Se­te bair­ros da zo­na les­te li­de­ram mor­tes em aas­s­s­sa­allt­too

De janeiro e agos­to de 2017, na ca­pi­tal, nú­me­ro de ví­ti­mas avan­ça 34% e pas­sa de 68 pa­ra 91 ca­sos

Agora - - Nas Ruas - (FSP)

Um quar­to dos as­sal­tos se­gui­dos de mor­te es­tão con­cen­tra­dos em 7 dos 96 dis­tri­tos de São Paulo. Com 9% da po­pu­la­ção da ca­pi­tal, Gu­ai­a­na­ses, Itaim Pau­lis­ta, José Bo­ni­fá­cio, São Ma­teus, La­je­a­do, São Miguel e Vi­la Cu­ru­çá res­pon­dem por 24% dos la­tro­cí­ni­os em re­cor­te ana­li­sa­do pe­la re­por­ta­gem.

Re­por­ta­gem do Ago­ra no dia 17 de ju­lho já apon­ta­va o mai­or nú­me­ro de mor­tes em rou­bos nos bair­ros da re­gião.

O le­van­ta­men­to da re­por­ta­gem con­tem­pla os ca­sos ocor­ri­dos em 12 me­ses, de ju­lho de 2016 a ju­nho de 2017, re­ti­ra­dos do si­te Trans­pa­rên­cia da Se­cre­ta­ria da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, da ges­tão Alck­min (PSDB). A es­ta­tís­ti­ca do go­ver­no con­ta­bi­li­za um to­tal de 138 ca­sos no pe­río­do. A re­por­ta­gem, po­rém, en­con­trou ape­nas os da­dos re­la­ti­vos a 106 —uma das ex­pli­ca­ções é que ca­sos re­gis­tra­dos ini­ci­al­men­te co­mo ho­mi­cí­di­os po­dem ter si­do de­pois re­clas­si­fi­ca­dos.

Se­gun­do o le­van­ta­men­to da re­por­ta­gem, os la­tro­cí­ni­os acon­te­cem prin­ci­pal­men­te na rua (60%), mas também em re­si­dên­ci­as (15%) e res­tau­ran­tes e ba­res (10%).

Ape­nas 15% dos la­tro­cí­ni­os ocor­re­ram no cen­tro ex­pan­di­do. Bair­ros no­bres co­mo Pi­nhei­ros, Al­to de Pi­nhei­ros e Mo­rum­bi, na zo­na oes­te, e Mo­e­ma e Cam­po Be­lo, na sul, não apa­re­ce­ram nos da­dos.

O per­fil pre­do­mi­nan­te en­tre as ví­ti­mas é de ho­mens aci­ma de 40 anos, ca­sa­dos e com mai­or grau de ins­tru­ção. Os mor­tos em ho­mi­cí­di­os co­muns são mais jo­vens e com en­si­no fun­da­men­tal.

A ca­da dez mor­tos em as­sal­tos, um per­ten­ce à Po­lí­cia Mi­li­tar. Há uma ava­li­a­ção en­tre os po­li­ci­ais de que, se fo­rem des­co­ber­tos pe­los cri­mi­no­sos, se­rão as­sas­si­na­dos. Por isso, pre­fe­rem re­a­gir aos as­sal­tos ime­di­a­ta­men­te.

De­sar­ma­do

José Re­gi­nal­do Bar­bo­sa, 66 anos, es­tá nas es­ta­tís­ti­cas. Du­ran­te um as­sal­to ao seu bar, ele fez um mo­vi­men­to brus­co pa­ra em­pur­rar a com­pa­nhei­ra pa­ra fo­ra do cam­po de vi­são dos ban­di­dos. Foi atin­gi­do por um ti­ro no co­ra­ção. O cri­me que vi­ti­mou Bar­bo­sa ocor­reu em no­vem­bro de 2016, em um mo­des­to bar, re­ple­to de en­fei­tes do Co­rinthi­ans. Co­nhe­ci­do no bairro co­mo “Ma­la Veia”, ele es­ta­va ali ha­via 33 anos.

“Os mes­mos ban­di­dos que ma­ta­ram o ‘Ma­la Veia’ fi­ze­ram ar­ras­tão em três ba­res na­que­la noi­te”, diz Ro­sân­ge­la Fi­lo­me­na da Silva, 50, com­pa­nhei­ra da ví­ti­ma.

Marlene Ber­ga­mo/Folhapress

Ro­sân­ge­la Fi­lo­me­na da Silva, 50 anos, segura a fo­to de seu ex-com­pa­nhei­ro, José Re­gi­nal­do Bar­bo­sa, 66 anos mor­to du­ran­te as­sal­to a bar em no­vem­bro de 2016; ban­di­dos acha­ram que ele es­ta­va ar­ma­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.