Efei­to Ra­pun­zel

Com mo­der­nos apli­ques, alon­gar as ma­dei­xas nun­ca foi tão fá­cil e rá­pi­do

200 Cortes de Cabelo - - Universo Cabelo - Con­sul­to­ria: Jair Ve­do­va­to, hairsty­list de São Pau­lo, www.jair­ve­do­va­to.com.br Tex­to: LARISSA FARIA/COLABORADORA | De­sign DIEGO OFFERNI/CO­LA­BO­RA­DOR Foto: Shut­ters­tock Ima­ges

As­sim co­mo fa­zem as di­vas Taís Araú­jo, Pau­la Fer­nan­des e Ana Fur­ta­do, usar apli­ques po­de fa­zer ma­ra­vi­lhas pe­lo seu vi­su­al. Mas exis­tem di­fe­ren­ças en­tre os ti­pos de alon­ga­men­tos e a sua du­ra­ção. Des­cu­bra o me­lhor pa­ra vo­cê!

Alon­ga­men­to de fi­ta ade­si­va

Tra­ta-se do mé­to­do mais mo­der­no e é in­di­ca­do pa­ra quem quer dar com­pri­men­to e vo­lu­me ou quer fa­zer mechas sem usar quí­mi­ca no ca­be­lo. Pa­ra es­te pro­ce­di­men­to, que du­ra 3 me­ses sem ti­rar e é co­lo­ca­do em ape­nas 40 mi­nu­tos, uti­li­za-se uma pró­te­se ca­pi­lar mui­to fi­na e trans­pa­ren­te no ta­ma­nho de 4cm. “Por ser fei­to com um ma­te­ri­al que não re­quer fon­te de ca­lor, a téc­ni­ca não da­ni­fi­ca o ca­be­lo”, ex­pli­ca o hairsty­list Jair Ve­do­va­to, de São Pau­lo. Pa­ra fi­car na­tu­ral, é ne­ces­sá­rio ter, no mínimo, ca­be­los com 10cm de com­pri­men­to. “Se for co­lo­ca­do er­ra­do, po­de cau­sar que­da e dor no cou­ro ca­be­lu­do e as mechas po­dem cair an­tes dos três me­ses”, aler­ta Jair.

Cui­da­dos: use xam­pus sem ál­co­ol e sem sal (ou o re­co­men­da­do pe­lo fa­bri­can­te do apli­que) e más­ca­ras de tra­ta­men­to du­as ve­zes por se­ma­na. A lim­pe­za de­ve ser de­li­ca­da: la­ve sem mo­vi­men­tos cir­cu­la­res, pa­ra não em­ba­ra­çar o alon­ga­men­to. Uti­li­ze pri­mei­ro o xam­pu na raiz e em se­gui­da no com­pri­men­to. Após a la­va­gem, de­sem­ba­ra­ce das pon­tas até a raiz e fi­na­li­ze com cre­me sem en­xá­gue ou pro­du­tos que con­te­nham óleo de ar­gan. Cha­pi­nha e baby­liss só es­tão li­be­ra­dos a uma tem­pe­ra­tu­ra de até 120ºC.

Alon­ga­men­to de “tic tac”

Ide­al pa­ra quem quer alon­gar as ma­dei­xas por ape­nas um dia, o apli­que é fei­to com pre­si­lhas que são fi­xa­das no ca­be­lo. Elas fi­cam es­con­di­das en­tre os fi­os, mas de­vem ser re­ti­ra­das an­tes de dor­mir. Exis­tem dis­po­ní­veis no mer­ca­do ver­sões fei­tas com ca­be­lo na­tu­ral ou sin­té­ti­co. A apli­ca­ção é rá­pi­da, mas exi­ge ha­bi­li­da­de, pa­ra o alon­ga­men­to não sol­tar ao lon­go do dia. Pa­ra fa­zer em ca­sa, bas­ta di­vi­dir o ca­be­lo na al­tu­ra em que vai ser co­lo­ca­do o apli­que “tic tac” e aper­tar as pre­si­lhas, que elas fi­xam no ca­be­lo. Ge­ral­men­te, são uti­li­za­dos se­te mechas do pro­du­to, sen­do dis­tri­buí­das em lo­cais es­tra­té­gi­cos da ca­be­ça, ou co­mo de­se­jar o efei­to. Alon­ga­men­tos fei­tos com ca­be­lo humano po­dem ser la­va­dos e hi­dra­ta­dos nor­mal­men­te. Já os sin­té­ti­cos re­que­rem al­guns cui­da­dos na ma­nu­ten­ção: não po­dem ser co­lo­ca­dos em água quen­te ou ex­pos­tos a cos­mé­ti­cos. Fi­que de olho na quan­ti­da­de: ca­be­los mais ra­los pre­ci­sam de alon­ga­men­tos que con­te­nham mais mechas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.