Jus­ti­ça sol­ta acu­sa­do de es­tu­prar pas­sa­gei­ra den­tro de co­le­ti­vo

Agora - - Nas Ruas - (LF)

A Jus­ti­ça de São Pau­lo sol­tou, on­tem, após au­di­ên­cia de cus­tó­dia, o sus­pei­to de eja­cu­lar no pes­co­ço de uma pas­sa­gei­ra den­tro de ôni­bus que pas­sa­va na ave­ni­da Pau­lis­ta (re­gião cen­tral), an­te­on­tem, no pri­mei­ro ca­so da se­ma­na, na mes­ma via. A de­ci­são aten­deu a pa­re­cer do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co.

Se­gun­do tes­te­mu­nhas, o ho­mem se mas­tur­bou e eja­cu­lou na ví­ti­ma. A po­lí­cia re- gis­trou o ca­so co­mo es­tu­pro e pren­deu o acu­sa­do em fla­gran­te até a au­di­ên­cia ju­di­ci­al de ho­mo­lo­ga­ção.

Na ma­nhã de on­tem, no en­tan­to, o juiz Jo­sé Eu­gê­nio do Ama­ral Sou­za Ne­to de­ci­diu que o ho­mem de­ve­ria res­pon­der pe­lo ato em liberdade, pois con­si­de­rou que não hou­ve es­tu­pro, pois o ho­mem não usou de vi­o­lên­cia ou gra­ve ame­a­ça pa­ra co­me­ter o ato con­tra a ví­ti­ma, co­mo es­tá pre­vis­to na lei.

No en­ten­di­men­to do juiz, o ato co­me­ti­do pe­lo sus­pei­to de 27 anos se en­qua­dra na con­tra­ven­ção de im­por­tu­na­ção ofen­si­va ao pu­dor, cu­ja pe­na é mul­ta. No en­ten­di­men­to de­le, não é pos­sí­vel en­qua­drar co­mo fla­gran­te.

Ape­sar de co­lo­car o acu­sa­do em liberdade, o juiz des­ta­cou a gra­vi­da­de da con­du­ta do acu­sa­do, “ade­mais pe­la fo­lha de an­te­ce­den­tes do in­di­ci­a­do, ve­ri­fi­ca-se que tem his­tó­ri­co des­se ti­po de com­por­ta­men­to”. Se­gun­do o Tri­bu­nal de Jus­ti­ça, pe­sa con­tra ele uma ou­tra acu­sa­ção de cri­me se­xu­al. Nes­se ca­so, ele foi pre­so em fla­gran­te em se­tem­bro de 2013. Em ou­tro re­gis­tro, de con­tra­ven­ção pe­nal de 2011, ele não foi lo­ca­li­za­do quan­do foi in­ti­ma­do. Ou­tros ca­sos con­tra ele es­tão em se­gre­do de Jus­ti­ça.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.