Que sig­no ca­sa com o meu?

Super Fashion - - Lifestyle - MA­RIA SAN­TOS

Quan­do que­re­mos ter a cer­te­za de que en­con­trá­mos a al­ma gé­mea, tor­na-se ir­re­sis­tí­vel olhar­mos pa­ra os sig­nos do zo­día­co, pro­cu­rar e re­co­nhe­cer as nos­sas ca­rac­te­rís­ti­cas e co­mo com­bi­nam com as da ca­ra me­ta­de. Por­que va­le tu­do pa­ra en­con­trar a coi­sa mais im­por­tan­te da vi­da, a fe­li­ci­da­de. Ve­ja o que lhe

di­zem os as­tros quan­do o as­sun­to é com­pa­ti­bi­li­da­de no amor e vi­va o seu con­to de fa­das...

Os pri­mei­ros tem­pos de ca­sa­dos po­dem não ser o mar de ro­sas que es­ta­vam à es­pe­ra, não por­que não con­ti­nu­em apai­xo­na­dos, mas por­que a re­a­li­da­de da vi­da a dois é di­fe­ren­te do na­mo­ro. Pe­que­nos con­fli­tos po­dem sur­gir com frequên­cia por ques­tões que, ao fim de uns me­ses, são con­si­de­ra­das ri­dí­cu­las. Pa­ra is­so é fun­da­men­tal que não fi­quem an­si­o­sos, que dêem tem­po ao tem­po pa­ra se ha­bi­tu­a­rem um ao ou­tro, pa­ra iden­ti­fi­ca­rem as ares­tas que te­rão que ser li­ma­das. Mas mais im­por­tan­te que tu­do é não de­sis­tir aos pri­mei­ros con­fli­tos. O ca­sa­men­to é um as­sun­to mui­to sé­rio e, quan­do há amor, não po­dem ser pe­que­nas coi­sas a ori­gi­nar de­sis­tên­ci­as - as dis­cus­sões fa­zem par­te da vi­da de qual­quer ca­sal, não po­dem é ser o prin­ci­pal do ca­sa­men­to. Até por­que têm que es­tar cons­ci­en­tes de que são du­as pes­so­as dis­tin­tas e te­rão opi­niões e ati­tu­des di­fe­ren­tes a vi­da to­da. Só têm que apren­der a res­pei­tá-las. Você quer ver a no­ve­la, ele quer ver o fu­te­bol. Es­tá a fa­zer di­e­ta, mas ele in­sis­te to­dos os di­as em fa­zer ba­ta­tas fri­tas pa­ra o jan­tar. Quer com­prar um ta­pe­te em pe­le, ele acha que o de rá­fia é mais bo­ni­to... Dá por si a pen­sar que são mui­to di­fe­ren­tes, que es­tas pe­que­nas coi­sas, que jun­tas são mui­tas, es­tão sem­pre a ori­gi­nar dis­cus­sões. Não de­sa­ni­me. As di­fe­ren­ças en­tre o ca­sal de­vem ser apro­vei­ta­das de uma ma­nei­ra po­si­ti­va, por for­ma a que ca­da um pos­sa ga­nhar com is­so. Se não se en­ten­dem com o co­man­do da te­le­vi­são, es­que­çam a no­ve­la e o fu­te­bol e de­ci­dam-se por um bom fil­me ou uma boa sé­rie que de­pois pos­sam co­men­tar e que lhes per­mi­ta pas­sar mais tem­po jun­tos e tro­car idei­as e opi­niões. A es­co­lha do jan­tar dá ori­gem a con­fli­tos? Po­nham o aven­tal e fa­çam um pe­tis­co de que gos­tem os dois, abram uma gar­ra­fa de vi­nho e vão be­be­ri­can­do e pe­tis­can­do en­quan­to co­zi­nham. Vão di­ver­tir-se mui­to e até di­ver­si­fi­car as emen­tas...

Quan­do ca­sou, Ma­nu­el pen­sa­va que po­dia ter a mes­ma vi­da de sol­tei­ro, sair com os ami­gos e não dar sa­tis­fa­ções a nin­guém. As bri­gas sur­gi­am por­que a mu­lher não sa­bia on­de ele es­ta­va, an­da­va des­con­fi­a­da. E não há re­la­ção que so­bre­vi­va à fal­ta de con­fi­an­ça. Es­se é o ver­da­dei­ro ali­cer­ce de um ca­sa­men­to fe­liz. Não es­con­der na­da, fa­lar sem­pre a ver­da­de e não dar ra­zões pa­ra exis­ti­rem dú­vi­das é o ver­da­dei­ro se­gre­do. O amor es­tá no ar, mas a ro­ti­na vai-se in­si­nu­an­do en­tre os dois, len­ta­men­te, co­mo se fos­se uma in­tru­sa. O stress do tra­ba­lho, a cor­re­ria no trân­si­to, as con­tas por pa­gar, as com­pras do­més­ti­cas, as so­li­ci­ta­ções da fa­mí­lia... Quan- do che­ga a ca­sa só lhe ape­te­ce es­ti­car-se no so­fá e con­su­mir en­la­ta­dos te­le­vi­si­vos pa­ra não pen­sar e dor­mir. Quan­do is­to acon­te­cer, ligue ime­di­a­ta­men­te as si­re­nes de alar­me. Lem­bre­se que se amam e têm de des­fru­tar ao má­xi­mo des­sa pai­xão. Fa­çam dos seus jan­ta­res mo­men­tos ro­mân­ti­cos, im­po­nham saí­das a dois. Na­mo­rem mui­to, to­mem ba­nho jun­tos... Va­le tu­do pa­ra man­ter a cha­ma ace­sa! Se há tem­po pa­ra dis­cus­sões, tam­bém tem de ha­ver tem­po pa­ra brin­ca­dei­ras. Uma do­se de bom hu­mor po­de re­sol­ver mui­ta coi­sa. Fi­ca ir­ri­ta­da com a for­ma de­sa­jei­ta­da co­mo ele faz a ca­ma? Não dis­cu­ta, ria-se da tra­pa­lhi­ce de­le e ex­pli­que-lhe co­mo se de­ve es­ti­car os len­çóis. Ele es­tá a em­bir­rar com aque­la sua ma­nia de pôr a car­tei­ra em ci­ma das chaves de­le, que to­dos os di­as o obri­ga per­der tem­po à pro­cu­ra de­las? Fa­ça-lhe ver, a rir, que é mais do que cer­to o sí­tio on­de as chaves es­tão - sem­pre de­bai­xo da sua car­tei­ra! E as­sim, em vez de dis­cu­ti­rem, vão aca­bar por rir-se! E is­so só faz bem à saú­de de qual­quer ca­sa­men­to.

AL­MO­FA­DAS

LAN­TER­NAS

CO­MO DE­CO­RA­ÇÃO DO CA­SA­MEN­TO Co­lo­que as lan­ter­nas ao lon­go do cor­re­dor, ou nas me­sas de cock­tail de for­ma a dar um bri­lho má­gi­co. CO­MO DE­CO­RA­ÇÃO DE CA­SA Em sua ca­sa, exi­bi-los num pon­to fo­cal ou nos de­graus de fren­te de sua ca­sa, acres­cen­ta ca­lor ao ilu­mi­nar um es­pa­ço. CO­MO DE­CO­RA­ÇÃO DO CA­SA­MEN­TO Es­pa­lhe al­mo­fa­das co­lo­ri­das nu­ma es­pre­gui­ça­dei­ra ou uma ca­dei­ra de vi­me pen­du­ra­da, pa­ra dar um olhar des­con­traí­do e tro­pi­cal. Es­tas tam­bém adi­ci­o­nam um acen­to co­lo­ri­do às ca­dei­ras de jan­tar. CO­MO DE­CO­RA­ÇÃO DE CA­SA Al­mo­fa­das es­tam­pa­das em tons bri­lhan­tes tra­zem um ele­men­to cri­a­ti­vo a um so­fá, ca­dei­ras e na­mo­ra­dei­ras. É uma for­ma in­crí­vel de adi­ci­o­nar, e ge­rir cor sem gran­de com­pro­mis­so.

TA­PE­TE DE EN­TRA­DA DE CA­SA

CO­MO DE­CO­RA­ÇÃO DO CA­SA­MEN­TO Te­nha um ta­pe­te de en­tra­da de ca­sa de bo­as vindas do­ce pa­ra quan­do os con­vi­da­dos che­gam pa­ra al­mo­çar ou jan­tar. CO­MO DE­CO­RA­ÇÃO DE CA­SA Ta­pe­tes de en­tra­da são uma ma­nei­ra en­can­ta­do­ra pa­ra re­ce­ber os seus con­vi­da­dos em ca­sa. E po­dem ser uti­li­za­dos co­mo de­co­ra­ção de pá­tio

TAMBORETES

CO­MO DE­CO­RA­ÇÃO DO CA­SA­MEN­TO In­cluir al­guns tamboretes nas áre­as de loun­ge ou de cock­tail é o ide­al pa­ra pou­sar ar­ran­jos de flo­res e be­bi­das. CO­MO DE­CO­RA­ÇÃO DE CA­SA Sim­ples e mo­der­no, eles são óp­ti­mos pa­ra quar­tos ou sa­las pa­ra pôr ve­las, des­can­sar um li­vro ou até pa­ra uti­li­zar co­mo ban­que­ta quan­do há fal­ta de lu­ga­res pa­ra se sen­tar.

PE­ÇA DES­TA­CA­DA

CO­MO DE­CO­RA­ÇÃO DO CA­SA­MEN­TO Ele­gan­te mo­der­no e tro­pi­cal a re­ci­pi­en­te aba­ca­xi da Za­ra Ho­me adi­ci­o­na um ele­men­to chi­que a de­co­ra­ção da me­sa. Um as­sen­to

sub­cli­en­te pa­ra um vi­be de ve­rão.

CO­MO DE­CO­RA­ÇÃO DE CA­SA Per­fei­to pa­ra a ca­sa mo­der­na, o re­ci­pi­en­te aba­ca­xi se­ria óp­ti­mo exi­bi­do em nu­ma

es­tan­te ou co­mo va­so.

TA­PE­TES

CO­MO DE­CO­RA­ÇÃO DO CA­SA­MEN­TO Use ta­pe­tes es­tam­pa­dos bri­lhan­tes co­mo um cor­re­dor até ao al­tar de for­ma a adi­ci­o­nar cor e ca­rác­ter. CO­MO DE­CO­RA­ÇÃO DE CA­SA Ge­ral­men­te os ta­pe­tes são con­si­de­ra­dos co­mo a pe­ça cen­tral de um am­bi­en­te in­te­ri­or. Pô-los no chão, adi­ci­o­na cor, es­ti­lo e uma vi­bra­ção al­ter­na­ti­va.

VA­SO

CO­MO DE­CO­RA­ÇÃO DO CA­SA­MEN­TO Ul­ti­ma ten­dên­cia e mo­der­no, um va­so dou­ra­do acres­cen­ta sim­pli­ci­da­de ele­gan­te e di­men­são pa­ra me­sas de jan­tar e cock­tail. CO­MO DE­CO­RA­ÇÃO DE CA­SA Co­lo­que um ca­sal de va­sos nu­ma con­so­la de ou nu­ma me­sa de apoio pa­ra ob­ter um es­ti­lo úni­co de ar­qui­te­tu­ra.

Me­tó­di­co, tem de ser tu­do cer­ti­nho pa­ra os Vir­gens. Têm me­do de so­frer com o amor e por is­so nem sem­pre se en­tre­gam na to­ta­li­da­de. Mas quan­do se en­tre­gam, é a 100%. Têm em Ba­lan­ça, Pei­xes e Sa­gi­tá­rio as su­as ca­ra-me­ta­de. Os na­ti­vos de Sa­gi­tá­rio são aven­tu­rei­ros, gos­tam de vi­ver a sua vi­da sem es­ta­rem pre­sos a com­pro­mis­sos. Na ver­da­de, têm me­do de so­frer. No cam­po amo­ro­so, dão­se lin­da­men­te com Pa­re­ce que nas­ce­ram pa­ra aju­dar os ou­tros. Acei­tam de tu­do um pou­co pa­ra man­ter a sua re­la­ção e, às ve­zes, aca­bam por ser ma­ni­pu­la­dos. A com­pa­ti­bi­li­da­de no amor es­tá nos sig­nos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.