Ki­mo­no

Super Fashion - - Homens -

mo­da mas­cu­li­na co­lou-se à pe­ça ten­dên­cia da es­ta­ção: o ki­mo­no. Se de há uns tem­pos pa­ra cá es­ta pe­ça era ex­clu­si­va do guar­da-rou­pa fe­mi­ni­no, ago­ra pas­sou a ser tam­bém uma pe­ça de elei­ção pa­ra os ho­mens.

As gran­des ca­dei­as de lo­jas de­ram um to­que mas­cu­li­no a es­ta pe­ça de rou­pa de ori­gem ori­en­tal e o re­sul­ta­do é que o stre­et sty­le se en­cheu de si­lhu­e­tas mas­cu­li­nas mais fluí­das, com gran­de le­ve­za de mo­vi­men­tos.

Se an­tes sur­gi­am em ca­bi­des da Ver­sa­ce, Os­klen e Ken­zo, ago­ra os ki­mo­nos sur­gem nas lo­jas das gran­des ca­dei­as, como a es­pa­nho­la Za­ra. Tor­nan­do as­sim o ki­mo­no aces­sí­vel a to­dos e mas­si­fi­can­do a sua apa­ri­ção no guar­da-rou­pa mas­cu­li­no.

Há ki­mo­nos pa­ra to­dos os es­ti­los. O re­sul­ta­do é um lo­ok mo­der­no, des­con­traí­do e mui­to des­com­ple­xa­do.

O ki­mo­no é um tra­je tra­di­ci­o­nal do Ja­pão, usa­do por mu­lhe­res, ho­mens e cri­an­ças. A pa­la­vra, no sen­ti­do li­te­ral, tra­du­zi­do di­re­ta­men­te do ja­po­nês, sig­ni­fi­ca "coi­sa pa­ra ves­tir".

O smartpho­ne es­tá dis­po­ní­veis, a pre­ços ja­mais vis­tos, em to­do país, nas se­guin­tes lo­jas: teLeMANGOLA, POPSFAr CO­Mer­CI­AL, qUI­trOMICS, CA­SA LAtFA CI, teLeMIO UNIteL ADMIt CO­Mer­CI­AL, SU­Per­Mer­CA­DO CANDANDO Ad­qui­ra já o seu e sin­ta a ma­gia do mun­do tec­no­ló­gi­co num click!

oi cri­a­do há três anos por um gru­po de jo­vens em­pre­en­de­do­res an­go­la­nos que pro­me­te re­vo­lu­ci­o­nar o aces­so ao pa­co­te de dis­po­si­ti­vos por par­te da po­pu­la­ção an­go­la­na. Com uma pro­du­ção de al­ta qua­li­da­de, a uni­da­de tecnológica de pro­du­ção en­con­tra-se na Ásia, mas os seus cri­a­do­res são am­bi­ci­o­sos e pre­ten­dem cri­ar uma uni­da­de de pro­du­ção em An­go­la. FA Ca­ra de An­go­la, as­sim se de­no­mi­na o pri­mei­ro te­le­mó­vel an­go­la­no, ins­pi­ra­do nos sím­bo­los na­ci­o­nais como a Pa­lan­ca Ne­gra Gi­gan­te.

A FA Ca­ra de An­go­la pre­ten­de ge­rar ri­que­za ao país atra­vés de ex­por­ta­ções a ou­tros­tros paí­ses afri­ca­nos e cri­ar pos­tos de tra­ba­lho.o. A em­pre­sa es­tá se­di­a­da em Lu­an­da com uma es­tru­tu­ra di­vi­di­da em du­as áre­as, a Bu­si­nes­s­ness De­ve­lop­ment e a Pro­duct De­ve­lop­ment.

Quan­to à con­cor­rên­cia no mer­ca­do­merc na-na­ci­o­nal,ci­o­nal, um dos res­pon­sá­veis da FA Ca­raa de An­go­la diz: "Tra­ze­mos a iden­ti­da­dei­den­ti­dad an­go-ngo­la­na.la­na. O nos­so pro­du­to que não é imim­pes­so­al­so­al nem é pro­du­zi­do ale­a­to­ri­a­men­te, é ffei­to por an­go­la­nos e pa­ra an­go­la­nos. Aten­tos às su­as ne­ces­si­da­des, te­mos um pro­du­too per­so­na­li-pe­er­so­na­li­na­li­za­do­za­do e sin­gu­lar que em ter­mos dee sof­softwa­reftwa­re e hard­ware tem apli­ca­ções de­senv­de­sen­vol­vi­das­vol­vi­i­das por nós a pen­sar no bem es­tar da po­pu­la­ção.pop­pu­la­a­ção. ”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.