“Fa­zer um ves­ti­do de noi­va é tra­ba­lhar com o so­nho da cli­en­te”

Super Fashion - - Moda - MA­RIA SAN­TOS

Co­mo é que as noi­vas sur­gi­ram no seu pro­je­to pro­fis­si­o­nal? Sem­pre fui mui­to apai­xo­na­do por al­ta-cos­tu­ra. O iní­cio do meu tra­ba­lho foi mui­to li­ga­do a is­so, a rou­pas por me­di­da, por­que a mi­nha mãe é cos­tu­rei­ra, e co­me­cei a aju­dá-la. As cli­en­tes que­ri­am coi­sas ex­clu­si­vas e nes­sa al­tu­ra a mi­nha mãe já fa­zia noi­vas. Acho que o pon­to al­to de um ves­ti­do ex­clu­si­vo é mes­mo o ves­ti­do de noi­va, por vá­ri­os mo­ti­vos. Pri­mei­ro por­que o va­lor que se pa­ga por um ves­ti­do de noi­va é um va­lor que nos per­mi­te vo­ar a ní­vel cri­a­ti­vo, usar­mos do nos­so tem­po e dos materiais que nor­mal­men­te te­mos guar­da­dos por­que são mais ca­ros - as pe­dras, as ren­das, os bor­da­dos. Em se­gun­do lu­gar, é por­que nor­mal­men­te o úni­co pon­to al­to que te­mos pa­ra brin­car des­ta for­ma é quan­do fa­ze­mos as co­le­ções de al­ta cos­tu­ra ou quan­do fa­ze­mos o ves­ti­do de fe­cho do des­fi­le. Fa­zer um ves­ti­do de noi­va é tra­ba­lhar com o so­nho da cli­en­te, nes­tes ca­sos a fa­mí­lia, o amor, o noi­vo... Es­te con­ta­to com a cli­en­te é a coi­sa que eu mais gos­to, por­que sou apai­xo­na­do por re­la­ções hu­ma­nas. As noi­vas tra­zem sem­pre mui­to amor e es­pe­ran­ça. Há sem­pre aque­las que são apai­xo­na­das pe­lo meu tra­ba­lho e que já são cli­en­tes da ca­sa e não abrem mão que se­ja eu a fa­zer os ves­ti­dos. Há ca­sos de cli­en­tes que já só eu a fa­zer os ves­ti­dos da fi­lha mais ve­lha, e de­pois fiz da ou­tra fi­lha e de­pois fiz da ou­tra e fa­ço os bap­ti­za­dos, fa­ço os cris­mas... Que ti­po de cli­en­te é que tem em An­go­la? É uma cli­en­te­la de clas­se mé­dia e mé­dia/al­ta e são na mai­o­ria mu­lhe­res que pri­mam pe­lo bom gos­to, con­for­to e ex­clu­si­vi­da­de. Al­gu­mas de­las são ce­le­bri­da­des, pes­so­as co­nhe­ci­das, ou­tras nem por is­so, mas que têm sem­pre cui­da­do com a for­ma co­mo apa­re­cem. São mu­lhe­res dos 30 aos 70 anos. De­ve ao fac­to da sua mãe ser cos­tu­rei­ra a sua pai­xão por mo­da?

Tai­bo Ba­car é, aos 30 anos, o es­ti­lis­ta que le­va o no­me de Mo­çam­bi­que além fron­tei­ras. Em An­go­la pa­ra fa­zer uma pro­va de noi­vas, o de­sig­ner re­ve­lou-se um ex­ce­len­te con­ver­sa­dor nes­ta en­tre­vis­ta à Su­per Fashi­on. Diz que a sua prin­ci­pal vir­tu­de é amar o pró­xi­mo e o egoís­mo o seu

de­fei­to. Uma con­ver­sa so­bre noi­vas... e mui­to mais

Tal­vez pai­xão por mo­da não, mas o en­vol­vi­men­to na­qui­lo que é a mo­da no seu re­a­lis­mo, no efec­ti­var da con­fec­ção, nas téc­ni­cas, no cor­te e cos­tu­ra. Tu­do is­to apren­di com a mi­nha mãe e acho que o equi­lí­brio de to­dos com­po­nen­tes que en­vol­vem a mo­da vêm de­la por­que sem­pre fez ques­tão que eu fos­se mui­to cer­ti­nho em re­la­ção a ti­mings, tem­pos de en­tre­ga... Uma das ca­rac­te­rís­ti­cas dos seus ves­ti­dos é a de­fi­ni­ção da si­lhu­e­ta fe­mi­ni­na. Nas noi­vas is­so tam­bém se man­tém? Sim, por­que tu­do o que crio tem um bo­ca­di­nho de mim, te­nho que co­lo­car qual­quer coi­sa que iden­ti­fi­que que se­ja Tai­bo Ba­car. Quan­do as cli­en­tes me pro­cu­ram é por­que já se iden­ti­fi­cam com meu tra­ço. Sen­do noi­va ou não, o que elas que­rem é mes­mo es­ta de­fi­ni­ção da si­lhu­e­ta, es­ta va­lo­ri­za­ção do ser mu­lher. E é aí que há es­te equi­lí­brio en­tre aqui­lo que é o Tai­bo Ba­car fa­ze­dor e o con­su­mi­dor. Quan­do cria um ves­ti­do de noi­va, é mais tra­di­ci­o­nal ou mais cri­a­ti­vo? Ado­ro cor­tes clás­si­cos, in­de­pen­den­te­men­te de va­lo­ri­zar ou não a si­lhu­e­ta, ado­ro es­ta par­ti­cu­la­ri­da­de de man­ter o en­can­to de ser fe­mi­ni­no, sem ser vul­gar. Sou apai­xo­na­do por Va­len­ti­nos, por Jacqueline Ken­nedy... Vi­vo nes­tes so­nhos, vi­vo nes­te am­bi­en­te e é is­so que eu con­su­mo to­dos os di­as. Ten­to sem­pre man­ter o clás­si­co e há uma coi­sa de que não abro mão in­de­pen­den­te­men­te do ti­po de ves­ti­do, que é o véu. É uma oca­sião úni­ca. Re­pre­sen­ta o ro­man­tis­mo, a en­tre­ga e re­pre­sen­te tam­bém, de cer­ta for­ma, um con­ta­to mui­to gran­de, tro­ca de ca­ri­nho en­tre o noi­vo e a noi­va. En­tão não abro mão de cons­truir es­ta his­tó­ria e po­der ofe­re­cer is­to às mi­nhas cli­en­tes. O ves­ti­do de noi­va tem de ser sem­pre bran­co? Nor­mal­men­te não tra­ba­lho com bran­co ne­ve, tra­ba­lho mui­to mais com bran­co su­jo, com pérolas e mar­fim. A cor que mais uso é o

bran­co su­jo, os pe­ro­la­dos e cham­pa­nhes. Não acon­se­lho ne­nhu­ma noi­va a usar es­sa cor... Pa­ra te­rem no­ção, eu não te­nho bran­co ne­ve no ate­li­er, se apa­re­ces­se al­gu­ma cli­en­te que fi­zes­se ques­tão de o usar, te­ria que fa­zer uma en­co­men­da de ma­té­ri­as... Pro­cu­ra sa­ber um pou­co da his­tó­ria do ca­sal pa­ra fa­zer os ves­ti­dos? Sou mui­to li­ga­do à psi­co­lo­gia e à so­ci­o­lo­gia, são dois cur­sos que ain­da vou fa­zer. Ado­ro re­la­ções hu­ma­nas, ado­ro con­ver­sar, ado­ro sa­ber... fa­zer rou­pa é uma for­ma que te­nho de me co­mu­ni­car com ou­tra pes­soa e te­nho que en­ten­der to­do es­te uni­ver­so da cli­en­te pa­ra po­der en­trar, prin­ci­pal­men­te por­que nós va­mos di­vi­dir três ou seis me­ses jun­tos, de con­tac­to di­re­to. As noi­vas são mui­to an­si­o­sas e que­rem sem­pre fa­lar, sem­pre li­gar... São me­ses que vi­vo co­mo me­lhor ami­go das cli­en­tes. En­tão te­nho que en­ten­der qu­em são! O que fa­zem, co­mo é que se co­nhe­ce­ram, pa­ra en­ten­der a es­sên­cia. Pre­ci­so sa­ber ho­rá­ri­os, se tem igre­ja, se é só ci­vil, se vai ser no jar­dim ou num es­pa­ço fe­cha­do... Mas o mais im­por­tan­te é sa­ber qual é a cons­ti­tui­ção fa­mi­li­ar, se o pai e a mãe es­tão vi­vos, se vai es­tar o avô, se é pa­ra pou­cas pes­so­as, se é só o noi­vo, quan­tos con­vi­da­dos... Es­ta cons­ti­tui­ção fa­mi­li­ar de­ter­mi­na de cer­ta for­ma o ti­po de ves­ti­do - se va­mos mais por um de prin­ce­sa, se va­mos por um mais es­trei­ti­nho... Es­tas coi­sas to­das e a fi­si­o­no­mia são um con­jun­to de com­po­si­ções imperiosas pa­ra a re­a­li­za­ção de um ves­ti­do de noi­va. De­pois con­ju­ga com o lo­ok do noi­vo? Não, não, mes­mo a ní­vel de va­lo­res! Se o ves­ti­do da noi­va é mais ca­ro, tem mais tra­ba­lho, le­va mui­to mais me­ses a con­fec­ci­o­nar, tem que ser o noi­vo a se­guir a noi­va. As aten­ções es­tão vi­ra­das pa­ra o ves­ti­do da noi­va, o noi­vo tem ape­nas que com­ple­men­tar, tem de ha­ver cum­pli­ci­da­de pa­ra que o noi­vo con­si­ga per­ce­ber que é ele que tem que acom­pa­nhar a noi­va, por­que o ves­ti­do de­la é a com­po­nen­te mais im­por­tan­te des­ta da­ta. Se se ca­sas­se co­mo é que gos­ta­va de se ves­tir? Não sei! Sou uma pes­soa mui­to sim­ples, pre­zo mui­to o con­for­to. Não uso fa­tos, por exem­plo, de­tes­to ca­sa­cos, de­tes­to coi­sas pe­sa­das. Is­so fa­ria com que eu pre­ci­sas­se que o meu ca­sa­men­to fos­se na praia ou no jar­dim, com um li­nho com al­go mais só­brio, mais dis­cre­to ou um te­ci­do mais le­ve. Não sei o que fa­ria com as mi­nhas je­ans, ado­ro cal­ças de gan­ga, e is­so se­ria pa­ra mim um mar­tí­rio... Fez uma par­ce­ria com a Lo­ja das Mei­as. As su­as co­le­ções vão es­tar à ven­da em Por­tu­gal? A Lo­ja das Mei­as abriu ago­ra uma lo­ja em Mo­çam­bi­que. Eles têm co­mo fi­lo­so­fia de tra­ba­lho a va­lo­ri­za­ção do pa­tri­mó­nio cul­tu­ral dos paí­ses pa­ra on­de vão. Já es­tão há mais de cem anos em Lis­boa, têm uma his­tó­ria gran­de, têm o tal li­vro que é a Bí­blia da Lo­ja das Mei­as, de to­das as per­so­na­gens e to­das as pes­so­as do pas­sa­do, co­mo Cris­ti­an Di­or e ou­tros, que ti­ve­ram opor­tu­ni­da­de de as­si­nar. Eu tam­bém ti­ve a opor­tu­ni­da­de de as­si­nar a Bí­blia. A mar­ca Ba­car vai es­tar dis­po­ní­vel em qual­quer pon­to que eles abri­rem. E eu vou con­ti­nu­ar a acom­pa­nhá-los e es­pe­ro que se­ja uma boa par­ce­ria. Tam­bém dei con­ti­nui­da­de à cons­tru­ção dos meus mó­veis, al­go que es­ta­va pa­ra­do. Vem tu­do ao mes­mo tem­po. Da­qui a pou­co os meus mó­veis es­tão à ven­da em to­dos lu­ga­res on­de eu te­nha no­me co­lo­ca­do. Ho­je em dia es­tou a co­me­çar a in­va­dir um bo­ca­do da Chi­na,da Rús­sia, Bra­sil e da Áfri­ca do Sul. São os meus pon­tos e qu­e­ro es­tar lá nos pró­xi­mos anos, tan­to a ní­vel de rou­pa co­mo de­sig­ner e cal­ça­dos e tu­do o que es­ta­mos a lan­çar ago­ra. Lan­çou ócu­los ago­ra? Sim e vou dar con­ti­nui­da­de e con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar com de­sig­ners por­tu­gue­ses na cons­tru­ção de tu­do is­to. Es­tou a tra­ba­lhar com a Ana Amo­rim, uma jo­vem por­tu­gue­sa que faz as pro­pos­tas do cal­ça­do da mar­ca Tai­bo e de­pois há ou­tros que tra­ba­lham com os ócu­los... E par­ce­ri­as com es­ti­lis­tas angolanos es­tá nos seus pla­nos? Nun­ca pen­sei nis­so e acre­di­to que não vou pen­sar pa­ra já. Fiz uma pa­re­cia com a Lo­ja das Mei­as, que já exis­te há mais de cem anos; fiz par­ce­ria com a fá­bri­ca dos mó­veis, que já exis­te há mui­to tem­po. Têm uma his­tó­ria. Sou mui­to no­vo no pa­ta­mar da mo­da, não te­nho mui­to pa­ra ofe­re­cer a qu­em quer que se­ja. Sen­tar-me com um es­ti­lis­ta an­go­la­no nes­te mo­men­to é ter qua­se a ga­ran­tia de um pro­je­to frus­tra­do por­que so­mos os dois mui­to no­vos, ain­da a cor­rer pa­ra a re­a­li­za­ção de mui­tos so­nhos e con­cre­ti­za­ção de mui­tos pro­je­tos. Por­que são du­as mar­cas que ain­da têm que se afir­mar. Eu ain­da não sou nin­guém, sou co­nhe­ci­do em al­guns mer­ca­dos, em par­ti­cu­lar os afri­ca­nos, mas te­nho co­mo slo­gan “Afri­ca to the world”. O mun­do é mui­to gran­de, eu te­nho mui­to que con­quis­tar, te­nho mui­to que dar a co­nhe­cer, mui­ta gen­te ain­da nem faz ideia de qu­em eu sou. Há al­guns no­mes que ad­mi­res? Há no­mes que eu apre­cio, que es­tão a fa­zer tra­ba­lhos bons e que têm mui­ta per­se­ve­ran­ça, mui­ta for­ça de von­ta­de e que ao mes­mo tem­po co­me­çam apre­sen­tar tra­ba­lhos de qua­li­da­de. Pos­so ci­tar al­gu­mas mar­cas de que gos­to, por mo­ti­vos com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes - Fio Ne­gro, So­raya da Pi­e­da­de e Na­dir Tati. An­tes de en­ve­re­da­res pe­lo mun­do da mo­da, es­tu­das­te tec­no­lo­gia de in­for­ma­ção e ges­tão de em­pre­sas. Quan­do é que de­ci­dis­te que qu­e­ri­as mes­mo ser de­sig­ner? Ti­ve al­guns pro­ble­mas co­mo to­do jo­vem tem, que são as de­ci­sões to­ma­das com os pais. O meu pai que­ria que eu fi­zes­se um cur­so viá­vel, eu sem­pre quis ir pa­ra fo­ra es­tu­dar ar­tes. Mas o meu pai di­zia “não por­que não” e que te­ria de es­tu­dar em Mo­çam­bi­que, on­de não ha­via uni­ver­si­da­de de ar­tes. Co­mo eu tam­bém era apai­xo­na­do por tec­no­lo­gia, e sou até ago­ra, con­cor­ri mas ao fim do se­gun­do ano

vi que era com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te da­qui­lo que ti­nha na ca­be­ça e de­sis­ti. Co­me­cei a fa­zer ad­mi­nis­tra­ção e ges­tão em­pre­sa­ri­al. E até sou apai­xo­na­do por is­so, por­que sou um lí­der aci­ma de tu­do e aju­da-me mui­to, prin­ci­pal­men­te no ate­li­er on­de te­nho mais de quin­ze pes­so­as a tra­ba­lhar e te­nho de ad­mi­nis­trar um pe­que­no im­pé­rio. Te­nho ou­tros cur­sos, cor­te cos­tu­ra, de­se­nho de mo­da, mas são cur­sos pe­que­nos, fei­tos em pe­que­nas aca­de­mi­as. Sou mui­to fe­liz. És um ho­mem re­a­li­za­do? Sou, sou. Quan­do ima­gi­no coi­sas que qu­e­ro cons­truir, acre­di­to que es­tou mui­to mais for­te pa­ra cor­rer atrás. Há mui­tos pro­je­tos que ain­da qu­e­ro re­a­li­zar, mas acre­di­to que es­tou pre­pa­ra­do por­que sei que te­nho mui­to pa­ra apren­der de ou­tras pes­so­as e te­nho mui­to pa­ra en­si­nar e es­tou pre­pa­ra­do so­bre­tu­do por­que sou um cam­po fér­til e qual­quer coi­sa que se jo­gar nes­te cam­po vai de cer­ta for­ma for­ti­fi­car, cres­cer de for­ma sau­dá­vel. Diz-nos um so­nho por re­a­li­zar? Qu­e­ro abrir pe­lo me­nos du­as lo­jas fo­ra de Mo­çam­bi­que, qu­e­ro ex­pan­dir a mar­ca Tai­bo Ba­car a ní­vel do pron­to a ves­tir, qu­e­ro ter a sen­sa­ção de an­dar nas ru­as e ver gen­te a ves­ti-la. Tens es­ta­do a tra­ba­lhar só pa­ra as eli­tes? Sim. Qu­e­ro que as pes­so­as vis­tam pe­lo pro­du­to e não pe­la pes­soa, qu­e­ro que as pes­so­as dei­xem de ter con­ta­to com o es­ti­lis­tas e pas­sem a ter con­ta­to com a mar­ca e com pro­du­to. Por­que tu di­zes ‘uau cri­ei um pro­du­to que es­ta a ser usa­do, cri­ei um pro­du­to que es­ta a ter su­ces­so!’, e fi­ca aque­la coi­sa ‘eu sou um su­ces­so’. Não te­nho ideia de ser um su­ces­so, qu­e­ro con­ti­nu­ar na mi­nha sim­pli­ci­da­de, qu­e­ro con­ti­nu­ar a amar os meus, sem ter ne­ces­sa­ri­a­men­te o pe­so de qu­em sou na so­ci­e­da­de. Que re­la­ção é que os moçambicanos têm com a mo­da? Mo­çam­bi­que é um país mui­to hu­mil­de e há hu­mil­da­de em tu­do, até os ri­cos têm cer­tos cui­da­dos quan­do se tra­ta de apa­re­cer ou de con­su­mir al­gu­mas coi­sas. As pes­so­as lo­gi­ca­men­te tra­ba­lham e con­quis­tam po­der fi­nan- cei­ro pa­ra po­der usar, mas são mui­to mais con­tro­la­dos e is­so faz com que ha­ja um cui­da­do no con­su­mo e não os­ten­tem tan­to. Mas os moçambicanos que­rem es­tar apre­sen­ta­dos, mas não são mui­to se­gui­do­res de tendências, são mui­to mais con­ser­va­do­res, mais sim­ples. Não são pes­so­as mui­to li­ga­das à mo­da ne­ces­sa­ri­a­men­te, mas são mui­to li­ga­das ao con­for­to e bem- es­tar. É ver­da­de que as­si­nas­te um ves­ti­do de noi­va da fi­lha do pre­si­den­te Gu­e­bu­za? É ver­da­de, sim! Foi al­go mui­to bo­ni­to, em par­ti­cu­lar pe­la pes­soa que ela é. Exis­te uma coi­sa mui­to pe­sa­da e mui­to gran­de co­lo­ca­da so­bre o no­me Valentina Gu­e­bu­za, por­que ela é em­pre­sá­ria e o po­vo co­bra mui­to dis­so, en­tão ela é mui­to sé­ria. As pes­so­as co­lo­ca­ram ain­da mui­to mais se­ri­e­da­de em ci­ma da mu­lher e es­que­cem-se que a Valentina é jo­vem, que é mu­lher-me­ni­na, é fi­lha, é so­bri­nha, é pri­ma, é ir­mã... Ti­ve opor­tu­ni­da­de de con­vi­ver com ela nes­se pe­río­do e co­nhe­ci uma pes­soa es­pe­ta­cu­lar. Foi al­go mui­to gran­de pa­ra mim por­que to­dos os moçambicanos es­ta­vam com os olhos em ci­ma. Foi al­go mui­to den­tro da­qui­lo que é a Valentina Gu­e­bu­za na sua sim­pli­ci­da­de, na sua for­ma su­per dis­cre­ta de es­tar. Al­guns acha­ram que es­ta­va “uau!”, ou­tros que não... Ela es­ta­va fe­liz e den­tro da­que­le ves­ti­do ha­via pon­tos mui­to al­tos, pon­tos mais me­di­a­nos, mas acre­di­to que no fi­nal fo­mos to­dos mui­to fe­li­zes na exe­cu­ção des­te tra­ba­lho. O quê que é pa­ra si ser Su­per Fashi­on? Acre­di­to que é o equi­lí­brio en­tre o que te­mos den­tro e o que te­mos fo­ra. Quan­do di­go fo­ra, fa­lo de rou­pa por­que ves­ti­mos de cer­ta for­ma pa­ra po­der apa­re­cer, é co­mo se su­pri­mís­se­mos as nos­sas ca­rên­ci­as. O que te­mos den­tro são mes­mo as nos­sas ca­rên­ci­as, são mes­mo es­tas for­mas que nós te­mos de me­xer com as emo­ções.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.