GLOBALIZOU GE­RAL

O me­tal e o rock de­ri­va­do da new wa­ve do­mi­na­ram a quin­ta era do rock, que te­ve ain­da o sur­gi­men­to da MTV in­flu­en­ci­an­do os mo­dos de pro­du­ção mu­si­cal. A mis­tu­ra de es­ti­los e a ex­pan­são da eco­no­mia mun­di­al tam­bém con­tri­buí­ram pa­ra que o som das gui­tar­ras (e

ALMANAQUE DO ROCK - EDIÇÃO DE COLECIONADOR - - Quarta Era -

Aquin­ta era do rock foi mar­ca­da

pe­lo re­vi­go­ra­men­to do hard rock e do he­avy me­tal, que an­da­vam em bai­xa du­ran­te a ex­plo­são punk. Mas não foi só: o que an­tes era cha­ma­do de new wa­ve se des­do­bra­ria em es­ti­los di­fe­ren­tes di­luin­do ain­da mais as fron­tei­ras en­tre o pop e o rock. Pa­ra is­so con­tri­buiu o uso de sin­te­ti­za­do­res, ba­te­ri­as ele­trô­ni­cas e rit­mos ro­bó­ti­cos, mis­tu­ra­dos com o cli­ma som­brio do pós-punk, pro­por­ci­o­nan­do o sur­gi­men­to de ban­das que bus­ca­vam a ino­va­ção. As­sim, no­mes co­mo o U2, Du­ran Du­ran, Echo & The Bunny­men, Di­re Straits e Sim­ple Minds pas­sa­ram a do­mi­nar as pa­ra­das mu­si­cais.

Um ou­tro fenô­me­no bas­tan­te in­flu­en­te des­se pe­río­do foi o sur­gi­men­to da MTV, em 1981, com uma pro­gra­ma­ção ex­clu­si­va­men­te de­di­ca­da à música jo­vem. Ao fi­nal de seu pri­mei­ro ano de ati­vi­da­des, nos EUA, já ti­nha mais de dois mi­lhões de as­si­nan­tes e, em 2000, ul­tra­pas­sou a ca­sa dos 80 mi­lhões. Por trás da ino­va­ção, es­ta­va a in­dús­tria fo­no­grá­fi­ca, que usou o ca­nal pa­ra di­vul­gar e apro­xi­mar seus ar­tis­tas do pú­bli­co. A par­tir da­li o rock dei­xa­va de ser ape­nas som. Em pou­co tem­po, ter um bom vi­de­o­cli­pe já era tão im­por­tan­te quan­to fa­zer um bom dis­co. Aliás, um bom vi­de­o­cli­pe po­de­ria tor­nar mais fa­cil­men­te uma ban­da fa­mo­sa do que um bom ál­bum.

As fu­sões de

es­ti­los fo­ram uma

cons­tan­te nos anos

80. Mas ne­nhu­ma

cau­sou mais

es­tra­nhe­za na épo­ca

do que a do rap com

o me­tal. Atu­al­men­te

is­so é co­mum,

es­pe­ci­al­men­te com

o sur­gi­men­to do Nu

O NO­VO ME­TAL

Cu­ri­o­sa­men­te, o he­avy me­tal foi bus­car no pró­prio punk al­guns dos ele­men­tos pa­ra res­sur­gir

Me­tal na dé­ca­da

de 90, mas na­que­la

épo­ca, con­fun­diu os

afi­ci­o­na­dos dos dois

de ma­nei­ra fe­no­me­nal, co­mo a agres­si­vi­da­de e o es­pí­ri­to in­de­pen­den­te, sem ce­der às pres­sões de mercado. Ba­si­ca­men­te, tu­do co­me­çou na In­gla­ter­ra com ban­das co­mo Iron Mai­den, Sa­xon, Def Lep­pard, Ra­ven, An­gel Wit­ch e ou­tras tan­tas que sur­gi­ram ou con­se­gui­ram des­ta­que na vi­ra­da da dé­ca­da de 70 pra 80. Um ver­da­dei­ro le­van­te que le­vou crí­ti­cos mu­si­cais a ba­ti­za­rem o fenô­me­no co­mo “New Wa­ve Of Bri­tish He­avy Me­tal” (NWOBHM). A di­fe­ren­ça des­ses gru­pos pa­ra os pi­o­nei­ros do es­ti­lo co­mo Black Sab­bath, Uri­ah He­ep, De­ep Pur­ple, etc, é que as in­fluên­ci­as dos anos 60 pra­ti­ca­men­te fi­ca­ram pa­ra trás. E eram mais rá­pi­dos, mais di­re­tos. Além dis­so, pre­en­che­ram uma la­cu­na que ha­via si­do cri­a­da com a de­ca­dên­cia dos gru­pos mais pe­sa­dos dos anos 70. Mui­tos, co­mo o pró­prio Mai­den, so­a­vam tão crus no iní­cio que che­ga­ram a ser con­fun­di­dos com punks. Mas só no iní­cio, pois mu­si­cal­men­te es­ta­vam bem a fren­te dos três acor­des.

NEW “TU­DO”

En­quan­to o rock pe­sa­do pre­pa­ra­va-se pa­ra re­to­mar seu es­pa­ço, um ou­tro fenô­me­no que de­fi­ni­ria o som dos anos 80 sur­gia sor­ra­tei­ra­men­te na In­gla­ter­ra. Tra­ta-se da on­da “New Ro­man­tic” que re­ve­lou, en­tre ou­tros no­mes, o Du­ran Du­ran. Tu­do co­me­çou em um night­club de Lon­dres cha­ma­do Billy's, on­de eram re­a­li­za­das as “Bowie and Roxy Mu­sic Nights”, nas quais, pa­ra se­rem ad­mi­ti­dos no clu­be, os fre­quen­ta­do­res ti­nham de ir ves­ti­dos a ca­rá­ter, ins­pi­ra­dos no vi­su­al do ca­ma­leão do rock. Lo­go, ban­das com um som de­ri­va­do da new wa­ve e dos pa­drões ele­trô­ni­cos do Kraftwerk fo­ram for­ma­das ex­clu­si­va­men­te pa­ra to­car nes­se ti­po de fes­ta, que se es­pa­lhou pa­ra ou­tros clu­bes. Em 1981, a So­me Bi­zar­re Re­cords pas­sou a se es­pe­ci­a­li­zar nas ban­das que sur­gi­ram des­se ni­cho, co­mo Span­dau Bal­let, Soft Cell, Vi­sa­ge, etc. Foi aí que sur­giu o “synth­pop” que

la­dos. O Be­as­tie

Boys es­tá en­tre os

pi­o­nei­ros, mas o

Anth­rax tam­bém

tem “cul­pa no

car­tó­rio”, bem co­mo

o Ae­ros­mith.

exi­bi­do pe­la MTV

foi

O pri­mei­ro cli­pe

Vi­deo Kil­led The

Ra­di­os­tar, do gru­po

in­glês The Bug­gles,

na ver­da­de, uma

du­pla for­ma­da por

Tre­vor Horn e Ge­off

Dow­nes. Em 1980

o duo che­gou a

fa­zer par­te do Yes,

ten­do par­ti­ci­pa­do

das gra­va­ções e

da tur­nê do ál­bum

Dra­ma, após o qual

o gru­po fez uma

pau­sa.

do­mi­nou, in­clu­si­ve, as pa­ra­das bra­si­lei­ras e in­flu­en­ci­ou a mai­o­ria dos gru­pos que le­va­ram o rock na­ci­o­nal a um pa­ta­mar que nun­ca ex­pe­ri­men­ta­ra an­tes.

Ou­tro fa­to mar­can­te que aju­dou o rock oi­ten­tis­ta a ga­nhar o mun­do foi o Li­ve Aid, um evento be­ne­fi­cen­te or­ga­ni­za­do pe­lo vo­ca­lis­ta do (en­tão pou­co co­nhe­ci­do) Bo­om­town Rats, Bob Gel­dof, pa­ra ar­re­ca­dar fun­dos pa­ra com­ba­ter a fo­me na Etió­pia. Fo­ram dois shows si­mul­tâ­ne­os – um em Lon­dres e ou­tro na Fi­la­dél­fia – em que des­fi­la­ram no­mes co­mo Que­en, Da­vid Bowie, The Who, U2, Paul McCart­ney, Bod Dy­lan e mem­bros do já se­pa­ra­do Led Zep­pe­lin. Trans­mi­ti­do ao vivo em mais de 100 paí­ses, es­ti­ma-se que te­nha si­do as­sis­ti­do por mais de 1,5 mi­lhão de pes­so­as.

AIN­DA MAIS BA­RU­LHO

O renascimento do he­avy me­tal re­ve­lou ain­da uma le­va de ban­das in­flu­en­ci­a­das pe­la NWOBHM que até ho­je fa­zem ba­ru­lho mun­do afo­ra. En­tre as prin­ci­pais do no­vo es­ti­lo es­ta­vam Me­tal­li­ca, Slayer, Me­ga­deth, Mer­ci­ful Fa­te e Anth­rax. De iní­cio, fo­ram ro­tu­la­das de “spe­ed me­tal”, de­vi­do à ve­lo­ci­da­de que to­ca­vam. Ou­tros pre­fe­ri­am o ter­mo th­rash me­tal, pe­lo som su­jo que fa­zi­am. Daí de­ri­va­ram-se ou­tros ró­tu­los co­mo de­ath, black, power me­tal e ho­je até os afi­ci­o­na­dos do gê­ne­ro se con­fun­dem.

Pa­ra­le­la­men­te, ban­das que ti­nham co­mo in­fluên­cia o hard rock e o glam dos anos 70 tam­bém ha­vi­am fi­ca­do ór­fãs. As­sim, não se­ria de se es­tra­nhar que tam­bém in­cor­po­ras­sem o es­pí­ri­to da épo­ca e re­ci­clas­sem o es­ti­lo. Qu­em fez is­so de uma ma­nei­ra mais con­sis­ten­te foi o Guns N`Ro­ses, mas ou­tros gru­pos co­mo o Mö­tley Crue e o Poi­son se de­ram bem e aju­da­ram a man­ter o glamour de­ca­den­te co­mo um for­te in­gre­di­en­te des­se cal­dei­rão que a ca­da dé­ca­da fi­ca mais fer­ven­te. Em re­su­mo: tu­do (re)co­me­çou nos anos 80 e o rock es­pa­lhou-se de vez, co­mo um ví­rus, pe­lo pla­ne­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.