PRE­VEN­ÇÃO E DI­AG­NÓS­TI­CO PRE­CO­CE

Super Fashion - - Lifestyle Saúde -

cro da ma­ma em cer­ca de 10% dos ca­sos. Em me­ta­de des­tes, ou se­ja 5%, há al­te­ra­ções em ge­nes her­da­dos que po­dem ser ca­rac­te­ri­za­dos nu­ma aná­li­se de ADN. A hi­pó­te­se de trans­mis­são ge­né­ti­ca é co­lo­ca­da quan­do nu­ma fa­mí­lia exis­tem mais de três mu­lhe­res jo­vens com can­cro da ma­ma. Mas tam­bém nas si­tu­a­ções em que exis­ta an­te­ce­den­tes fa­mi­li­a­res de can­cro do ová­rio. O ris­co fa­mi­li­ar é tan­to mai­or quan­to o nú­me­ro de fa­mi­li­a­res atin­gi­das.

Ques­tões hor­mo­nais, co­mo a pri­mei­ra mens­tru­a­ção em ida­de pre­co­ce, ida­de tar­dia na pri­mei­ra gra­vi­dez com ter­mo, me­no­pau­sa tar­dia, não ter ti­do fi­lhos e o uso de te­ra­pia hor­mo­nal de subs­ti­tui­ção (THS) por mais de dois anos em mu­lhe­res pós-me­no­pau­si­cas au­men­ta o ris­co de can­cro da ma­ma. O uso de an­ti­con­cep­ci­o­nais po­de igual­men­te es­tar as­so­ci­a­do a es­te ti­po de tu­mor, mas não há con­sen­so so­bre es­ta ma­té­ria. Apon­ta­do co­mo fa­tor de ris­co é o ex­ces­so de pe­so e a ali­men­ta­ção, no­me­a­da­men­te o con­su­mo ele­va­do de gor­du­ra na in­fân­cia e ado­les­cên­cia. So­mam-se ain­da a ex­po­si­ção a ra­di­a­ções, por exem­plo, re­sul­tan­te de ra­di­o­te­ra­pia, so­bre­tu­do se ocor­rer na ju­ven­tu­de. ci­rur­gi­as mu­ti­lan­tes. As­sim, en­tre os 40 e os 50 anos, as mu­lhe­res de­vem fa­zer uma ma­mo­gra­fia anu­al ou em ca­da dois anos. Não exis­te con­sen­so quan­to à ida­de re­co­men­da­da pa­ra iní­cio nem quan­to à pe­ri­o­ci­da­de, sen­do que es­sa de­ci­são de­ve ser to­ma­da in­di­vi­du­al­men­te com o mé­di­co. As ma­mo­gra­fi­as per­mi­tem de­te­tar nó­du­los na ma­ma, an­tes que es­te pos­sa ser sen­ti­do ou apal­pa­do pe­la mu­lher, bem co­mo mi­cro­cal­ci­fi­ca­ções. To­das as mu­lhe­res de­vem fa­zer au­to-exa­me pe­lo me­nos uma vez por mês, de pre­fe­rên­cia a se­guir à mens­tru­a­ção. Sem­pre que for de­te­ta­do al­go de anor­mal, a mu­lher de­ve en­trar em con­ta­to com o mé­di­co. Os sin­to­mas des­cri­tos pa­ra o can­cro da ma­ma po­dem apa­re­cer nou­tras do­en­ças co­mo, por exem­plo, no ca­so de quis­tos be­nig­nos. E o fac­to de uma mu­lher sen­tir um ou mais dos sin­to­mas aqui des­cri­tos não sig­ni­fi­ca que tem can­cro da ma­ma. No en­tan­to, de­ve­rá con­sul­tar o mé­di­co se de­te­tar ao to­que um nó­du­lo ou es­pes­sa­men­to da ma­ma ou na zo­na da axi­la ou se sen­tir dor na ma­ma e ob­ser­var al­te­ra­ções do seu for­ma­to ou ta­ma­nho. Os ma­mi­los são par­te da ma­ma a que de se de­ve dar mui­ta aten­ção: al­te­ra­ções vi­sí­veis ou ao to­que, sen­si­bi­li­da­de, re­tra­ção, se­cre­ções ou per­das de lí­qui­do são si­nais que ne­nhu­ma mu­lher po­de ne­gli­gen­ci­ar. Se ti­ver al­gum des­ses si­nais, de­ve con­sul­tar ime­di­a­ta­men­te o mé­di­co.

A pre­ven­ção e o di­ag­nós­ti­co pre­co­ce têm si­do mui­to im­por­tan­tes pa­ra sal­var vi­das, já que au­men­ta a pro­ba­bi­li­da­de de tra­ta­men­tos com su­ces­so, às ve­zes sem re­cur­so à qui­mi­o­te­ra­pia. Além dis­so, evi­ta mui­tas

Há sky­li­ne mais fa­mo­so que o de No­va Ior­que? Os ar­ra­nha-céus da ci­da­de que nun­ca dor­me re­cor­tam o ho­ri­zon­te... Mas No­va Ior­que é mui­to mais do que um sky­li­ne ou a Es­tá­tua da Li­ber­da­de. No­va Ior­que é um cal­dei­rão de cul­tu­ras. Di­fí­cil é es­co­lher o que fa­zer: pas­se­ar por Ti­me Squa­re, o co­ra­ção de Ma­nhat­tan, pa­ra nos cru­zar­mos com mi­lha­res de pes­so­as du­ran­te o dia ou dei­xar pa­ra a noi­te pa­ra apre­ci­ar os néons gi­gan­tes ou as­sis­tir a um es­pec­tá­cu­lo na Bro­adway? Ca­mi­nhar ou fa­zer um pi­que-ni­que em Cen­tral Park? Ou ir ao do­min­go as­sis­tir a uma mis­sa de gos­pel? Ou per­der-se nas ave­ni­das e es­tou­rar o car­tão de cré­di­to? Ou fa­zer o per­cur­so tu­rís­ti­co de Se­xo e a Ci­da­de e co­nhe­cer os lo­cais on­de Car­rie e as ami­gas al­mo­ça­vam, to­ma­vam o pe­que­no al­mo­ço, fa­zi­am as su­as com­pras?

"Pa­ra além de ser uma ci­da­de bo­ni­ta, tem mui­tos atra­ti­vos. É mes­mo a ci­da­de que nun­ca dor­me! Tem res­tau­ran­tes e até ci­ne­mas aber­tos 24 ho­ras."

Ca­pi­tal do sam­ba, de prai­as e bo­ni­tas mo­re­nas (qu­an­tas ga­ro­tas de Ipa­ne­ma tem o Rio de Ja­nei­ro), a ci­da­de en­can­ta pe­la sua be­le­za na­tu­ral, co­mo se ti­ves­se si­do de­se­nha­da pe­la mão de Deus. Co­pa­ca­ba­na, en­ci­ma­da pe­lo fa­mo­so ho­tel Co­pa­ca­ba­na Pa­la­ce, Ipa­ne­ma, Le­blon, São Con­ra­do... Não ca­bem nos de­dos das mãos as prai­as da ci­da­de ma­ra­vi­lho­sa, on­de des­de ma­nhã ce­do gen­te se ba­nha no mar, se es­ten­de ou jo­ga "pe­la­di­nha" nos are­ais, faz fit­ness no cal­ça­dão. Ou tão só be­be uma água de co­co a go­zar da bri­sa do mar, aben­ço­a­dos pe­lo Cris­to Re­den­dor que se im­põe do al­to do Cor­co­va­do. A ci­da­de me­re­ce uma vi­si­ta ao Pão de Açú­car, li­ga­do por te­le­fé­ri­co. No Car­na­val a ci­da­de en­che-se de vi­da e de gen­te. Du­ran­te três di­as, o Bra­sil sa­co­de o mau olha­do e sam­ba sem pa­rar. No Ano No­vo, cer­ca de um mi­lhão de pes­so­as des­ce até à praia e Co­pa­ca­ba­na as­sis­te a um dos me­lho­res ré­veil­lons do mun­do.

"A ci­da­de é lin­da! Já a ti­nha vi­si­ta­do an­tes de ser Miss Uni­ver­so, mas du­ran­te o Miss Uni­ver­so gos­ta­va mui­to de lá ir por­que era o úni­co lu­gar que eu ti­nha ami­gos, co­mi­da que es­ta­va ha­bi­tu­a­da a co­mer e fa­la­vam a mi­nha lín­gua (às ve­zes eu sen­tia mui­ta sau­da­de de fa­lar por­tu­guês)."

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.