Como se cha­ma o teu ami­go ima­gi­ná­rio?

Super Fashion - - Bleifleesztayle Kanukus -

O seu fi­lho fa­la e brin­ca com um ami­go ima­gi­ná­rio? Não dra­ma­ti­ze, por­que a mai­o­ria das cri­an­ças é su­fi­ci­en­te­men­te cri­a­ti­va pa­ra cri­ar uma per­so­na­gem in­vi­sí­vel na sua vida. E, ao con­trá­rio, do que se pos­sa pen­sar até é um si­nal de um de­sen­vol­vi­men­to sau­dá­vel

cul­par o ami­go in­vi­sí­vel. "Não fui eu, foi o Ho­bes", des­cul­pa-se tan­tas ve­zes o ir­re­qui­e­to Cal­vin, das ti­ras de ban­da de­se­nha­da, pon­do a res­pon­sa­bi­li­da­de das tra­qui­ni­ces no seu ti­gre.

O que de­vem en­tão fa­zer os pais quan­do per­ce­be­rem que os fi­lhos fa­lam e brin­cam com um ami­go in­vi­sí­vel, que mais nin­guém vê a não ser a pró­pria criança? Em vez de con­tra­ri­ar o seu fi­lho, pro­cu­re ou­vi-lo e fi­car a co­nhe­cer me­lhor aque­la per­so­na­gem que ele in­ven­tou. Uma das ra­zões por que de­ve fa­zer is­so é o fac­to do ami­go ima­gi­ná­rio pro­je­tar os an­sei­os e de­se­jos do seu pró­prio in­ven­tor.

Is­to não quer di­zer que não ha­ja pro­ge­ni­to­res não fi­cam pre­o­cu­pa­dos quan­do ou­vem o seu fi­lho a fa­lar com al­guém que não exis­te. Qu­es­ti­o­nam-se no­me­a­da­men­te se os seus fi­lhos têm di­fi­cul­da­des em fa­zer ami­gos de ver­da­de ou se é si­nal de que so­frem de outro ti­po de pro­ble­ma. Mas, ao con­trá­rio do que pos­sam pen­sar, pa­re­ce que es­tas cri­an­ças são até bas­tan­te so­ciá­veis.

A pre­o­cu­pa­ção só de­ve sur­gir se por vol­ta dos seis aos oi­to anos, a criança per­sis­tir com es­ta si­tu­a­ção. É que por vol­ta des­ta ida­de já an­da na es­co­la, já de­ve ser bas­tan­te co­nhe­ce­dor da re­a­li­da­de e, so­bre­tu­do, ter os seus ami­gos de car­ne e os­so.

Além dis­so, é pre­ci­so es­tar aten­to e per­ce­ber se as brin­ca­dei­ras com o ami­go ima­gi­ná­rio são exa­ge­ra­das, ou se­ja, se pas­sam do li­mi­te ra­zoá­vel. Outro si­nal de aler­ta é o ca­so das cri­an­ças que se iso­lam, re­cu­sam ir à es­co­la e não que­rem brin­car com ou­tros miú­dos. Se a si­tu­a­ção for mes­mo pre­o­cu­pan­te, o acon­se­lhá­vel é pro­cu­rar a aju­da de um es­pe­ci­a­lis­ta. Se for de­te­ta­da no iní­cio, os pais de­vem pro­mo­ver a in­te­ra­ção com ou­tras cri­an­ças, le­van­do os fi­lhos ao par­que, a festas ou ins­cre­vê-los em ati­vi­da­des des­por­ti­vas.

Os pais não de­vem dra­ma­ti­zar e até po­dem mes­mo en­trar na brin­ca­dei­ra. Como por exem­plo, pe­dir li­cen­ça pa­ra pas­sar, pe­dir des­cul­pa por te­rem pi­sa­do o ami­go ima­gi­ná­rio sem que­rer. No fun­do, tra­tá-lo como se fos­se um mem­bro da fa­mí­lia. Uma das ra­zões pa­ra a acei­ta­ção do ami­go ima­gi­ná­rio pe­los pais é que en­tran­do nas con­ver­sas dos dois fi­ca a co­nhe­cer me­lhor o fi­lho - do que gos­ta, do que o pre­o­cu­pa.

Mas tam­bém não se de­ve exa­ge­rar. Até por­que os es­tu­dos de­sen­vol­vi­dos so­bre es­ta ma­té­ria mos­tram que as cri­an­ças têm no­ção de que o seu ami­go ima­gi­ná­rio não pas­sa dis­so mes­mo, é al­guém ou al­go que in­ven­ta­ram e que aca­ba por ser o seu ami­go de brin­ca­dei­ras e de con­ver­sas quan­do es­tá so­zi­nho. Daí ser mais co­mum nos fi­lhos úni­cos ou que têm uma di­fe­ren­ça de ida­de subs­tan­ti­va em re­la­ção aos ir­mãos.

Mo­ral da his­tó­ria: apro­vei­te os bons mo­men­tos com o seu fi­lho e o outro "mem­bro da fa­mí­lia", mes­mo que se­ja in­vi­sí­vel pa­ra si. E ve­rá que na al­tu­ra cer­ta ele de­sa­pa­re­ce­rá, pela mes­ma ar­te má­gi­ca que o cri­ou. Pa­ra man­ter es­sas bo­as me­mó­ri­as, ano­te al­guns epi­só­di­os, como o no­me e epi­só­di­os vi­vi­dos com o ami­go ima­gi­ná­rio. E um dia vão rir-se dis­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.