Jornal dos Desportos : 2019-02-11

FUTEBOL : 6 : 06

FUTEBOL

FUTEBOL Segunda-feira 11 de Fevereiro de 2019 CRISE NO ASA SAMBILAS SEM FORÇA Atletas fixam residência no clube Teixeira lamenta fraco apoio dos adeptos sentir o calor da massa apoiante. Eles são parte fundamental do percurso que iremos ter. Deste modo, apelamos para uma grande dedicação, por parte da massa associativa e do nosso lado vamos procurar retribuir com boas exibições, futebol de qualidade e vitórias", disse. Hélder Teixeira acrescentou que, "vamos tentar que tudo seja bom para todos nós, a fim de A conquista da Taça de Angola na temporada de 1996, sob comando técnico de Joaquim Dinis, constitui a grande conquista do Progresso Sambizanga no futebol nacional, onde os sambilas têm grande tradição e responsabilidade. Aliás, o clube, em anos idos, arrastou multidões aos campos de futebol, o que não acontece nos dias de hoje, tal como lamentou o seu treinador Hélder Teixeira. “Lamentamos o fraco apoio dos nossos adeptos nos campos de futebol, quando estamos a jogar. Temos visto apenas um pequeno grupo de adeptos, o que não é bom para os jogadores, pois este precisam de muito incentivo", desabafou. Para Hélder Teixeira, o apoio incondicional dos adeptos é bastante importante, para ajudar a equipa a atingir os seus objectivos. “De forma a alcançarmos os objectivos, é importante o apoio dos sócios e dos adeptos do clube, pois é fundamental o grupo chegarmos ao objectivo no final da temporada, ou seja, conquistar uma posição airosa no campeonato”, afirmou. O treinador sambila pediu aos adeptos que “continuem determinados em apoiar a equipa, para que os atletas se sintam mais entusiasmados com aquilo que foi feito até agora e, com isso, manter o percurso de ascensão. A crise que a equipa principal de futebol do Atlético Sport Aviação (ASA) atravessa, pode conhecer contornos mais graves nos próximos dias. A greve que se assiste há uma semana, com a paralisação dos trabalhos por motivos salariais e não pagamento de prémio de jogos da época passada fez, inclusive, com que alguns atletas, devido as dificuldades, fixassem residência no clube. De acordo com uma fonte do clube aviador, a crise no clube vem-se agudizando cada vez mais, ao ponto de a equipa viajar com um grupo reduzido, a pretexto de falta de condições para compra de bilhetes de passagem. “É muito triste quando uma equipa do perfil do ASA, viaja apenas com 11 ou 13 atletas, e nem sequer um técnico-adjunto, alegando falta de verbas. É mau o que se passa no ASA, visto que os atletas têm famílias para sustentar, pagar rendas de casa e outras despesas”, asseverou. A fonte adiantou que os momentos difíceis por que passam os atletas, levou mesmo alguns jogadores a fazerem do clube a sua moradia e aponta como exemplo, o avançado Wilson, lesionado durante a disputa da Segundona, o médio Messias e outros que acabaram mesmo por fixar residência na agremiação. De acordo com a fonte, no final de cada jogo, os atletas regressam às suas casas de boleia ou mesmo a pé, o que levou a equipa a pedir encontros com a direcção, tendo afirmado que esta escuda-se de comparecer nos dias combinados. O técnico principal da equipa, José Dinis, lamenta a situação e diz que o dialogo é o melhor caminho, para solução da questão. AU MANUEL NETO

© PressReader. All rights reserved.