NO INÍ­CIO, ERA O BLU­ES...

Sem um um­mar­co mar­co exa­to de on­de te­nha co­me­ça­do, a pri­mei­ra era do rock foi do­mi­na­da pe­lo rhythm and blu­es e o roc­ka­billy. É a épo­ca dos to­pe­tes em­pas­ta­dos de bri­lhan­ti­na e das ja­que­tas de cou­ro

ALMANAQUE DO ROCK - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - Primeira Era -

On­de co­me­ça a his­tó­ria do rock?

A res­pos­ta de­pen­de­rá mui­to de até on­de vo­cê quer che­gar. Se for até as pri­mei­ras gra­va­ções re­co­nhe­ci­das co­mo sen­do “le­gí­ti­mas” can­ções de rock'n'roll, po­de-se di­zer que tu­do te­ve iní­cio em me­a­dos da dé­ca­da de 1950, po­rém, mes­mo as­sim há di­ver­gên­ci­as. A mai­o­ria dos pes­qui­sa­do­res atri­bui tal hon­ra a Bill Ha­ley and His Co­mets, com Rock Around the Clock, lan­ça­da em 1955 e gra­va­da no ano an­te­ri­or. No en­tan­to, o pró­prio Bill Ha­ley já fi­ze­ra su­ces­so, em 1953, com Crazy Man, Crazy, por mui­tos con­si­de­ra­do co­mo o pri­mei­ro rock'n'roll a che­gar ao to­po nas pa­ra­das mu­si­cais. Além dis­so, é im­pos­sí­vel ig­no­rar Roc­ket 88, uma can­ção gra­va­da por Ike Tur­ner and His Rhythm Kings em 1951 e lan­ça­da co­mo sen­do de “Jac­kie Brens­ton and His Del­ta Cats”. Brens­ton, na ver­da­de, era o sa­xo­fo­nis­ta da ban­da e can­tou ape­nas nes­sa gra­va­ção, mes­mo as­sim o pro­du­tor Sam Phil­lips (o mes­mo que al­guns anos de­pois “des­co­bri­ria” El­vis Pres­ley) de­ci­diu usar es­se no­me na ca­pa do dis­co. Um ano an­tes, po­rém, Fats Do­mi­no já ha­via lan­ça­do The Fat Man, com a ba­ti­da que ca­rac­te­ri­za­ria o no­vo rit­mo. Mas não pa­ra por aí: em 1948, Wy­no­nie Har­ris com seu dan­çan­te Go­od Roc­kin' To­night, Paul Bas­comb e sua Rock and Roll (sim, era es­se o no­me!) e “Wild” Bill Mo­o­re com We're Gon­na Rock, We're Gon­na Roll, eram exem­plos de can­ções tão “roc­kers” quan­to qual­quer ou­tra que El­vis, Bill Ha­ley e tan­tos ou­tros can­ta­ri­am seis ou se­te anos de­pois. Is­so sem con­tar que du­ran­te to­da a dé­ca­da de 1940 o rhythm and blu­es (R&B) de ar­tis­tas co­mo Muddy Wa­ters, The Do­mi­no­es, Jimmy Pres­ton e “Big” Joe Tur­ner, en­tre ou­tros, já an­te­ci­pa­va os acor­des bá­si­cos do que se­ria cha­ma­do rock'n'roll na dé­ca­da se­guin­te. Não por aca­so, os com­po­si­to­res fa­vo­ri­tos de Joe Tur­ner eram Jer­ry Lei­ber e Mi­ke Stol­ler, que, mais tar­de, con­tri­bui­ri­am pa­ra a his­tó­ria do rock com clás­si­cos co­mo Hound Dog, Stand by Me e Jai­lhou­se Rock.

E os in­gle­ses ain­da po­de­ri­am rei­vin­di­car o pi­o­nei­ris­mo, se não do rit­mo, pe­lo me­nos da re­bel­dia do rock, atra­vés dos gru­pos de skif­fle, um es­ti­lo de jazz to­ca­do com ins­tru­men­tos im­pro­vi­sa­dos que do­mi­na­va as ru­as de Lon­dres, Li­ver­po­ol e Man­ches­ter no fi­nal da dé­ca­da de

40 e me­a­dos dos 50. Um des­ses gru­pos, o The Qu­ar­ry­men, ti­nha um tal de John Len­non em sua for­ma­ção. Mas es­sa já é uma ver­são mais di­fí­cil de sus­ten­tar, as­sim co­mo a de Chuck Ber­ry, que rei­vin­di­ca pa­ra si a in­ven­ção do rock'n'roll en­quan­to ten­ta­va com­por uma música coun­try, por vol­ta de 1952.

MAIS EMBAIXO

O ter­mo “rock and

Mas se vo­cê quer ir até as raí­zes mais pro­fun­das, po­de che­gar às la­vou­ras de al­go­dão dos Es­ta­dos Unidos, no sé­cu­lo 19, on­de es­cra­vos en­to­a­vam seus cân­ti­cos de tris­te­za di­vi­di­dos em três sequên­ci­as de qua­tro com­pas­sos, mais tar­de de­no­mi­na­dos “blu­es” e que de­ram ori­gem ao jazz já nas pri­mei­ras dé­ca­das do sé­cu­lo 20. Daí até as pi­o­nei­ras can­ções re­co­nhe­ci­das co­mo rock'n'roll, o ca­mi­nho foi lon­go e tor­tu­o­so, mas, in­dis­cu­ti­vel­men­te, re­che­a­do de he­róis anô­ni­mos. His­to­ri­a­do­res que se em­bre­nham nes­se ro­tei­ro aca­bam por en­con­trar no­vas ver­sões pa­ra o mes­mo fa­to: o de que nin­guém cri­ou o rock'n'roll,

roll” era usa­do no

iní­cio do sé­cu­lo pe­los

ne­gros ame­ri­ca­nos

co­mo re­fe­rên­cia ao

se­xo (al­go co­mo o

“ra­la e ro­la” de ho­je)

e apa­re­ceu pe­la

pri­mei­ra vez em uma

gra­va­ção mu­si­cal no

ano de 1922, com

a can­to­ra de blu­es

Tri­xie Smith, em “My

Man Rocks Me (With

One Ste­ady Roll)”.

ele se de­sen­vol­veu es­pon­ta­ne­a­men­te na jor­na­da que fez cru­zar as es­tra­das do blu­es e do jazz. Even­tu­al­men­te, a coun­try mu­sic po­de der da­do sua con­tri­bui­ção, mas ela se em­bre­nhou em um ca­mi­nho pró­prio du­ran­te es­se per­cur­so.

Jun­te a es­se fer­ven­te cal­dei­rão mu­si­cal as con­di­ções so­ci­ais con­fli­tu­o­sas do pós-gu­er­ra. Jo­vens de­sem­pre­ga­dos, ame­ri­ca­nos e in­gle­ses, mui­tos vin­dos de fa­mí­li­as de­ses­tru­tu­ra­das e fi­lhos de pais ain­da aba­la­dos pe­la Se­gun­da Gran­de Gu­er­ra, vi­am nes­sa música uma vál­vu­la de es­ca­pe pa­ra su­as ago­ni­as. Mas o som que em­ba­la­ria es­sa mo­ça­da não era blu­es, nem jazz, nem coun­try, e sim uma ver­são ace­le­ra­da que mis­tu­ra­va es­ses rit­mos, cri­an­do al­go no­vo e fas­ci­nan­te. A no­va on­da mu­si­cal foi cha­ma­da de roc­ka­billy e, de­pois, rock'n'roll.

A re­a­ção de hor­ror e re­pul­sa dos adul­tos an­te às dan­ças es­can­da­lo­sas e àque­la música ba­ru­lhen­ta foi um im­pul­so ex­tra pa­ra que ado­les­cen­tes e jo­vens adul­tos re­bel­des amas­sem ain­da mais o rock'n'roll. É cla­ro que a ori­gem ne­gra do rit­mo (o ra­cis­mo nos EUA não po­de ser pos­to de la­do nes­sa his­tó­ria) con­tri­buiu pa­ra que mui­tas dis­tor­ções fos­sem per­pe­tu­a­das, in­clu­si­ve a de que o rock ti­ves­se si­do in­ven­ta­do por El­vis ou Bill Ha­ley. Am­bos ta­len­to­sos, sem dú­vi­da, mas nem de lon­ge os cri­a­do­res do rit­mo. Na ver­da­de o R&B dos anos de 1940 era a

Em 1931, Adolph

Ric­ken­bac­ker

cons­truiu a pri­mei­ra

gui­tar­ra elé­tri­ca,

ins­tru­men­to

es­sen­ci­al pa­ra a

so­no­ri­da­de do rock.

mes­ma música, o pro­ble­ma é que não era fei­ta por bran­cos...

FURACÃO

A par­tir da me­ta­de da dé­ca­da de 1950, o nú­me­ro de gru­pos e ar­tis­tas que se au­to­de­no­mi­na­vam co­mo roc­kers pas­sou a se mul­ti­pli­car, bem co­mo es­ti­lo fi­car ca­da vez mais ca­rac­te­rís­ti­co e di­fe­ren­ci­a­do de su­as ma­tri­zes. Não de­mo­rou pa­ra que o rock'n'roll do­mi­nas­se as rá­di­os e as pa­ra­das mu­si­cais. De 1955 a 1959, a par­ti­ci­pa­ção do rock no mercado mu­si­cal deu um sal­to da ca­sa dos 15% pa­ra mais de 40%. No en­tan­to, na vi­ra­da da dé­ca­da, co­me­çou a per­der for­ça, mui­to por con­ta das gra­va­do­ras que pre­fe­ri­am ar­tis­tas me­nos po­lê­mi­cos e mais ro­mân­ti­cos (e mais ven­de­do­res, cla­ro). A re­bel­dia per­dia lu­gar pa­ra can­ções ado­ci­ca­das. As ja­que­tas de cou­ro eram tro­ca­das por ter­nos e os to­pe­tes fi­ca­vam mais cur­tos. Até que, por vol­ta de 1961 e 62, uma no­va on­da sur­gi­ria, com no­vos no­mes e com­por­ta­men­tos, pra­ti­ca­men­te se­pul­tan­do a pri­mei­ra gran­de era do rock, mas não as in­fluên­ci­as. Cer­ta­men­te, aqui não ca­be­ri­am to­dos os no­mes, mas pro­cu­ra­mos in­cluir os prin­ci­pais, que reu­ni­dos dão um pa­no­ra­ma qu­a­se com­ple­to des­sa era, que po­de-se di­zer du­rou até 1960/61.

O ar­te­fa­to re­ce­beu

o ape­li­do de Frying

Pan, por sua

se­me­lhan­ça com

uma fri­gi­dei­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.