Di­vir­ta-se. Sem ex­ces­sos que a com­pro­me­tam – a si, à sua ima­gem e à sua fa­mí­lia – mas di­vir­ta-se.

Super Fashion - - Crónica - POR ULI­KA DA PAI­xÃO FRANCO

em vis­tas as coi­sas o ca­sa­men­to é um con­tra­to. Cla­ro es­tá que não é só um con­tra­to ju­rí­di­co mas é, ain­da e aci­ma de tu­do, um con­tra­to so­ci­al en­tre du­as pes­so­as e que tem nos seus pres­su­pos­tos uma re­la­ção in­ter­pes­so­al e de in­ti­mi­da­de con­su­ma­da pe­la co­a­bi­ta­ção.

Mas vol­te­mos ao iní­cio, ao tal con­tra­to. Cos­tu­mo di­zer que to­das as re­la­ções são acor­dos e que o ca­sa­men­to é a for­ma mais an­ti­ga de es­ta­be­le­cer um tra­ta­do en­tre du­as fa­mí­li­as. E o pe­so de um tra­ta­do en­tre fa­mí­li­as não só é se­cu­lar, co­mo é pro­to­co­lar. E ao pro­to­co­lo não são as re­la­ções pú­bli­cas alhei­as.

Ora bem, nes­te ri­tu­al de ce­le­bra­ção a que so­mos con­vi­da­dos é pre­ci­so pois en­ten­der que a ce­ri­mó­nia do ca­sa­men­to é, tam­bém e aci­ma de mui­to, um ac­to de re­la­ções pú­bli­cas dos noi­vos – que o con­vi­dam, co­mo tes­te­mu­nha, a pre­sen­ci­ar o mais con­sa­gra­do con­tra­to que al­gu­ma vez se in­ven­tou - e um ac­to de re­la­ções pú­bli­cas dos fa­mi­li­a­res e con­vi­da­dos – a qu­em ca­be ze­lar por um con­jun­to de re­gras so­ci­ais que vão des­de a in­du­men­tá­ria aos pre­sen­tes.

Pois bem, na edi­ção an­te­ri­or pro­me­ti-lhe que não en­tra­ria em flo­re­a­dos e por is­so vou di­rec­ta ao as­sun­to: qu­em vai a um ca­sa­men­to vai pa­ra ver – ser tes­te­mu­nha – e pa­ra ser vis­to. É im­pres­cin­dí­vel. E por is­so, se vai ser vis­to to­me cui­da­do e se­ja, do prin­cí­pio ao fim, o me­lhor Re­la­ções Pú­bli­cas da sua ima­gem. Pas­se­mos pois aos ges­tos de cor­te­sia: Pri­mei­ro: As­sim que re­ce­be um con­vi­te pa­ra um ca­sa­men­to de­ve, de ime­di­a­to, res­pon­der e agra­de­cer aos pais da noi­va, fe­li­ci­tan­do-os pe­la im­por­tan­te con­cre­ti­za­ção e con­fir­man­do, ou não, a sua pre­sen­ça. Não des­cu­re nes­te pon­to. Bem sa­be­mos que os cor­rei­os pe­la nos­sa Ban­da nem sem­pre são efi­ca­zes, mas tal não é mo­ti­vo pa­ra cair na má edu­ca­ção. A pi­or fal­ta de cor­te­sia é obri­gar a mãe e ti­as da noi­va a des­pen­der ho­ras a con­fir­mar se re­ce­beu o con­vi­te e se sem­pre vai e com qu­em. Pés­si­mo. No meio de tan­ta coi­sa que há pa­ra fa­zer, de­ve fa­ci­li­tar e não di­fi­cul­tar. Se tal é ex­pec­tá­vel de uma pes­soa bem-edu­ca­da, de um Re­la­ções Pú­bli­cas es­sen­ci­al­men­te: ser um ele­men­to fa­ci­li­ta­dor. E não se es­que­ça, ain­da que se­ja con­vi­da­da dos fa­mi­li­a­res do noi­vo, de­ve sem­pre acau­te­lar que fe­li­ci­tou os pais da noi­va. Se­gun­do: Con­fir­mar a lis­ta de pre­sen­tes e es­co­lher o seu. Pois, nem pen­sar em fa­zer-se de es­que­ci­da que os pre­sen­tes de ca­sa­men­to não são me­ra cir­cuns­tân­cia, são si­nais de res­pei­to e gratidão pa­ra com os fa­mi­li­a­res dos noi­vos, mas tam­bém de aco­lhi­men­to e in­te­gra­ção do re­cém-ca­sal na so­ci­e­da­de. Ho­je em dia es­tá mui­to em vo­ga subs­ti­tuir ob­jec­tos por va­lo­res mo­ne­tá­ri­os. Si­nal dos tem­pos e con­tra tal na­da po­de­re­mos fa­zer. No en­tan­to, e sem­pre que pos­sí­vel, pro­cu­re dar aos noi­vos um pre­sen­te que se­ja mais do que um depósito ban­cá­rio e que mos­tre que es­tá aten­to ao ca­sal e é tes­te­mu­nha des­te en­con­tro mai­or. É que nin­guém é su­fi­ci­en­te­men­te rico ou in­cri­vel­men­te po­bre pa­ra dis­pen­sar, que se­ja, um be­lo al­fi­ne­te de da­mas e co­lo­cá-lo na la­pe­la de um fa­to ou no de­co­te de um ves­ti­do em oca­siões fu­tu­ras.

Ter­cei­ro: A ho­ra de es­co­lher a in­du­men­tá­ria pa­ra es­te dia tão im­por­tan­te na vi­da de qu­em o con­vi­da. O bá­si­co, já sa­be: nun­ca apa­re­cer mais vis­to­sa do que noi­va. Pro­cu­re não exa­ge­rar nem nas joi­as nem nos de­co­tes. Evi­te os ves­ti­dos com­pri­dos e con­cen­tre-se nos tí­pi­cos ves­ti­do abai­xo do jo­e­lho – pa­ra as se­nho­ras aci­ma dos qu­a­ren­ta – ou um pou­co mais aci­ma pa­ra as jo­vens ra­pa­ri­gas, mu­lhe­res tra­ba­lha­do­ras ou em­pre­sá­ri­as. As

sai­as ro­da­das, ain­da que cum­pri­das, são, no en­tan­to, sem­pre bem-vindas. Pro­cu­re os tons pas­tel, os pês­se­gos ou os cin­zas. O ver­me­lho, lá es­tá, é de evi­tar. Mes­mo. Pro­cu­re sa­pa­tos có­mo­dos – sem­pre que pos­sí­vel – e in­vis­ta na po­chet­te. Car­tei­ras e mo­chi­las, nem pen­sar.

O cha­péu só em ce­ri­mó­ni­as que se re­a­li­zem no pe­río­do da ma­nhã. Um ca­sa­men­to mar­ca­do pa­ra as 16H dis­pen­sa cha­péu pois an­te­vê­se que o co­po de água nun­ca acon­te­ça an­tes das 18H e, a es­sa ho­ra, já não se usa cha­péu.

Pa­ra os nos­sos ho­mens, es­sen­ci­al: mes- mo no ca­lor de Lu­an­da em Fe­ve­rei­ro fa­ça ver o seu par que não sai de ca­sa ca­so ele tei­me em ir ao ca­sa­men­to sem mei­as.

Quar­to: Con­ví­vio so­ci­al, pois cla­ro. É pa­ra is­so que se fa­zem os casamentos. Se não co­nhe­ce to­das as pes­so­as da me­sa em que se sen­tou, fa­ça ques­tão de se apre­sen­tar. Le­ve con­si­go car­tões­de-vi­si­ta com um tra­ço so­bre tí­tu­lo aca­dé­mi­co ou car­go – no ca­so do car­tão-de-vi­si­ta que tem ser de uso pro­fis­si­o­nal – ou, o ide­al, car­tões-de-vi­si­ta pes­so­ais com o seu no­me de fa­mí­lia e do seu ma­ri­do. Não amue ca­so não te­nha fi­ca­do na me­sa que pre­ten­dia nem fa­ça ex­pres­são ame­a­ça­do­ra ca­so qu­em a acom­pa­nha se mos­tre par­ti­cu­lar­men­te sim­pá­ti­co com a se­nho­ra da fren­te. Sor­ria, se­ja sim­pá­ti­ca, cum­pri­men­te os fa­mi­li­a­res dos noi­vos, fa­ça ques­tão de cum­pri­men­tar as pes­so­as mais ve­lhas pre­sen­tes na sa­la. Com is­to, não fa­ça ex­cur­sões do iní­cio ao fim da sa­la a bei­jar, me­sa a me­sa, es­ta e aque­la pes­soa, in­ter­ca­lan­do a bei­jo­qui­ce com per­gun­tas des­pro­po­si­ta­das ti­po: - “Es­tás aqui? Tam­bém fos­te con­vi­da­da?”. Con­cen­tre-se. Não vi­re as cos­tas a um co­nhe­ci­do que se cru­za con­si­go mas não cha­me de­ma­si­a­do a aten­ção ao subs­ti­tuir a mãe da noi­va no pa­pel de ci­ce­ro­ne. Elo­gie a or­ga­ni­za­ção, a de­co­ra­ção e os fa­mi­li­a­res dos noi­vos. Não es­te­ja cons­tan­te­men­te a per­gun­tar se já não es­tá na ho­ra de par­tir o bo­lo. Não fa­le ao te­le­mó­vel nem en­vie SMS du­ran­te a re­fei­ção e só se le­van­te se ne­ces­sá­rio. Evi­te me­xe­ri­cos. Nes­tas oca­siões em par­ti­cu­lar há sem­pre uma mão atrás do ar­bus­to. Co­ma de for­ma mo­de­ra­da. Pro­cu­re não dan­çar com to­dos os con­vi­da­dos da ce­ri­mó­nia. Sai­ba che­gar e par­tir na ho­ra cer­ta, afi­nal, um ex­ce­len­te con­vi­da­do é aque­le que che­ga na ho­ra mar­ca­da e sai na ho­ra de­vi­da.

Quin­to: Di­vir­ta-se. Sem ex­ces­sos que a com­pro­me­tam – a si, à sua ima­gem e à sua fa­mí­lia – mas di­vir­ta-se. E, não se es­que­ça, es­pa­lhe ar­roz pe­los noi­vos por­que ar­roz sig­ni­fi­ca abun­dân­cia. É is­so que se quer: uma vi­da em abun­dân­cia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.