O que le­va as cri­an­ças a chu­char no de­do?

O há­bi­to que vem des­de a bar­ri­ga da mãe po­de mes­mo pro­lon­gar-se até à ida­de es­co­lar, mas o mais ha­bi­tu­al é que as cri­an­ças dei­xem de le­var o po­le­gar à bo­ca en­tre os dois e os qua­tro anos. Aten­ção às al­te­ra­ções nos den­tes

Super Fashion - - Lifestyle - POR MA­RIA SANTOS

Os pais não de­vem fa­zer um dra­ma por­que o fi­lho chu­cha no de­do. Quan­do são be­bés, le­vam o de­do à bo­ca ape­nas co­mo um re­fle­xo. Afi­nal, fi­ze­ram-no en­quan­to es­ta­vam na bar­ri­ga da mãe, co­mo tan­tas ve­zes po­de ser vis­to nas eco­gra­fi­as - e co­mo os pais fi­cam fe­li­zes ao po­der as­sis­tir a es­sa pro­e­za! É, aliás, por es­ta­rem tão ha­bi­tu­a­dos à suc­ção em am­bi­en­te ute­ri­no que as cri­an­ças têm fa­ci­li­da­de em acei­tar a chu­pe­ta as­sim que nas­cem. E é bas­tan­te nor­mal que pro­lon­guem o há­bi­to de le­var o de­do à bo­ca até aos três ou qua­tro anos.

Nos pri­mei­ros di­as e me­ses de vi­da, chu­char no de­do po­de sig­ni­fi­car que a cri­an­ça es­tá com fo­me. E ain­da que is­so não lhe en­cha a bar­ri­gui­nha, acal­ma o

be­bé nos pri­mei­ros mo­men­tos. Por is­so, os es­pe­ci­a­lis­tas acon­se­lham os pais que que­rem evi­tar a to­do o cus­to que os seus fi­lhos não ga­nhem es­te há­bi­to que se an­te­ci­pem e não dei­xem que eles che­guem a fi­car com fo­me.

Quan­do os den­ti­nhos es­tão a cres­cer, ro­çar com o de­do nas gen­gi­vas po­de ali­vi­ar mui­to a dor que o be­bé es­tá a sen­tir. Há mes­mo be­bés que le­vam to­da a mão à bo­ca, tal a afli­ção que sen­tem.

Os me­ses e os anos po­dem pas­sar e a cri­an­ça man­tém o há­bi­to de chu­char no de­do. Nes­se ca­so, is­so po­de acon­te­cer por­que a suc­ção tem so­bre a cri­an­ça um efei­to cal­man­te em si­tu­a­ções de an­si­e­da­de e de stres­se. Os pais de­vem ten­tar per­ce­ber o que é que lhe cau­sa es­sa ten­são e con­ver­sar com a cri­an­ça. Ca­sos ex­tre­mos po­dem le­var a que te­nha de re­cor­rer a um es­pe­ci­a­lis­ta, mas nor­mal­men­te is­so não é ne­ces­sá­rio por­que quan­do vão pa­ra a es­co­la os miú­dos sen­tem que já são cres­ci­dos e têm ver­go­nha dos co­le­gui­nhas.

Há, no en­tan­to, cri­an­ças que mes­mo já cres­ci­das chu­cham no de­do na ho­ra de ir pa­ra a ca­ma, já que a suc­ção lhes pro­por­ci­o­na o re­la­xa­men­to que pre­ci­sam pa­ra ador­me­cer tran­qui­la­men­te.

Por ou­tro la­do, há cri­an­ças que chu­cham no de­do por­que sim, por­que não têm na­da que fa­zer e se sen­tem des­con­traí­das com a suc­ção. Nes­tes ca­sos, e se o seu fi­lho já não é um be­bé, o me­lhor é es­tar aten­to e pro­por­ci­o­nar-lhe ati­vi­da­des pa­ra ele que não se sin­ta ten­ta­do a pas­sar o tem­po a chu­char.

Se con­se­gue an­te­ci­par os mo­men­tos e oca­siões em que o seu fi­lho es­ta­rá mais vul­ne­rá­vel e não re­sis­ti­rá chu­char no de­do, co­mo por exem­plo quan­do vê te­le­vi­são, ten­te dis­traí-lo com al­gu­ma coi­sa que lhe man­te­nha as mãos ocu­pa­das, co­mo uma bo­li­nha de bor­ra­cha ou fan­to­ches pa­ra ele brin­car, acon­se­lha o Baby Cen­ter.

Se o po­le­gar fi­car ver­me­lho ou a pe­le co­me­çar a ra­char de tan­to su­gar, de­ve apli­car-lhe um hi­dra­tan­te du­ran­te a noi­te, quan­do a cri­an­ça já es­ti­ver a dor­mir e sem o de­do na bo­ca.

Co­mo já se dis­se, mes­mo os mais chu­chões dei­xam de sê-lo en­tre os dois e os qua­tro, seis anos no má­xi­mo. Há quem en­ro­le um pa­no no po­le­gar da cri­an­ça ou lhe co­lo­que um pro­du­to amar­go na unha pa­ra os im­pe­dir de chu­char. Mas os pais têm de ter cui­da­do pa­ra que es­tes pro­ce­di­men­tos não se­jam en­ten­di­dos pe­la cri­an­ça co­mo um cas­ti­go in­jus­to e per­ce­ber se elas não se sen­tem hu­mi­lha­das. O me­lhor é sem­pre uma boa con­ver­sa e per­ce­ber as ra­zões que as le­vam a chu­char no de­do pa­ra se po­der an­te­ci­par e pre­ve­nir que is­so acon­te­ça.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.