A noi­te de Yo­la Se­me­do

Super Fashion - - Eventos -

Yo­la Se­me­do ar­ra­sou na ter­cei­ra edi­ção dos An­go­la Mu­sic Awards. A can­to­ra, que con­cor­ria em se­te ca­te­go­ri­as, le­vou pa­ra ca­sa qua­tro es­ta­tu­e­tas: me­lhor artista fe­mi­ni­na, ál­bum do ano, me­lhor sem­ba e me­lhor ki­zom­ba. Nu­ma ga­la que fi­cou mar­ca­da pe­la des­cen­tra­li­za­ção dos AMA, que se re­a­li­za­ram em Sau­ri­mo, na Lun­da Sul, NGA foi dis­tin­gui­do co­mo me­lhor artista mas­cu­li­no. An­na Joy­ce é a can­to­ra re­ve­la­ção e Co­réon Du com o me­lhor ví­deo. Foi uma noi­te de gla­mour, mas tam­bém de mui­tas emo­ções, on­de a mú­si­ca fa­lou mais al­to. Du­ran­te a ce­ri­mó­nia ren­deu­se igual­men­te ho­me­na­gem aos mú­si­cos já fa­le­ci­dos co­mo Ac­ti­on Nig­ga, Be­to de Al­mei­da, Ma­mu­ku­e­no, Nick e Ban­gão. O An­go­la Mu­sic Awards (AMA) dis­tin­gue anu­al­men­te os agen­tes da mú­si­ca an­go­la­na, quer se­jam can­to­res, ato­res ou pro­du­to­res.

Pa­ra co­nhe­cer Oli­vi­er La­ou­chez, co-fun­da­dor, aci­o­nis­ta e CEO do gru­po Tra­ce, uma mar­ca e gru­po de en­tre­te­ni­men­to es­pe­ci­a­li­za­da em con­teú­dos mu­si­cais e ur­ba­nos e de­ten­to­ra do Tra­ce To­ca, que es­te­ve re­cen­te­men­te no

nos­so país a par­ti­ci­par no An­go­la Mu­sic Awards

Co­mo co­me­çou o so­nho de fun­dar o canal Tra­ce TV e há quan­to tem­po? Sou aqui­lo a que cha­mam um “Se­ri­al En­tre­pre­neur”, ou se­ja um ver­da­dei­ro em­pre­en­de­dor do mun­do dos Me­dia e do en­tre­te­ni­men­to. Após ob­ter o meu di­plo­ma na Es­co­la Su­pe­ri­or de Co­mér­cio de Pa­ris em 1988, e de ter efe­tu­a­do uma mis­são de dois anos na In­do­né­sia, ins­ta­lei-me na Mar­ti­ni­ca e cri­ei a pri­mei­ra so­ci­e­da­de de pro­du­ção de cli­pes de ví­de­os das An­ti­lhas. Em 1993 lan­cei a ATV, o pri­mei­ro canal de te­le­vi­são pri­va­do das An­ti­lhas. Em 1998, de vol­ta a Fran­ça, jun­tei-me à di­re­ção do Se­tor A, uma pro­du­to­ra mu­si­cal ur­ba­na de re­fe­rên­cia e aí cons­ta­to a sub-re­pre­sen­ta­ção das mú­si­cas e cul­tu­ras ur­ba­nas nos mé­dia tra­di­ci­o­nais. De­ci­di en­tão lan­çar um no­vo canal de te­le­vi­são de­di­ca­do a es­ta te­má­ti­ca. Ob­ti­ve um fi­nan­ci­a­men­to do ban­co Gold­man Sa­chs que me per­mi­tiu lan­çar em mar­ço de 2003 o canal mu­si­cal Tra­ce TV, re­ba­ti­za­do, em 2010, de Tra­ce Ur­ban. Qual o mo­ti­vo da sua vi­si­ta a An­go­la? O Tra­ce To­ca foi o par­cei­ro da ter­cei­ra Edi­ção do An­go­la Mu­sic Awards. Foi o mo­men­to ide­al pa­ra en­con­trar agen­tes, ar­tis­tas que pas­sa­mos nos nos­sos ca­nais, pro­du­to­res, aper­fei­ço­ar o nos­so co­nhe­ci­men­to do mer­ca­do an­go­la­no e de­sen­vol­ver a nos­sa re­la­ção com os anun­ci­an­tes lo­cais. Quais são as su­as ex­pec­ta­ti­vas com re­la­ção ao mer­ca­do an­go­la­no? En­con­trar par­cei­ros pa­ra re­pre­sen­tar o Tra­ce To­ca, de for­ma a fa­ci­li­tar o in­ter­câm­bio com po­ten­ci­ais anun­ci­an­tes e cli­en­tes e de­sen­vol­ver no­vos pro­je­tos com a mar­ca Tra­ce, in­cluin­do uma rá­dio lo­cal. No seu pon­to de vis­ta, co­mo tem si­do a acei­ta­ção do pú­bli­co ao canal Tra­ce TV? O Tra­ce Ur­ban já é mui­to po­pu­lar em An­go­la. É tam- bém o pri­mei­ro canal mu­si­cal de mai­or au­di­ên­cia do con­ti­nen­te afri­ca­no. Fa­le-nos um pou­co so­bre o Tra­ce To­ca. Foi lan­ça­do em ju­lho de 2014 em An­go­la e em Mo­çam­bi­que. Ofe­re­ce uma abor­da­gem úni­ca da mú­si­ca e da cul­tu­ra afro-lu­só­fo­na. O canal ofe­re­ce a me­lhor pro­gra­ma­ção mu­si­cal de sons pro­ve­ni­en­tes de An­go­la, Mo­çam­bi­que, Ca­bo-Ver­de, Gui­né Bis­sau, Bra­sil e das Ca­raí­bas (ki­zom­ba, ku­du­ro, zouk, ca­bo lo­ve, sem­ba, sam­ba, afro hou­se, afro pop...), as­sim co­mo en­tre­vis­tas a ar­tis­tas lu­só­fo­nos, con­cer­tos e emis­sões es­pe­ci­ais. O Tra­ce To­ca é um su­ces­so. As au­di­ên­ci­as ex­plo­dem! O canal che­ga es­te ve­rão a Fran­ça, e a Por­tu­gal an­tes do fi­nal do ano. Gos­tou do even­to Mu­si­cal Awards, qual é o im­pac­to que es­te even­to tem pa­ra o mun­do da mú­si­ca e pa­ra o seu ne­gó­cio? Ob­vi­a­men­te que o Tra­ce já or­ga­ni­zou o Tra­ce Ur­ban Mu­sic Awards em Fran­ça. Já exis­ti­ram du­as edi­ções, em 2013 e em 2014. É a pri­mei­ra ce­ri­mó­nia mu­si­cal que pre­meia os ar­tis­tas ur­ba­nos, tro­pi­cais e afri­ca­nos fran­có­fo­nos. Ar­tis­tas es­ses que são ge­ral­men­te co­lo­ca­dos à par­te nas ce­ri­mó­ni­as tra­di­ci­o­nais. É uma ja­ne­la aber­ta pa­ra es­tas mú­si­cas, mui­to pou­co di­vul­ga­das e é uma óti­ma opor­tu­ni­da­de pa­ra o Tra­ce di­vul­gar a sua mar­ca. Mul­ti­pli­cá­mos a nos­sa au­di­ên­cia por 17! A Qu­em pre­mi­ou? O que sig­ni­fi­cou es­te even­to? Mú­si­ca de Ou­ro: Ri­car­do Len­vo; Me­lhor Ku­du­ro: Pai La­ti­fa; Me­lhor vi­deo: Co­réon Du. Es­tes pré­mi­os são uma vi­tri­ne pa­ra a mú­si­ca an­go­la­na e a opor­tu­ni­da­de per­fei­ta de pre­mi­ar os ar­tis­tas lo­cais. Pro­por­ci­o­na igual­men­te uma óti­ma vi­si­bi­li­da­de pa­ra o Tra­ce To­ca. Es­ta­mos tam­bém a con­si­de­rar lan­çar o Tra­ce To­ca Mu­sic Awards.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.