UMA NO­Tá­vEL LI­çÃO DE SAvOIR-FAIRE

Super Fashion - - Alta Costura Moda - PA­TRy­CIA AF­ZAL

A mar­ca bri­tâ­ni­ca pro­mo­veu um show apo­teó­ti­co que con­quis­tou Pa­ris. Lo­oks im­pac­tan­tes e sump­tu­o­sos são o tra­de mark do duo Ta­ma­ra Ralph&Micha­el Rus­so, que cri­am mo­de­los su­per ela­bo­ra­dos que va­lo­ri­zam a si­lhu­e­ta fe­mi­ni­na. Uma co­le­ção que é uma no­tá­vel li­ção de savoir-faire. O ate­li­er bri­tâ­ni­co da mar­ca com mais de 100 bor­da­dei­ras e cos­tu­rei­ras re­a­li­zou mo­de­los de so­nho. Os ves­ti­dos am­pu­lhe­ta de cin­tu­ra mar­ca­da em de­gra­dé de tu­le são uma au­tên­ti­ca pro­e­za téc­ni­ca. As­sis­ti­mos a uma pro­fu­são de bor­da­dos mag­ní­fi­cos, trans­pa­rên­ci­as es­tra­té­gi­cas e vo­lu­mes te­a­trais. A as­so­ci­a­ção de ren­das, pe­nas, ca­pas e fran­jas re­sul­tam num show fa­bu­lo­so e má­gi­co. O equi­lí­brio en­tre os mo­de­los mui­to ela­bo­ra­dos e os lo­oks des­po­ja­dos dos ca­be­los e ma­ke up pro­vam que Ralph&Rus­so li­dam per­fei­ta­men­te com as pro­por­ções. Nós es­ta­mos ren­di­das di­an­te de mais uma co­le­ção ma­gis­tral, ro­mân­ti­ca, es­ton­te­an­te, mi­nu­ci­o­sa e ri­ca. Con­fi­ra to­dos es­tes ad­je­ti­vos nas fo­tos.

O des­fi­le Di­or al­ta cos­tu­ra, as­si­na­do por Ma­ria Gra­zia Chiu­ri, foi mui­to es­pe­ra­do e gran­de a ex­pec­ta­ti­va de­po­si­ta­da nos de­li­ca­dos om­bros da es­ti­lis­ta. A co­le­ção foi uma ho­me­na­gem a Mr. Ch­ris­ti­an Di­or e ins­pi­ra­da num ma­pa en­con­tra­do nos ar­qui­vos da maison Di­or, que re­tra­ta­va a ex­pan­são glo­bal da maison nos cin­co con­ti­nen­tes nas úl­ti­mas se­te dé­ca­das. O des­fi­le foi bem con­se­gui­do. Co­me­çou com o tai­lo­ring, ca­sa­cos acol­cho­a­dos, ca­pas de es­ti­lo re­tro e mui­tos bla­zers de ins­pi­ra­ção mas­cu­li­na, nos te­ci­dos twe­ed e pi­ed- de-pou­le. Os cha­péus em fel­tro ter­mi­na­vam as si­lhu­e­tas an­dró­gi­nas, ins­pi­ra­das nos clo­sets mas­cu­li­nos. O tom do des­fi­le es­ta­va da­do - so­bri­e­da­de. Es­ta co­le­ção, pre­do­mi­nan­te­men­te cin­zen­ta, sem mui­tos ador­nos e com pe­ças mar­can­tes, vai agra­dar aos aman­tes da sim­pli­ci­da­de na al­ta cos­tu­ra. A se­gun­da par­te foi uma ho­me­na­gem ao savoir faire dos ate­li­ers fran­ce­ses. A le­ve­za do tul­le, a mous­se­li­ne fran­zi­da pa­ra for­mar um de­gra­dé, o pa­chwork de ve­lu­do e as múl­ti­plas flo­res bor­da­das cri­a­ram uma di­nâ­mi­ca va­ri­a­da e apai­xo­nan­te. Des­ta­cam-se pe­ças como um ca­sa­co ins­pi­ra­do no jo­go de ta­ro pes­so­al de Ma­ria Gra­zia Chiu­ri e bor­da­do em ce­tim pelo ate­li­er Ver­mont. O outro mo­de­lo for­te foi o ves­ti­do ca­sa­co aban­don, ins­pi­ra­do num mo­de­lo cri­a­do por Mr. Di­or em 1948, em cre­pe de lã cin­za, um mo­de­lo ori­gi­nal com uma go­la de vo­lu­me as­si­mé­tri­co ima­gi­na­da pela es­ti­lis­ta. Nos aces­só­ri­os, con­quis­ta­ram os ócu­los, que já pre­en­chem os car­nets de en­co­men­das. Os ócu­los do des­fi­le fo­ram cri­a­dos em 1976 por Marc Bohan, en­tão di­re­tor ar­tís­ti­co da maison. Na rein­ter­pre­ta­ção de Ma­ria Gra­zia Chiu­ri ga­nham con­tor­nos con­tem­po­râ­ne­os e um for­ma­to dis­tin­to. Um aces­só­rio que não fal­ta­rá na nos­sa wish­list. Es­te des­fi­le foi um re­tor­no às ori­gens, mui­to bem con­se­gui­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.