As úl­ti­mas ten­dên­cais em ca­be­los pa­ra noi­vas

Super Fashion - - Beleza - MA­RIA SAN­TOS

Fa­la­re­mos aqui so­bre as no­vas tendências no que diz res­pei­to a pen­te­a­dos de noi­vas, e que as­sim co­mo no res­to das co­lec­ções ele­ge os lo­oks vin­ta­ge, hip­pie e boho-chic, com re­cur­so a tran­ças ou flo­res. Es­te “bo­om” de noi­vas ins­pi­ra le­ve­za, na­tu­re­za e de­ta­lhes mui­to ori­gi­nais. As co­ro­as de flo­res e ti­a­ras com­bi­nam per­fei­ta­men­te com tran­ças, pen­te­a­dos ca­su­ais ou ca­be­los sol­tos e le­ve­men­te on­du­la­dos. Tam­bém as­su­mir um pen­te­a­do afro se tor­nou ten­dên­cia de­pois do es­ti­lo­so lo­ok de noi­va da ir­mã mais no­va de Beyon­cé, a tam­bém can­to­ra So­lan­ge Kno­wles.

Pen­te­a­dos sim­ples, na­tu­rais e mar­can­tes.

A Re­xa­li­ne em ex­clu­si­vo pa­ra a Sepho­ra lan­ça es­ta ele­gan­te bol­sa que é um ver­da­dei­ro “kit des­co­ber­ta” pa­ra o ros­to e cor­po, que a po­de­rá acom­pa­nhar na sua idí­li­ca lua-de-mel. Es­tes pro­du­tos con­têm o se­gre­do pa­ra uma pe­le per­fei­ta­men­te hi­dra­ta­da em qual­quer cir­cuns­tân­cia além de ser mui­to prá­ti­co e com­ple­to. Com o tem­po, a pe­le pro­duz me­nos áci­do hi­a­lu­ró­ni­co, o prin­ci­pal agen­te de hi­dra­ta­ção na­tu­ral. Com uma con­cen­tra­ção de áci­do hi­a­lu­ró­ni­co cin­co ve­zes su­pe­ri­or, a no­va gama Re­xa­li­ne ofe­re­ce uma ac­ção an­ti-en­ve­lhe­ci­men­to glo­bal pa­ra uma efi­cá­cia re­for­ça­da. As ru­gas são pre­en­chi­das, a pe­le re­cu­pe­ra den­si­da­de e fir­me­za, bri­lho e ju­ven­tu­de. Es­te kit con­tém:

(1)

- água mi­ce­lar

pa­ra olhos e ros­to, num ver­da­dei­ro cui­da­do,

ino­va­dor e hi­dra­tan­te que lim­pa e des­ma­qui-

lha su­a­ve­men­te.

- cre­me pa­ra os

olhos hi­dra­tan­te e an­ti-en­ve­lhe­ci­men­to aju­da

a nu­trir e ins­tan­ta­ne­a­men­te ilu­mi­nar a área

dos olhos e re­duz o apa­re­ci­men­to de ru­gas,

li­nhas fi­nas, olhei­ras e in­cha­ços.

De­pois da gran­de fes­ta

e da noi­te de núp­ci­as

le­ve na sua ba­ga­gem

de lua-de-mel um kit

es­sen­ci­al pa­ra se man­ter

fres­ca com o seu ros­to e

cor­po hi­dra­ta­do.

for­ma­to cir­cu­lar da ali­an­ça, sem prin­cí­pio nem fim, sig­ni­fi­ca o amor eter­no, a união per­fei­ta. O uso no quar­to de­do da mão es­quer­da, de­ve-se ao fac­to de na An­ti­gui­da­de Clás­si­ca se acre­di­tar que por es­te de­do pas­sa­va uma veia di­re­ta ao co­ra­ção, a veia do amor. A cren­ça foi adop­ta­da por di­ver­sas cul­tu­ras e ain­da ho­je a ali­an­ça de ca­sa­men­to é usa­da na mão es­quer­da, en­quan­to a de noi­va­do é pos­ta na di­rei­ta.

Re­mon­ta, pois, aos tem­pos an­ti­gos o uso do anel que re­pre­sen­ta o ca­sa­men­to en­tre du­as pes­so­as. Os pri­mei­ros re­gis­tos fa­lam dos an­ti­gos egíp­ci­os e dos hin­dus co­mo sen­do os pri­mei­ros a usar es­se sím­bo­lo de eter­ni­da­de e pro­mes­sa pú­bli­ca de hon­rar um com­pro­mis­so ou con­tra­to, a fidelidade. Acre­di­ta­vam ain­da que qu­em usas­se ali­an­ça es­ta­ria pa­ra sem­pre li­ga­do pe­lo amor. Mas tam­bém era vis­ta co­mo um si­nal de pos­se - mu­lher que tra­zia um anel no de­do era pro­pri­e­da­de do seu ma­ri­do.

Atu­al­men­te, a ali­an­ça já não é um se­lo de pro­pri­e­da­de, mas nem por is­so dei­xa de re­pre­sen­tar um sta­tus so­ci­al e ci­vil, ou se­ja, sig­ni­fi­ca que qu­em a traz não es­tá dis­po­ní­vel pa­ra se re­la­ci­o­nar com ou­tras pes­so­as por ser com­pro­me­ti­da.

Os gre­gos e os ro­ma­nos usa­vam a ali­an­ça, por um la­do, co­mo sím­bo­lo de com­pro- mis­so e pos­se e, por ou­tro, co­mo si­nal de for­tu­na. Se­rão eles os res­pon­sá­veis pe­las cren­ças que atri­bu­em a pas­sa­gem da veia do amor no ane­lar e ao uso qua­se uni­ver­sal da ali­an­ça nes­se de­do.

É a par­tir do sé­cu­lo IX que a Igre­ja Ca­tó­li­ca ado­ta a ali­an­ça co­mo um sím­bo­lo de união e fidelidade en­tre os ca­sais. Mas tar­de, já no sé­cu­lo XIII, o Pa­pa Ino­cen­te III en­ten­deu que o ma­tri­mó­nio não de­ve­ria ser ime­di­a­to e de­cre­tou um pe­río­do de es­pe­ra que vi­go­ra­ria en­tre o pe­di­do de ca­sa­men­to e a re­a­li­za­ção da ce­ri­mó­nia. Nas­cia as­sim o noi­va­do e é is­so que ex­pli­ca que ho­je exis­tam as ali­an­ças de ca­sa­men­to e os anéis de noi­va­do.

A ali­an­ça mais fa­mo­sa da his­tó­ria é a que o Ar­qui­du­que Ma­xi­li­a­no, da Áus­tria, ofe­re­ceu a Mary Bur­gundy em 1477 e que era um anel de di­a­man­tes. O di­a­man­te das ali­an­ças pas­sou a re­pre­sen­tar a so­li­dez da re­la­ção, em ana­lo­gia com a re­sis­tên­cia des­ta pe­dra pre­ci­o­sa.

So­li­tá­rio ou com vá­ri­as pe­dras, a ver­da­de é que se con­si­de­ra que o anel de noi­va­do de­ve ter sem­pre di­a­man­tes. Por ser o sím­bo­lo dos apai­xo­na­dos e do amor. O di­a­man­te re­pre­sen­ta a pai­xão e o uni­ver­so fe­mi­ni­no. Os gre­gos cha­ma­vam a es­ta pe­dra “ada­mas” que sig­ni­fi­ca eter­no e in­ven­cí­vel. Co­mo se pre­ten­de que se­ja o amor.

1. Co­lec­ção Primavera/Ve­rão 2015 Free Pe­o­ple 2. Cre­me de Ali­sa­men­to Ste­am­pod L’Oréal 3. Gel su­a­ve pa­ra fi­xa­ção Tec­ni Art L’Oréal 4. Gel mo­de­la­dor de on­das Curl Fe­ver Ké­ras­ta­se 5. Ti­a­ra Jen­ni­fer Behr 6. Ti­a­ra Mai­son Mi­chel 7. Co­lec­ção Primavera/Ve­rão 2015

Co­lec­ção Primavera/Ve­rão 2015 Free Pe­o­ple.

Ali­an­ças Ou­ri­ve­sa­ria Lu­an­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.