Guc­ci ce­le­bra a di­ver­si­da­de

Super Fashion - - Tendências Moda - POR PATRycIA AfzAl

ales­san­dro Michele, o di­re­tor ar­tís­ti­co da Guc­ci, fez uma ex­po­si­ção Ma­de You Lo­ok exi­bi­da no ano pas­sa­do na Pho­to­grapher’s Gal­lery de Lon­dres. A ex­po­si­ção ex­plo­ra­va o uni­ver­so do dandysm, exal­ta­va o es­ti­lo mas­cu­li­no e be­le­za dos afro-ame­ri­ca­nos, no iní­cio do sé­cu­lo XXI.

O su­ces­so foi de tal ma­nei­ra im­pac­tan­te que pôs o te­ma di­ver­si­da­de na agen­da por mui­to tem­po.

Ales­san­dro sem­pre se po­si­ci­o­nou a fa­vor de uma mo­da mais di­ver­si­fi­ca­da, que re­pre­sen­te a so­ci­e­da­de no seu to­do e mi­li­ta sem­pre nes­se sen­ti­do.

Es­ta no­va cam­pa­nha é uma vi­bran­te ho­me­na­gem ao ar­tis­ta ma­li­a­no Ma­lik Si­di­be, que fa­le­ceu a 14 de Abril do ano pas­sa­do. É tam­bém uma ho­me­na­gem ao mo­vi­men­to nothern soul que emer­giu no fim dos anos 60 no Rei­no Uni­do.

A acam­pa­nha pre-fall 2017, ba­ti­za­da soul sce­ne foi re­a­li­za­da por Glen Lu­ch­ford, no Mild­may Club, em Lon­dres, e con­ta com um cas­ting 100% com­pos­to por jo­vens ne­gros e re­tra­ta uma fes­ta dos anos 60 on­de es­tão pre­sen­tes to­dos os có­di­gos tí­pi­cos da ce­na un­der­ground do northern soul.

A ex­po­si­ção Ma­de You Lo­ok ser­viu de re­fe­rên­cia, pa­ra es­ta cam­pa­nha que põe em ce­na qua­tro mo­de­los pro­fis­si­o­nais e 25 dan­ça­ri­nos.

O DNA da Guc­ci é fa­cil­men­te iden­ti­fi- cá­vel. A es­té­ti­ca da Guc­ci é vi­su­al­men­te mui­to for­te, com mui­ta per­so­na­li­da­de, ex­tra­va­gân­cia, ex­pres­são pes­so­al e um es­pí­ri­to vin­ta­ge mui­to afir­ma­do de ho­mens e mu­lhe­res que de­sa­fi­am as con­ven­ções so­ci­ais. As­sis­ti­mos a uma ex­plo­são de co­res, prints e aces­só­ri­os over the top, dos bla­zers vin­ta­ge aos track­suits. Pa­ra a Guc­ci

mo­re is mo­re e a men­sa­gem é sim­ples: Be you­self. Be loud.

Uma vez mais, a Guc­ci abra­ça e ce­le­bra a di­ver­si­da­de.

Ca­da in­di­ví­duo traz con­si­go a de­fi­ni­ção de que so­mos úni­cos e as nos­sas di­fe­ren­ças são a nos­sa pre­ci­o­si­da­de. Sen­do a mo­da o re­tra­to da nos­sa so­ci­e­da­de, é legítimo que re­pre­sen­te to­dos os que a com­põem,

sem apro­vei­ta­men­to, sem usar a di­ver­si­da­de co­mo uma es­tra­té­gia de mar­ke­ting, uma fer­ra­men­ta va­li­o­sa de ven­das, mas ge­nui­na­men­te res­pei­tan­do pa­drões re­a­lis­tas e, con­tra­ri­an­do os pa­drões ob­so­le­tos, des­per­tan­do ener­gi­ca­men­te a cons­ci­ên­cia co­le­ti­va. Vi­ve­mos um pe­río­do de in­ten­sas trans­for­ma­cões no pla­ne­ta fashion, pla­ne­ta es­se que ca­mi­nha a pas­sos len­tos, mas se­gu­ros, em di­re­ção a uma mo­da que se­ja o re­fle­xo da so­ci­e­da­de e pal­co de mai­or re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de, que abra alas pa­ra o plu­ral. Uma vez mais, a Guc­ci abra­ça e ce­le­bra a sin­gu­la­ri­da­de e a di­ver­si­da­de. Ales­san­dro Michele não de­cep­ci­o­na, sur­pre­en­de!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.