Fi­que di­va!

Bus­que inspiração pa­ra com­por o lo­ok nas mais be­las mu­sas do cinema

200 Cortes de Cabelo - - É Novidade - Tex­to: MA­RI­A­NA SIQUEIRA/COLABORADORA

Au­drey Hep­burn

Au­drey é uma das divas mais fa­mo­sas do cinema e re­fe­rên­cia pa­ra es­ti­lis­tas, ma­qui­a­do­res e ca­be­lei­rei­ros do mun­do to­do. Sem­pre com um vi­su­al im­pe­cá­vel, a eter­na “Bo­ne­qui­nha de Lu­xo” foi res­pon­sá­vel por tor­nar o co­que al­to um dos penteados mais po­pu­la­res de to­dos os tem­pos.

Co­mo usar es­se vi­su­al ho­je?

Es­se pen­te­a­do tem um ar de anos 60, mas é bem atu­al e per­fei­to pa­ra com­por um lo­ok ro­mân­ti­co e clás­si­co. “Mes­mo com o es­ti­lo po­li­do, ele po­de ser fa­cil­men­te adap­ta­do pa­ra o dia a dia, dei­xan­do al­gu­mas me­chas e fi­os sol­tos e o co­que um pou­co mais frou­xo”, ex­pli­ca Wil­son Eli­o­do­rio, hairsty­list do Wil­son Eli­o­do­rio Stu­dio. Em da­tas es­pe­ci­ais, aposte em gram­pos e spray, pa­ra fi­xar bem o pen­te­a­do, e um aces­só­rio pa­ra fi­na­li­zar a pro­du­ção.

Ma­rilyn Mon­roe

A ver­da­dei­ra de­fi­ni­ção de “loi­ra fa­tal”, Ma­rilyn é, até ho­je, um dos mai­o­res íco­nes de be­le­za e sen­su­a­li­da­de da his­tó­ria. Uma das mais po­pu­la­res es­tre­las dos anos 50, a loi­ra pro­va que os cur­ti­nhos po­dem com­bi­nar -e mui­to! - com qual­quer ti­po de pen­te­a­do. O se­gre­do são as on­das bem mar­ca­das no ca­be­lo cor­ta­do, de pre­fe­rên­cia, no es­ti­lo cha­nel, ga­ran­tin­do o lo­ok de di­va!

Co­mo usar es­se vi­su­al ho­je?

“O es­ti­lo é ide­al pa­ra quem tem ca­be­los cur­tos, até a al­tu­ra das ore­lhas, e de­ve ser fei­to com baby­liss em me­chas mais gros­sas. Apos­tar no vo­lu­me em lu­ga­res es­pe­cí­fi­cos, co­mo la­te­rais ou atrás da ca­be­ça, cria um efei­to gla­mou­ro­so”, de­ta­lha Wil­son. Pa­ra não dei­xar o lo­ok mui­to ex­tra­va­gan­te, adap­te o pen­te­a­do ao seu es­ti­lo no dia a dia e pre­pa­re-se pa­ra os elogios!

Gra­ce Kelly

Íco­ne de mo­da e be­le­za dos anos 50, Gra­ce viveu uma his­tó­ria con­si­de­ra­da um con­to de fa­das, ins­pi­ran­do mu­lhe­res mes­mo após mais de 30 anos de sua mor­te. A atriz, que aban­do­nou a car­rei­ra em Hollywood pa­ra se ca­sar com o prín­ci­pe de Mô­na­co, apos­ta­va nos fi­os com on­das bem es­tru­tu­ra­das, mol­da­das em ca­chos lar­gos, que va­lo­ri­za­vam su­as ma­dei­xas cla­ras, cri­an­do gla­mou­ro­sos penteados de prin­ce­sa.

Co­mo usar es­se vi­su­al ho­je?

O lo­ok é per­fei­to pa­ra ser usa­do em even­tos no­tur­nos. Pa­ra re­pro­du­zir o co­que e seu es­ti­lo re­quin­ta­do, o ide­al é apos­tar no vo­lu­me clás­si­co dos penteados da época. Com­ple­te o vi­su­al com um le­ve to­pe­te ou, se preferir, ti­a­ras ou pre­si­lhas, que irão dar o to­que de de­li­ca­de­za e fe­mi­ni­li­da­de tí­pi­cos do es­ti­lo de Gra­ce Kelly.

Bri­git­te Bar­dot

A atriz fran­ce­sa foi um íco­ne de be­le­za nas décadas de 60 e 70 e seu es­ti­lo per­ma­ne­ce co­mo ten­dên­cia pa­ra as mu­lhe­res até ho­je. O to­pe­te era a mar­ca re­gis­tra­da da mu­sa, que o ado­ta­va em oca­siões ca­su­ais e for­mais com mui­ta clas­se e na­tu­ra­li­da­de, trans­for­man­do-o em um clás­si­co.

Co­mo usar es­se vi­su­al ho­je?

Com­bi­ne o to­pe­te com fran­jas e fi­os sol­tos, semi-presos, co­ques ou tran­ças. “Em oca­siões for­mais, pro­cu­re dei­xar os fi­os ali­nha­dos e, em even­tos mais sim­ples, aposte no ba­gun­ça­di­nho, pa­ra cri­ar um lo­ok mais des­po­ja­do”, in­di­ca o hairsty­list.

Ri­ta Hayworth

Gla­mour e sen­su­a­li­da­de são mar­ca re­gis­tra­da da di­va dos anos 40, que foi con­sa­gra­da co­mo a mai­or es­tre­las da dé­ca­da e uma das mu­lhe­res mais de­se­ja­das do cinema por sua atu­a­ção no fil­me Gil­da (1946). Ri­ta imor­ta­li­zou o es­ti­lo “Old Hollywood” com ca­be­los sol­tos e es­tru­tu­ra­dos, com on­das bem mar­ca­das. Seu pen­te­a­do é um dos re­pre­sen­tan­tes do gla­mour do cinema da dé­ca­da de 30 e 40, e é óti­mo pa­ra quem quer apos­tar em fi­os mais ela­bo­ra­dos sem abrir mão do ca­be­lo sol­to.

Co­mo usar es­se vi­su­al ho­je?

O on­du­la­do sol­to e su­til po­de ser ado­ta­do tan­to em even­tos for­mais quan­to ca­su­ais. O ide­al é que o ca­be­lo es­te­ja li­so e com com­pri­men­to abai­xo do om­bro, pa­ra que haja o pe­so ne­ces­sá­rio pa­ra for­mar on­das mais de­fi­ni­das. Ou­tra di­ca é apos­tar em bo­bes vi­ra­dos pa­ra bai­xo pa­ra cri­ar a on­du­la­ção, já que o baby­liss ti­ra o vo­lu­me dos ca­be­los, que é es­sen­ci­al pa­ra dar um to­que de gla­mour ao pen­te­a­do.

| De­sign: AMANDA MAR­QUES/COLABORADORA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.