que em­ba­teu no pos­te de­fen­di­do por Tony Ca­be­ça, já nos des­con­tos de tem­po, com al­gu­mas cul­pas pa­ra o guar­da-re­des mi­li­tar, que foi traí­do pe­lo gol­pe de vis­ta.

O "pe­que­no" Vá deu mui­to nas vis­tas, tra­vou for­tes du­e­los com os al­tos cen­trais agos­ti­nos, Dany Mas­sun­gu­na e Bo­bó, ten­do le­va­do a me­lhor em al­guns lan­ces e per­deu ou­tros, mas sem­pre mui­to mais in­ter­ven­ti­vo do que Ti­a­go Azu­lão, que ia apa­re­cen­do de for­ma es­po­rá­di­ca. Ain­da as­sim com sen­ti­do de ba­li­za.

O tem­po pas­sou e os tri­co­lo­res não con­se­gui­ram che­gar a igual­da­de, so­man­do mais uma der­ro­ta na era do téc­ni­co Be­to Bi­an­chi di­an­te dos ar­qui-ri­vais e dan­do mai­or con­fi­an­ça aos tri­cam­peões na­ci­o­nais, que vão aguar­dar pe­los dois jo­gos em atra­so dos pe­tro­lí­fe­ros, pa­ra sa­be­rem se ter­mi­na­rão na liderança iso­la­da do cam­pe­o­na­to, nes­ta pri­mei­ra vol­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.