Zen

Super Fashion - - Editorial - Res­pi­re mo­da!

omun­do glo­ba­li­za­do es­tá ca­da vez mais cor­ri­do, o tem­po pas­sa tão rá­pi­do que quan­do pa­ra­mos acha­mos que a ho­ra es­tá a pas­sar mui­to de­pres­sa. An­da­mos ca­da vez mais ocu­pa­dos com os de­ve­res e com me­nos tem­po pa­ra as coi­sas que ama­mos ver­da­dei­ra­men­te, sem tem­po pa­ra di­zer te amo, aos fi­lhos, ami­gos, pa­ren­tes... Pa­re­ce nor­mal, mo­der­no, mas não é. A vi­da mo­der­na, as cor­re­ri­as cons­tan­tes, o ab­so­lu­to stress a que as mu­lhe­res são sub­me­ti­das de­vi­do às múl­ti­plas fun­ções que exer­ce­mos não de­ve ser ra­zão pa­ra is­so e mui­to me­nos de­ve­mos achar nor­mal não ter­mos o nos­so tem­po zen.

O nos­so mo­men­to de so­li­dão pra­ze­ro­sa com nós mes­mas, pa­ra re­fle­tir­mos, pa­ra ava­li­ar­mos a nos­sa mis­são, se es­ta­mos fe­li­zes com o es­ti­lo de vi­da que le­va­mos, se nos sen­ti­mos fe­li­zes com os nos­sos cor­pos, a nos­sa ca­sa, os nos­sos fi­lhos, os nos­sos ma­ri­dos, a nos­sa vi­da em ge­ral. É ca­da vez mais ne­ces­sá­rio es­tar­mos so­zi­nhas, com a nos­sa al­ma, ler um li­vro bom, as­sis­tir a um fil­me, ou­vir uma mú­si­ca, dan­çar e sen­tir-se fe­liz. Num es­ta­do de fe­li­ci­da­de con­ti­go mes­ma, com a tua ima­gem re­fle­ti­da no es­pe­lho. A is­so cha­mo fe­li­ci­da­de ple­na, ple­ni­tu­de com a vi­da.

Quan­do o ser hu­ma­no atin­ge es­se es­ta­do com ele pró­prio, tu­do à sua vol­ta se tor­na me­lhor, mais fá­cil e agra­dá­vel. Pas­sa­mos a olhar a be­le­za que exis­te em vol­ta, a apre­ci­ar o can­tar dos pás­sa­ros, a be­le­za da ci­da­de, a olhar ape­nas as vir­tu­des do pró­xi­mo, a apre­ci­ar as qua­li­da­des dos nos­sos fi­lhos, ma­ri­dos, na­mo­ra­dos, ami­gos, a enal­te­cer­mos as ben­fei­to­ri­as do pró­xi­mo, a ex­pres­sar os nos­sos ver­da­dei­ros sen­ti­men­tos pa­ra com eles. Pas­sa­mos a di­zer com na­tu­ra­li­da­de TE AMO, SENTI SAU­DA­DES, DES­CUL­PA. São pa­la­vras tão fá­ceis e má­gi­cas de se di­zer, mas pa­re­ce que as pes­so­as e o mun­do es­tão a tor­nar­se me­câ­ni­cos e o ser hu­ma­no tem ca­da vez mais di­fi­cul­da­des de ex­pres­sá-las, por­que sim­ples­men­te não de­mos o ver­da­dei­ro va­lor às pes­so­as que ama­mos e à vi­da.

O mai­or pre­sen­te de Deus é o dom da vi­da. Por is­so, de­ve­mos apro­vei­tá-la com a mai­or in­ten­si­da­de.

Das li­ções da vi­da, a mai­or de to­das que apren­di foi amar-me aci­ma de tu­do, ter e ti­rar o meu tem­po pa­ra me­di­tar, fa­zer exer­cí­ci­os fí­si­cos, mas­sa­gens, lim­pe­za de pe­le, dan­çar, bei­jar, fa­zer amor, pro­por­ci­o­nar-me os mai­o­res pra­ze­res da vi­da, cui­dar de mim e fa­zer ape­nas o que o meu cor­po e al­ma pe­dem. Con­se­quen­te­men­te, quan­do tu­do fun­ci­o­na nes­ta har­mo­nia, en­con­tra­mos o equi­lí­brio e a vi­da fun­ci­o­na em ple­ni­tu­de, tu­do flui. É is­so que acon­te­ce às mu­lhe­res com mui­to tra­ba­lho, com fi­lhos pa­ra cui­dar, mas que man­têm uma au­ra tran­qui­la, sem­pre cal­mas. Ha­bi­tuá­mos-nos a cha­mar-lhes pes­so­as zen. Na ver­da­de, zen é uma fi­lo­so­fia bu­dis­ta mas, mes­mo que não te­nha­mos co­nhe­ci­men­to des­sa fi­lo­so­fia, há mui­ta coi­sa que po­de­mos apren­der pa­ra vi­ver­mos com es­se es­ta­do de es­pí­ri­to per­ma­nen­te.

O que lhe pro­po­mos nes­ta edi­ção mui­to zen é que or­ga­ni­ze a sua vi­da de for­ma a ter a tran­qui­li­da­de e a paz de es­pí­ri­to que tan­to de­se­ja pa­ra en­fren­tar as lu­tas diá­ri­as. Pro­cu­ran­do o seu equi­lí­brio em res­pei­to ab­so­lu­to pe­la na­tu­re­za. Des­de pe­que­nos tru­ques pa­ra afas­tar o stress que po­de­rão pa­re­cer coi­sa mí­ni­ma, mas que te­rão um efei­to mui­to po­si­ti­vo na sua vi­da; a su­ge­rir-lhe a prá­ti­ca da yo­ga tam­bém pa­ra as cri­an­ças; a ou­vir e a obe­de­cer ao seu cor­po fa­zen­do o que ele pe­de; a res­pi­rar cor­rec­ta­men­te; a de­co­rar a sua ca­sa, pa­ra que es­te­ja em har­mo­nia com o seu ser, pois a de­co­ra­ção in­flu­en­cia o nos­so es­ta­do de es­pí­ri­to; a man­ter uma ali­men­ta­ção sau­dá­vel e co­mo a mo­da de co­mer se­men­tes in­va­diu os nos­sos pra­tos e nos faz bem à saú­de... Até a rou­pa que ves­ti­mos po­de res­pei­tar o meio am­bi­en­te e as leis do co­mér­cio. Cha­ma-se ethic fashi­on e é uma ten­dên­cia que tem ga­nho ca­da vez mais adep­tos.

Nes­ta edi­ção da­mos tam­bém voz a uma fi­gu­ra im­por­tan­te da mú­si­ca an­go­la­na: aque­la que rom­peu to­das as bar­rei­ras e que­brou to­dos os es­tig­mas nu­ma so­ci­e­da­de em que nun­ca foi co­mum uma tran­se­xu­al. Mas ela foi a pri­mei­ra a amar-se e a acei­tar-se, obe­de­ceu e ou­viu o seu cor­po, fa­zen­do ape­nas o que ele lhe pe­dia. Pois aí es­tá um gran­de exem­plo de quem sa­be apro­vei­tar a vi­da e a en­fren­ta sem me­do - Titica, a re­vo­lu­ção do ku­du­ru. Em en­tre­vis­ta, a can­to­ra con­ta-nos co­mo con­vi­veu com tan­ta dis­cri­mi­na­ção, mas tam­bém co­mo a vi­da lhe deu co­ra­gem pa­ra se li­ber­tar do cor­po de ho­mem que a acor­ren­ta­va e co­mo ho­je as crí­ti­cas e a ho­mo­fo­bia dei­xa­ram de a afe­tar. Titica sen­te-se uma mu­lher sexy e, so­bre­tu­do, quer ser va­lo­ri­za­da pe­la su­as ca­pa­ci­da­des co­mo ar­tis­ta. E me­re­ce-o! Mas tam­bém me­re­ce ser elo­gi­a­da pe­la sua co­ra­gem, por re­cu­sar o pre­con­cei­to. Ser di­fe­ren­te não é ser de­si­gual! Titica me­re­ce tan­to ou mais res­pei­to que qual­quer um de nós.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.