A FÚRIA REVOLUCIONÁRIA

Ape­sar de ess es­se ter si­do o pe­río­do mais cur­to de to­dos, cer­ta­men­te foi o que mais mu­dou a ca­ra do rock. Mar­ca­do pe­la ex­plo­são punk, en­tre 1976-77, vi­rou a música de ca­be­ça pa­ra bai­xo. De cer­ta for­ma, foi uma vol­ta às raí­zes, de­vol­ven­do o rock pa­ra as r

ALMANAQUE DO ROCK - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - Quarta Era -

Aquar­ta gran­de mu­dan­ça do

uni­ver­so ro­quei­ro, na ver­da­de foi uma rup­tu­ra, com­pa­rá­vel a um bar­ril de pól­vo­ra com um pa­vio lon­go, que foi ace­so lá atrás, nos anos 60, até ex­plo­dir em 1976 e aba­lar to­das as es­tru­tu­ras. O punk foi o úl­ti­mo gran­de fenô­me­no da cul­tu­ra pop que mu­dou pa­ra sem­pre não só a ca­ra do rock, co­mo da música em si, das ar­tes em ge­ral, do com­por­ta­men­to e da mo­da. Ini­ci­al­men­te, acon­te­ceu nas ru­as de Lon­dres, de­pois to­mou boa par­te da Eu­ro­pa e dos EUA en­tre o ve­rão de 1976 e o fi­nal de 1977. Ho­je, o punk faz par­te da cul­tu­ra jo­vem em qu­a­se to­dos os paí­ses do mun­do. No en­tan­to, ape­sar das im­pli­ca­ções so­ci­ais que ain­da mo­ti­vam di­ver­sas te­ses de dou­to­ra­do so­bre es­se fenô­me­no, o que in­te­res­sa aqui são seus efei­tos no rock, que não fo­ram pou­cos.

NITROGLICERINA

Na ver­da­de, o punk rock já exis­tia des­de os anos 60, se­ja re­pre­sen­ta­do pe­las ban­das de ga­ra­gem ou gru­pos co­mo Sto­o­ges e MC5. Mais con­cre­ta­men­te, em New York, por vol­ta de 1974, o punk rock co­me­çou a se es­pa­lhar, com o New York Dolls e o Dic­ta­tors (ho­je, am­bos são cha­ma­dos “pro­to-punks”), além do Te­le­vi­si­on que era me­nos agres­si­vo, mas igual­men­te pe­ri­go­so. Até na Aus­trá­lia gru­pos co­mo o Ra­dio Bird­man e o The Saints já fa­zi­am um som que po­dia ser de­no­mi­na­do punk (am­bos se­ri­am as­sim ro­tu­la­dos dois anos de­pois). O Ra­mo­nes e o pró­prio Sex Pis­tols, co­me­ça­ram a fa­zer shows em 1975, além de ou­tros tan­tos pi­o­nei­ros que fi­ca­ram me­nos co­nhe­ci­dos, co­mo o Pe­re Ubu (nos EUA) e o The Stran­glers (na In­gla­ter­ra), por exem­plo.

É bem di­fí­cil di­zer exa­ta­men­te on­de, co­mo e quan­do co­me­çou o punk, mas a quar­ta era do rock, quan­do tu­do re­al­men­te mu­dou, te­ve um mar­co: 1976, com os pri­mei­ros lançamentos em vi­nil, es­pe­ci­al­men­te o sin­gle Anar­chy In The UK do Sex Pis­tols e o pri­mei­ro ál­bum do Ra­mo­nes. Foi a par­tir des­ses ar­te­fa­tos que a mo­le­ca­da co­me­çou re­al­men­te a se in­te­res­sar pe­lo som fu­ri­o­so da­que­les ca­ras es­qui­si­tos. Em pou­co tem­po, o Sex Pis­tols e ou­tros gru­pos punks es­ta­vam nos jor­nais e na TV, en­tre eles, o en­ga­ja­do The Clash e o de­bo­cha­do Dam­ned, en­quan­to o Ra­mo­nes, es­tra­nha­men­te ne­gli­gen­ci­a­do nos EUA, era o mo­de­lo so­no­ro pa­ra to­dos.

E es­sa foi tal­vez a gran­de di­fe­ren­ça do punk in­glês pa­ra o ame­ri­ca­no (além do viés cla­ra­men­te mais po­lí­ti­co): cha­ma­ram a aten­ção da mí­dia e da so­ci­e­da­de, não ape­nas do un­der­ground. Já no iní­cio de 77, cen­te­nas de gru­pos punks in­va­di­ram o mercado e as pa­ra­das mu­si­cais, to­man­do lu­gar de as­tros con­sa­gra­dos, ape­sar de gra­va­rem tu­do em pou­cas ho­ras e fa­ze­rem “mú­si­cas” com no má­xi­mo três acor­des, sem so­los e que qu­a­se nun­ca du­ra­vam mais do que dois ou três mi­nu­tos.

De iní­cio, o punk

pa­re­cia mais uma

on­da pas­sa­gei­ra,

prin­ci­pal­men­te pe­lo

tra­ta­men­to da­do pe­la

mí­dia – era a “mo­da”

punk. Mas, de ou­tro

la­do, a In­gla­ter­ra vi­via

uma de su­as mai­o­res

cri­ses econô­mi­cas

e o de­sem­pre­go,

es­pe­ci­al­men­te en­tre

os jo­vens, atin­gia

ta­xas ab­sur­das. A

li­ber­da­de pre­ga­da

pe­lo punk, ex­pres­sa

na ideia do

your­self

do it

(fa­ça vo­cê

mes­mo) veio a ca­lhar

pa­ra a mo­le­ca­da que

não ti­nha di­nhei­ro

pa­ra com­prar

rou­pas des­co­la­das e,

prin­ci­pal­men­te, bons

equi­pa­men­tos pa­ra

mon­tar uma ban­da.

O CON­TRA­PON­TO

Mas ha­via um pro­ble­ma: os “mú­si­cos” punks eram in­do­má­veis e to­ca­vam mui­to mal. Ape­sar de os as­tros de rock se­rem doi­dões, a mai­o­ria fa­zia o que seus pro­du­to­res pe­di­am, o que não acon­te­cia com os punks. Pa­ra pi­o­rar, as rá­di­os se re­cu­sa­vam a to­car a mai­o­ria do ma­te­ri­al que lhes che­ga­va, de­vi­do às letras re­che­a­das de pa­la­vrões e ofen­sas.

O jei­to foi ape­lar pa­ra mú­si­cos de ver­da­de, o que fez sur­gir uma es­pé­cie de punk mais po­li­do, que re­ce­be­ria o no­me de new wa­ve. Se­ja co­mo for, abri­ram-se no­vas por­tas pa­ra qu­em não con­cor­da­va mui­to com a es­té­ti­ca e o ba­ru­lho punk, mas tam­bém não ti­nha es­pa­ço no pom­po­so e mi­li­o­ná­rio cir­co do rock.

Em ou­tra fren­te, as gra­va­do­ras in­de­pen­den­tes que até en­tão pe­na­vam pa­ra se man­ter, co­me­ça­ram a ga­nhar for­ça, lan­çan­do cen­te­nas de dis­cos com pro­du­ção ba­ra­ta e que ven­di­am tan­to quan­to os das “ma­jors”. Mais por­tas eram es­can­ca­ra­das. A ener­gia do punk fez tam­bém ban­das de hard rock mais pe­sa­das ga­nha­rem no­to­ri­e­da­de, co­mo o AC/DC e o Motörhe­ad, por exem­plo. Mas o es­ti­lo que ha­via le­va­do o pe­so das gui­tar­ras dis­tor­ci­das às úl­ti­mas con­sequên­ci­as, jun­ta­men­te com o he­avy me­tal, aca­bou ofus­ca­do pe­la no­va on­da, as­sim co­mo o rock pro­gres­si­vo.

De re­pen­te,

sim­ples­men­te

ras­gar uma ca­mi­se­ta

ve­lha e de­sar­ru­mar

o ca­be­lo, bas­ta­va

pa­ra es­tar na mo­da.

Me­lhor ain­da: jun­tar

uns ami­gos com

am­pli­fi­ca­do­res

e ins­tru­men­tos

ba­ra­tos, to­car três

acor­des, dar voz

a to­do o ódio e

frus­tra­ção pos­sí­veis,

era su­fi­ci­en­te pa­ra

se ter uma ban­da à

al­tu­ra dos Sex Pis­tols

ou qual­quer ou­tra

que to­ca­va ali no

pub. Is­so aca­ba­ria

sen­do decisivo pa­ra

que o punk não

mor­res­se quan­do a

“mo­da punk” pas­sou.

De­pois que o Sex Pis­tols aca­bou, foi a vez do que se­ria cha­ma­do pós (ou post)-punk, ca­pi­ta­ne­a­do por gru­pos co­mo Joy Di­vi­si­on, Ma­ga­zi­ne, Si­oux­sie and The Banshe­es, The Cu­re e El­vis Cos­tel­lo, en­tre cen­te­nas de ou­tros. Nos EUA, Blon­die, Tal­king He­ads, De­vo, Pre­ten­ders e Jo­an Jett eram al­guns dos no­mes mais fa­la­dos.

RENASCIMENTO

Com a mes­ma ve­lo­ci­da­de que sur­giu e to­mou con­ta de tu­do, o punk pa­re­cia ter de­sa­pa­re­ci­do, mas por vol­ta de 1979, ga­nhou for­ça de no­vo, atra­vés do hard­co­re, que na­da mais é do que o punk le­va­do às úl­ti­mas con­sequên­ci­as se­ja em ter­mos de ve­lo­ci­da­de e pe­so, co­mo no vi­su­al e nas letras, mais po­li­ti­za­das. Foi nes­sa épo­ca que se co­me­çou a fa­lar em “mo­vi­men­to punk”. O lan­ce não era mais cho­car por cho­car, agre­dir por agre­dir, tu­do era em ci­ma de um ide­al: o anar­quis­mo. Al­gu­mas das ban­das es­sen­ci­ais pa­ra o “renascimento” fo­ram UK Subs, Sham 69, Dis­char­ge, The Ex­ploi­ted, GBH, De­ad Ken­nedys, Black Flag e Bad Brains. Era a pro­va de que o es­tra­go de 77 ha­via si­do mai­or que se pen­sa­va. Mi­lha­res de ban­das sur­gi­ram por to­dos os can­tos e até ho­je o punk se man­tém co­mo uma das ver­ten­tes mais pro­du­ti­vas do rock.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.