Pi­ja­ma Party

Super Fashion - - Bling Moda -

Su­per con­for­tá­vel, so­fis­ti­ca­da e mui­to fres­ca a ten­dên­cia pi­ja­ma não per­de a for­ça e há mo­de­los pa­ra to­dos os gos­tos.

1...de­ve lem­brar-se, em pri­mei­ro lu­gar, que não quer es­te ti­po de ce­nas em sua ca­sa, que não é es­te o ti­po de edu­ca­ção e re­la­ci­o­na­men­to que so­nhou ter com os seus fi­lhos. Es­ta cons­ci­en­ci­a­li­za­ção de­ve ser o seu pri­mei­ro pas­so.

PEQUIM A ca­pi­tal da Chi­na trans­por­ta­nos ao tem­po das di­nas­ti­as. A Ci­da­de Proi­bi­da va­le, só por si, uma vi­si­ta a Pequim. Cons­truí­da en­tre 1406 e 1420, es­ten­de-se por 720 mil me­tros qua­dros, por on­de se dis­tri­bu­em 980 edi­fí­ci­os que ali aco­lhe­ram des­de a di­nas­tia Ming à Quing. Li­ga­da por uma pas­sa­gem sub­ter­râ­nea, es­tá a Pra­ça Ce­les­ti­al, atu­al­men­te co­nhe­ci­da co­mo Pra­ça Ti­an­na­men. Im­per­dí­vel é tam­bém uma vi­si­ta à Gran­de Mu­ra­lha da Chi­na, o mo­nu­men­to que pe­la sua gran­de­za deu ori­gem ao mi­to de que po­de­ria ser vis­to da lua - co­me­çou a ser cons­truí­da no ano 220 a.C. e só vi­ria a fi­car ter­mi­na­da no séc. XV, com a Di­nas­tia Ming. NO­VA IOR­QUE Na "Big Ap­ple" que tal ado­tar o ro­tei­ro de "Se­xo e a Ci­da­de" e tal co­mo Car­rie Bradshow e as ami­gas per­der-se em com­pras lu­xu­o­sas en­tre a Quin­ta e a Sex­ta Ave­ni­da e co­mer cup­ca­kes na Mag­nó­lia Ba­kery ou jan­tar no asiá­ti­co Bu­dak­kan? No­va Ior­que é uma ci­da­de pa­ra ser vi­vi­da. Sin­ta­se tu­ris­ta e vi­si­te os lo­cais em­ble­má­ti­cos, co­mo a Es­tá­tua da Li­ber­da­de e o Em­pi­re Sta­te Buil­ding e não dei­xe de ho­me­na­ge­ar as ví­ti­mas do 11 de Se­tem­bro no Ground Ze­ro. Se ti­ver opor­tu­ni­da­de, não per­ca uma mis­sa no Har­lem, can­ta­da em gos­pel. É de ar­re­pi­ar.

Ain­da se lem­bra da sua vi­da sem re­des so­ci­ais, ou mes­mo sem in­ter­net? Con­se­guia vi­ver sem o seu smartpho­ne? Atra­vés das re­des, e já são tan­tas!, con­ta os seus mo­men­tos fe­li­zes, ex­põe por ve­zes as su­as an­gús­ti­as, fa­la com os seus ami­gos e en­con­tra gen­te que pen­sa­va nun­ca mais ver. Há quem ve­ja nas re­des so­ci­ais um ins­tru­men­to pa­ra os seus ne­gó­ci­os ou mes­mo pa­ra se sen­tir me­lhor com a vi­da. Mas, co­mo em qual­quer sector, tam­bém nes­te cam­po há es­tra­té­gi­as e tru­ques pa­ra se ser bem su­ce­di­da. As­sim, pa­ra ter su­ces­so nas re­des so­ci­ais, se­ja ela Ins­ta­gram, Fa­ce­bo­ok, Snap­chat, Whatsapp, You­tu­be ou ou­tra, o pri­mei­ro pas­so é cri­ar um per­fil di­ri­gi­do ao pú­bli­co que quer atin­gir, com pu­bli­ca­ções que lhes des­per­tem re­al­men­te in­te­res­se. Por exem­plo, se quer atin­gir um pú­bli­co fashi­on in­te­res­sa­do nas no­vas ten­dên­ci­as de mo­da, fa­rá sen- ti­do co­lo­car cons­tan­te­men­te posts so­bre literatura? Cla­ro que não! Pa­ra es­se seg­men­to exis­ti­rão re­des es­pe­ci­a­li­za­das em literatura. Es­se per­fil tam­bém de­ve ser com­ple­to, por­que os in­ter­nau­tas, tal co­mo em tu­do, des­con­fi­am de quem es­con­de in­for­ma­ção. Di­ga quem é, mos­tre-se. As­sim, o pri­mei­ro pas­so é cri­ar um per­fil di­re­ci­o­na­do pa­ra es­se pú­bli­co. E, se­gui­da­men­te, as su­as pu­bli­ca­ções de­vem ser re­la­van­tes pa­ra o al­vo que es­co­lheu. Mas, de pre­fe­rên­cia, de­ve pos­tar con­teú­dos ori­gi­nais, já que há mi­lha­res e mi­lha­res de con­tas, quer no Fa­ce­bo­ok, Ins­tan­gram, Whatsapp, etc. Ar­ran­je for­ma de as pes­so­as se in­te­res­sa­rem pe­lo seu per­fil, de que­rem se­guir a par e pas­so o que an­da a fa­zer, o que pen­sa, que fotos ti­rou, que ví­de­os fez, com quem es­te­ve, a que fes­tas foi... Mas não bas­ta os posts se­rem ori­gi­nais. As pu­bli­ca­ções de­vem ser cons­tan­tes. Co­mo quer pren­der um se­gui­dor se pos­tar al­gu­ma coi­sa só de mês a mês? Na web as coi­sas acon­te­cem no mo­men­to, lem­bre-se dis­so. Tem que se de­di­car e pu­bli­car fre­quen­te­men­te, de pre­fe­rên­cia mais do que uma vez por dia. E não se es­que­ça de in­te­ra­gir com quem fez li­kes ou co­men­tá­ri­os na sua pá­gi­na. Se co­men­ta­rem, dê uma res­pos­ta, as­sim cria uma re­la­ção. Ca­so con­trá­rio, é co­mo se al­guém lhe dis­ses­se bom dia e vo­cê não res­pon­des­se. Há tam­bém um tru­que pa­ra que as su­as pos­ta­gens, no­me­a­da­men­te no Ins­ta­gram, se­jam vis­tas por mais pes­so­as. Pa­ra is­so de­ve fa­zer uso de hash­tags. Por exem­plo, pu­bli­cou al­go so­bre mo­da an­go­la­na, en­tão use #an­go­la, # fashi­on, #mo­da, #mo­od e por aí fo­ra. Qu­an­to mais hash­tags di­re­ci­o­na­das ao te­ma, mais gen­te irá bus­car pa­ra ver o seu per­fil. E as­sim au­men­ta a pro­ba­bi­li­da­de de ter mais li­kes e mais se­gui­do­res. O mes­mo se apli­ca se vo­cê qui­ser fa­zer bus­cas por hash­tags - co­mo as pes­so­as rce­bem uma no­ti­fi­ca­ção, au­men­ta as hi­pó­te­ses de elas te­rem cu­ri­o­si­da­de e vi­rem vi­si­tar o seu per­fil. Co­mo ho­je em dia são ra­ras as pes­so­as que não es­tão em mais do que uma re­de so­ci­al, é igual­men­te im­por­tan­te re­di­re­ci­o­nar umas pá­gi­nas pa­ra as ou­tras ou pu­bli­car em si­mul­tâ­neo. Ou­tra so­lu­ção po­de pas­sar por cri­ar um blog. Por ou­tro la­do, há in­ves­ti­ga­do­res que se de­di­cam a es­tu­dar qual a me­lhor ho­ra pa­ra pos­tar nas re­des. No Ins­ta­gram, por exem­plo, pa­re­ce ser en­tre as 17 e as 18 ho­ras nos di­as úteis e en­tre as 13 e as 18 ho­ras ao fim de se­ma­na, na­que­la fai­xa de ho­rá­rio mais li­vre. E quem se ex­põem tam­bém fi­ca vul­ne­rá­vel a re­pa­ros, al­guns ne­ga­ti­vos, lem­bre-se dis­so. Se não gos­ta de crí­ti­cas, en­tão te­rá al­gu­mas in­com­pa­ti­bi­li­da­des com o su­ces­so nas re­des so­ci­ais. Te­rá de apren­der a li­dar com is­so, e sem­pre que sur­ja um comentário que con­si­de­re me­nos bom, não en­tre em guer­ra com es­sa pes­soa. O me­lhor é mes­mo ex­pli­car o seu pon­to de vis­ta e acei­tar que nem to­dos gos­ta­mos do mes­mo e te­mos idei­as di­fe­ren­tes. E sa­bia que, se o seu nú­me­ro de se­gui­do­res se tor­nar sig­ni­fi­ca­ti­vo po­de ga­nhar di­nhei­ro com is­so, atra­vés de pu­bli­ci­da­des e posts pa­tro­ci­na­dos? Pense nis­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.